fbpx

sexta, 26 de fevereiro de 2021

Com horário reduzido, postos de combustíveis falam em crise no setor

Em três dias, redução do horário de funcionamento gerou queda de 70% no faturamento semanal. Empresas estão demitindo funcionários, concedendo férias e até fechando portas.

28 de janeiro de 2021

Compartilhe

Decreto estabelece funcionamento dos postos de 6h às 18h (Foto: Reprodução)

Nos últimos três dias, o segmento de postos de combustíveis registrou queda de aproximadamente 70% no faturamento, em relação às semanas anteriores, decorrente da diminuição no fluxo de veículos e da interrupção nos abastecimentos durante a noite.

Os prejuízos seriam consequências das restrições de circulação devido à pandemia de Covid-19, estabelecidas pelo Decreto 43.315, de 25/01/2021 do Governo do Estado, que determina o horário de funcionamento dos postos de combustíveis de 6h às 18h.

De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Lubrificantes, Álcoois e Gás Natural do Estado do Amazonas (Sindicombustíveis-AM), Eraldo Teles Filho, os prejuízos já estão gerando falência.

 “Infelizmente está sendo necessário demitir muitos funcionários e dar férias para outros que trabalhariam à noite. Muitos postos de gasolina já estão fechados e à venda”, informou.

“Alimento, água, remédio e combustível é vida. E esse decreto está na contramão do que é essencial para a vida da população”, reclamou.

Segundo Teles Filho, o setor já vinha em constante queda desde o início da pandemia. Segundo ele, as perdas já somam quase 50%.

Mudanças

O vice-presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis do Amazonas (Sindicam), Geraldo Dantas, também fala em redução nas vendas.

Segundo ele, os postos de combustíveis precisaram inclusive adaptar atividades de frentistas à função de vigias noturnos para evitar mais demissões.

“Há queda nas vendas, mas não há outro jeito. É um sacrifício que precisa ser feito, neste momento. O funcionário que trabalha no horário da noite fica no posto, mas somente na função de guarda noturno, até às 6h”, disse.

Reportagem: Priscila Caldas

Leia mais:

Leia mais sobre Economia

Cheia dos rios afeta produção agrícola nas calhas do Purus e Juruá

Em 13 municípios, manejos que ocorrem em áreas de várzea, como o cultivo de frutas e hortaliças, e a pecuária, foram interrompidos pela elevação do nível das águas.

26 de fevereiro de 2021

IR: acaba hoje prazo para empresas entregarem informes de rendimento

Segundo a Receita, o empregador que deixar de fornecer o comprovante dentro do prazo ou fornecer com inexatidão, ficará sujeito ao pagamento de multa de R$ 41,43.

26 de fevereiro de 2021

Grileiros vendem terras públicas no Sul do Amazonas até pelo Facebook

Decisão da Justiça Federal mostra que pecuaristas estão comprando terras públicas ou de áreas de conservação ambiental a espera da MP da Grilagem

26 de fevereiro de 2021

Caminhoneiros: MEI pode desburocratizar e baratear frete

Como MEI, trabalhadores autônomos poderão ter redução de 30% no pagamento de tributos e acesso à liberação de cargas por meio eletrônico.

26 de fevereiro de 2021

Índices de confiança da indústria e dos serviços caem em fevereiro

Índice de Confiança da Indústria recuou 3,4 pontos, na segunda queda consecutiva, e chegou a 107,9 pontos em uma escala de zero a 200 pontos, o menor patamar desde setembro.

26 de fevereiro de 2021

13,4 milhões sem trabalho: Brasil bate recorde de desemprego em 2020

Com taxa média de desemprego de 13,5%, 2020 registrou o pior resultado desde o início da série histórica, em 2012, segundo números da Pnad Contínua, divulgada pelo IBGE.

26 de fevereiro de 2021

Amazonas continua sem resposta com relação ao imposto das bicicletas

Na última terça-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu um prazo de 24 horas para dar uma resposta a sobre a redução no Imposto de Importação sobre bicicletas.

25 de fevereiro de 2021

Pandemia reduziu em quase 70% o número de voos para Manaus

Manaus teve queda de 69% no receptivo em janeiro de 2021, em relação a janeiro de 2020. Para Abear, menor fluxo de passageiros no aeroporto é reflexo da pandemia da Covid-19.

25 de fevereiro de 2021