fbpx

quarta, 01 de dezembro de 2021

Transportes têm o maior impacto na alta da inflação em outubro

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os combustíveis subiram 3,21%, com a gasolina (3,10%) tendo o maior impacto individual no índice do mês.

10 de novembro de 2021

Compartilhe

A gasolina, com alta de 3,10% teve o maior impacto individual no índice do mês (Foto: Reprodução)

A alta de 1,25% no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em outubro, com acumulado de 10,67% em 12 meses, foi pressionada pelo grupo transportes. A variação desse grupo chegou a 2,62%, impactando em 0,55 ponto percentual o índice de inflação do mês.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os combustíveis subiram 3,21%, com a gasolina (3,10%) tendo o maior impacto individual no índice do mês, de 0,19 ponto percentual. Essa é a sexta alta seguida no preço da gasolina, que acumula aumento de 38,29% no ano e de 42,72% em 12 meses.

O gerente do IPCA, Pedro Kislanov, destaca que tanto o preço da gasolina como o da energia elétrica, que está na bandeira preta, de escassez hídrica, desde setembro, têm impacto indireto no custo de outros grupos.

“Os preços de muitos componentes, como vestuário e artigos de residência, têm sido influenciados pela alta dos combustíveis, alta da energia elétrica, pela depreciação cambial. Então, a gasolina e a energia elétrica, além de ter um efeito no IPCA diretamente, têm um efeito indireto sobre outros, principalmente sobre bens industriais. De fato, houve um espalhamento maior este mês, principalmente por conta dos não alimentícios”, explica o gerente.

A energia elétrica residencial teve alta de 6,47% em setembro e de 1,16% em outubro, com acumulado de 19,13% no ano e de 30,27% em 12 meses. Outro peso grande no custo para as famílias é o gás de botijão, que subiu 3,67% em outubro, com alta de 33,34% no ano e de 37,86% em 12 meses. “Foi o 17º mês consecutivo de alta. Temos alta desde junho de 2020 no gás de botijão, acumulando 44,77% de alta no período”, disse Kislanov.

Grupos impactaram a inflação

Todos os grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE subiram em outubro. No grupo transportes, o óleo diesel subiu 5,77%, o etanol 3,54% e o gás veicular ficou 0,84% mais caro. Já as passagens aéreas tiveram alta de 33,86% no mês. Segundo Kislanov, também influenciadas pela alta do dólar e dos combustíveis, além da melhora na pandemia da covid-19.

“A depreciação cambial e a alta dos preços dos combustíveis, em particular do querosene de aviação, têm contribuído com o aumento das passagens aéreas. A melhora do cenário da pandemia, com o avanço da vacinação, levou a um aumento no fluxo de circulação de pessoas e no tráfego de passageiros nos aeroportos. Como a oferta ainda não se ajustou à demanda, isso também pode estar contribuindo com a alta dos preços”, explica.

Também acelerou em outubro o transporte por aplicativo, que ficou 19,85% mais caro, depois de subir 9,18% em setembro. Os automóveis novos subiram 1,77% e os usados tiveram alta de 1,13%.

Alimentos e bebidas

O grupo alimentos e bebidas subiu 1,17% no mês, perfazendo a segunda maior contribuição na alta do IPCA, com 0,24 ponto percentual. As principais altas foram no preço do tomate (26,01%) e da batata-inglesa (16,01%), que aceleraram a alimentação no domicílio para 1,32%. Também ficaram mais caros o café moído (4,57%), o frango em pedaços (4,34%), o queijo (3,06%) e o frango inteiro (2,80%).

Caíram o preço do açaí (8,64%), do leite longa vida (1,71%) e do arroz (1,42%). Porém, o gerente da pesquisa destaca que, apesar da queda, o arroz teve uma das maiores altas do ano passado.

“O arroz tem tido uma queda nos preços provocada por uma menor demanda interna, mas essa queda acaba sendo limitada pelo aumento no volume das exportações. No ano, a gente tem uma queda acumula de 12,24%, mas o arroz subiu 76% em 2020”, disse.

O grupo habitação subiu 1,04% em outubro, vestuário teve aumento de 1,80%, artigos de residência variaram 1,27%, educação subiu 0,06% e despesas pessoais 0,75%.

Regiões

Todas as regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE tiveram alta no mês. As maiores variações foram em Vitória e Goiânia, ambos com alta de 1,53%. Em Vitória, as principais influências foram da taxa de água e esgoto (11,33%) e da energia elétrica (3,35%). Em Goiânia, pesaram a energia elétrica (5,34%) e a gasolina (4,24%). A menor variação de outubro foi verificada em Belém (0,64%), com a queda no preço do açaí (8,77%) e da energia elétrica (1,23%).

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Inflação medida pelo IPC-S sobe para 1,08% em novembro, diz FGV

Alta da taxa de outubro para novembro foi puxada por apenas dois dos oito grupos de despesas que compõem o IPC-S. Inflação de transportes mais do que duplicou no período.

1 de dezembro de 2021

Carnaval e Covid: empresários temem perder mais vidas e não vendas

Empresários consideram que o possível cancelamento do carnaval poderá afetar o faturamento dos setores. Porém, destacam que o momento é de prevenção à saúde pública.

1 de dezembro de 2021

Garimpo no Madeira expõe falta de alternativas no interior, diz Sidney Leite

Segundo Sidney Leite, a cadeia produtiva da mineração beneficia a mais de 38 mil famílias que trabalham na calha do Madeira, principalmente nas proximidade de Humaitá.

30 de novembro de 2021

No Brasil, desemprego cai 1,6 ponto percentual e atinge 12,6%

Número de pessoas em busca de emprego no país recuou 9,3% e, com isso, chegou a 13,5 milhões. Os ocupados tiveram um crescimento de 4%, alcançando 93 milhões de pessoas.

30 de novembro de 2021

Produtor terá acesso a linhas de crédito especiais durante Expoagro

Ao menos cinco instituições financeiras vão participar da Exposição Agropecuária ofertando linhas de crédito em condições especiais para o produtor rural do Amazonas.

30 de novembro de 2021

Desemprego cai, mas informalidade ainda atinge 59% dos amazonenses

Taxa de desocupação do estado caiu 2,3 pontos percencetuais no 3º trimestre, passando de 15,8%, entre abril e junho, para 13,4% entre julho e setembro, segundo dados do IBGE.

30 de novembro de 2021

Sob expectativa do público, Havan não tem data de inauguração em Manaus

A empresa se restringiu em informar que a unidade da Havan será inaugurada em 2022 e que os planos foram afetados pela pandemia e por reflexos no setor de construção civil.

30 de novembro de 2021

Conhecimento é vital para a sobrevivência de empresas, diz especialista

O prof. Marcelo Miyashita, um dos mais reconhecidos profissionais de marketing do país, estará em Manaus ministrando dois cursos sobre Networking e Gestão de Atendimento.

30 de novembro de 2021