fbpx

sexta, 28 de janeiro de 2022

No país, serviços caem 1,2% em outubro e registram 2º recuo seguido

Apesar do resultado, o setor ainda ficou 2,1% acima do patamar pré-pandemia, registrado em fevereiro do ano passado, mas está 9,3% abaixo do recorde alcançado em 2014.

14 de dezembro de 2021

Compartilhe

Quatro das cinco atividades investigadas recuaram no mês de outubro (Foto: Reprodução)

O setor de serviços recuou 1,2% na passagem de setembro para outubro, segunda taxa negativa consecutiva, acumulando uma retração de 1,9%. Apesar do resultado, o setor ainda ficou 2,1% acima do patamar pré-pandemia, registrado em fevereiro do ano passado, mas está 9,3% abaixo do recorde alcançado em novembro de 2014. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta terça-feira (14) pelo IBGE.

“Essa perda não elimina o ganho de 6,2% observado no período abril-agosto, mas reduz o distanciamento em relação ao nível pré-pandemia. Em agosto, o setor estava 4,1% acima do patamar de fevereiro de 2020, passando para 3,3% em setembro e 2,1% agora em outubro”, destaca Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa.

Quatro das cinco atividades investigadas recuaram no mês de outubro, com destaque para serviços de informação e comunicação (-1,6%), que apresentaram a segunda taxa negativa consecutiva, acumulando retração de 2,5%.

“O segmento que mostrou o principal impacto negativo foi o de telecomunicações. Essa queda é explicada pelo reajuste nas tarifas de telefonia fixa, que avançaram 7,33% nesse mês. Essa pressão vinda dos preços, acabou impactando o indicador de volume do subsetor”, explica Lobo.

Outra atividade que puxou o índice para baixo foi a de outros serviços, com queda de 6,7%, também a segunda consecutiva, acumulando perda de 12,7%. “Essa é uma atividade muito heterogênea e nesse mês foi impactada principalmente pela menor receita das empresas que atuam na pós-colheita, fazendo beneficiamento de produtos agrícolas, e, também, pela queda em corretoras de títulos e valores mobiliários.

Por outro lado, os serviços prestados às famílias cresceram 2,7% entre setembro e outubro, emplacando o sétimo resultado positivo consecutivo e acumulando 57,3% de crescimento nesse período.

“Essa foi a atividade que mais sofreu nos meses agudos da pandemia, pois contempla os serviços de caráter presencial. Pouco a pouco, com o avanço da vacinação e aumento da mobilidade das pessoas, os serviços de alojamento e alimentação foram crescendo, mas, ainda assim, é o setor que se encontra mais distante do patamar pré-pandemia, estando 13,6% abaixo do patamar de fevereiro de 2020”, contextualiza o pesquisador.

Com relação a outubro de 2020, o setor de serviços avançou 7,5%, com crescimento em quatro das cinco atividades. “Essa foi a oitava taxa positiva seguida, mas com redução o ritmo de crescimento”, destaca Lobo.

No acumulando do ano, o setor apresenta alta de 11,0%, com crescimento em todos os setores. “Nessa comparação, temos o efeito da baixa base de comparação. Enquanto indústria e comércio iniciaram a recuperação no segundo semestre de 2020, a primeira taxa positiva do setor de serviços, na comparação interanual, só ocorreu em março de 2021, mês em que os serviços cresceram 4,6%”, ressalta.

Regionalmente, a maior parte (23) das 27 unidades da federação teve retração no volume de serviços em outubro de 2021, na comparação com o mês imediatamente anterior. Entre os locais com taxas negativas, o impacto mais importante veio do Rio de Janeiro (-3,2%), seguido por São Paulo (-0,5%), Rio Grande do Sul (-4,0%), Paraná (-2,1%) e Mato Grosso (-6,0%). Em contrapartida, o Ceará (1,4%) registrou a principal expansão em termos regionais.

Turismo cresce 1,0%

O índice de atividades turísticas cresceu 1,0% frente a setembro, sexta taxa positiva consecutiva, período em que acumulou ganho de 51,2%. Contudo, o segmento de turismo ainda se encontra 19,5% abaixo do patamar de fevereiro do ano passado.

“Esse índice de atividades turísticas tem um perfil muito semelhante ao perfil dos serviços prestados às famílias, pois muitas das atividades que compõem o indicador vêm desse segmento”, observa o pesquisador.

Regionalmente, seis dos 12 locais pesquisados acompanharam este movimento de expansão. A contribuição positiva mais relevante ficou com São Paulo (1,1%), seguido por Minas Gerais (1,8%). Em sentido oposto, Bahia (-7,2%) e Distrito Federal (-10,1%) tiveram os resultados negativos mais importantes do mês.

Sobre a PMS

A PMS produz indicadores que permitem acompanhar o comportamento conjuntural do setor de serviços no país, investigando a receita bruta de serviços nas empresas formalmente constituídas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, que desempenham como principal atividade um serviço não financeiro, excluídas as áreas de saúde e educação. Há resultados para o Brasil e todas as unidades da Federação. Os resultados podem ser consultados no Sidra.

Fonte: IBGE

Leria mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Defensoria Pública abre processo seletivo de estágio em Direito

As inscrições no Cadastro de Reserva da Defensoria Pública do Estado do Amazonas estão abertas para candidatos ao Estágio de Direito com bolsa de R$987 e auxílio transporte.

27 de janeiro de 2022

Secretários de Fazenda aprovam congelamento de ICMS dos combustíveis

Congelamento do preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF), base para cálculo do ICMS, tinha validade até 31 de janeiro. Com a decisão, valerá por mais 60 dias.

27 de janeiro de 2022

Jovem aprendiz colabora em média com 30% da renda das famílias, diz fórum

Fórum lançado nesta quinta, busca soluções para ampliar estágio e primeiro emprego no Brasil por meio de ações alinhadas com Estados e Municípios e ao Novo Ensino Médio.

27 de janeiro de 2022

Empresas podem acionar Justiça para liberar mercadorias na Receita

Mais empresas podem seguir a Moto Honda e acionar a Justiça para desembaraçar mercadorias fiscalizadas no operação padrão dos auditores fiscais, diz a Fieam.

27 de janeiro de 2022

Setor imobiliário deve frear reação devido Inflação e juros altos, em 2022

Conjuntura de 2022 com inflação e juros altos tem diferença em relação ao ano passado quando o mercado imobiliário reagiu bem apesar da pandemia, dizem especialistas.

27 de janeiro de 2022

Faturamento do PIM cresce 32% até novembro de 2021 e bate recorde

De acordo com dados da Suframa, o faturamento do Polo Industrial de Manaus acumulado de janeiro a novembro de 2021 atingiu volume recorde de quase R$ 145,59 bilhões.

27 de janeiro de 2022

5 milhões de m³/dia: consumo de gás natural atinge volume inédito no AM

Volume demandado em 2021 alcançou média de 5,2 milhões de m³/dia, alta de 5,5 % em comparação com o ano de 2020, segundo cálculos da Cigás.

27 de janeiro de 2022

Confiança da indústria registra sexta queda consecutiva, informa FGV

Índice de Confiança da Indústria (ICI) caiu 1,7 ponto em janeiro, para 98,4 pontos, o menor nível desde julho de 2020, quando o índice atingiu 89,8 pontos.

27 de janeiro de 2022