fbpx

quarta, 26 de janeiro de 2022

Estimativa de agosto prevê queda de 1,0% na safra agrícola de 2021

Safra de 2021 deverá alcançar 251,7 milhões de toneladas, sendo 2,4 milhões de toneladas inferior ao recorde do ano passado, de 254,1 milhões de toneladas, segundo o IBGE.

9 de setembro de 2021

Compartilhe

Entre as causas do declínio estão a falta de chuvas e também as geadas (Foto: Reprodução)

A estimativa para a safra brasileira de grãos, cereais e leguminosas em 2021 foi reduzida pelo quinto mês consecutivo e, com a informação de agosto, a produção deve ficar 1,0% abaixo da de 2020. A safra de 2021 deverá alcançar 251,7 milhões de toneladas, sendo 2,4 milhões de toneladas inferior ao recorde do ano passado, de 254,1 milhões de toneladas. Entre as causas do declínio estão a falta de chuvas e também as geadas que ocorreram em algumas das principais unidades produtoras no final de julho. E o milho foi a commodity mais prejudicada.

Os dados são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado nesta quinta-feira (9) pelo IBGE. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos do grupo, representando 92,4% da estimativa da produção e 87,6% da área a ser colhida.

“O ano agrícola, em geral, começa em setembro do ano anterior, que é quando se inicia o plantio. Porém, para plantar, o produtor precisa de que haja umidade no solo e, como houve falta de chuvas nesse período de 2020, esse plantio atrasou muito, sendo iniciado apenas na segunda quinzena de outubro.

O que acabou prejudicando o milho 2ª safra, plantado após a colheita da soja, que teve sua “janela de plantio” reduzida, deixando as lavouras mais dependentes do clima. Como as chuvas não se confirmaram, houve drástica redução no rendimento médio, e consequentemente na produção”, explica Carlos Barradas, gerente da pesquisa.

Com uma área a ser colhida de 19,6 milhões de hectares e um rendimento médio de 4.499 quilos por hectare, a produção do milho teve sua estimativa reduzida em 4,7% frente à estimativa de julho, totalizando 87,3 milhões de toneladas. Em relação a 2020, a safra deve ser 15,5% menor, embora haja aumentos de 6,8% na área plantada e de 6,2% na área a ser colhida.

Cabe ressaltar ainda que algumas unidades da federação, como é o caso do Paraná e do Mato Grosso do Sul, sofreram também com a ocorrência de geadas no final de julho, havendo redução da produtividade.

133,8 milhões de toneladas: soja atinge novo recorde

Por outro lado, a produção de soja continua a elevar seus recordes. Com sua colheita já concluída, a leguminosa atingiu 133,8 milhões de toneladas, com aumento de 0,3% em relação ao que foi estimado no mês anterior e de 10,1% em relação à safra de 2020 – o equivalente a 12,2 milhões de toneladas.

“A cultura se desenvolveu de maneira satisfatória na maioria dos estados, apesar do significativo atraso no plantio. Amapá e Alagoas foram os estados que mais elevaram suas estimativas em agosto, em 41,3% e 150,6%, respectivamente. Já o Piauí reduziu, em 1,1%, devido aos problemas climáticos ocorridos durante o ciclo da cultura, com queda de 1,9% na produtividade das lavouras, mas, em comparação com o ano anterior, o estado produziu 10,9% a mais que em 2020”, ressalta Barradas.

Ele acrescenta que os estados que compõem o eixo chamado de Matopiba vêm propiciando a expansão das lavouras de soja e, este ano a área plantada aumentou em 73,4 mil hectares no Piauí, em 46,2 mil hectares no Maranhão, em 23,5 mil hectares no Tocantins e em quase 80,0 mil hectares na Bahia.

Centro-Oeste é a única região com queda

Apenas o Centro-Oeste deve ter redução (-6,1%) no volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas em relação a 2020. A região, no entanto, é maior produtora do Brasil (45,5% do total), e deverá somar uma safra de 114,4 milhões de toneladas.

O Sul, que responde por 30,8% da produção do país, deve fechar 2021 com 77,5 milhões de toneladas de grãos; o Sudeste, que responde por 10,2%, com 25,7 milhões de toneladas; Nordeste (9,1%), com 23,0 milhões de toneladas e Norte (4,4%), com 11,1 milhões de toneladas. Em relação ao ano de 2020, o Sul deve ter alta de 6,0%; o Nordeste, de 1,8%; o Sudeste, de 0,1% e o Norte, de 0,9%.

Entre as unidades da federação, o Mato Grosso lidera como o maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 28,2%, seguido pelo Rio Grande do Sul (14,9%), Paraná (13,5%), Goiás (9,3%), Mato Grosso do Sul (7,7%) e Minas Gerais (6,1%), que, somados, representaram 79,7% do total nacional.

Fonte: IBGE

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Entenda os fatores que pressionam a inflação no Brasil e no mundo

Tensões geopolíticas internacionais e fatores internos, como problemas climáticos e incertezas políticas deste ano, puxarão os índices de preços pelo menos no 1º trimestre.

26 de janeiro de 2022

Seis delegados e 25 chefes da Receita Federal no AM entregaram os cargos

Entrega de cargos de delegados e chefes da Receita Federal no Amazonas torna mais burocrática e morosa a liberação de mercadorias nos terminais do Amazonas.

26 de janeiro de 2022

Grupo amazonense de supermercados reforça vendas pelo Whatsapp

Grupo DB de supermercados aposta em serviço de delivery pelo perfil do Whatsapp para manter regularidade das vendas em meio a alta de casos de Covid-19 em Manaus.

26 de janeiro de 2022

Prévia da inflação, IPCA-15 de janeiro fica em 0,58%, informa IBGE

Resultado foi puxado pela queda de 0,41% no grupo dos transportes, que foi influenciado pela diminuição nos preços da gasolina (-1,78%) e das passagens aéreas (-18,21%).

26 de janeiro de 2022

Setor de energia solar quer reverter taxação sancionada por Bolsonaro

Movimento Solar Livre tem um ano para mobilizar o setor de energia solar e reverter a taxação sancionada em janeiro aos usuários desse sistema de energia limpa.

26 de janeiro de 2022

BNDES anuncia ampliação de orçamento do Fundo Socioambiental

Orçamento passa a ser de R$ 150 milhões. Segundo o presidente Bolsonaro, os recursos têm foco em projetos voltados para educação, meio ambiente e geração de emprego e renda.

26 de janeiro de 2022

Indústria termoplástica chega ao PIM com investimentos de R$ 17 milhões

Norpolim Nordeste Polímeros Indústria e Comércio de Termoplástico Ltda pertence ao grupo Plasvan que é referência no setor de termoplásticos no país.

26 de janeiro de 2022

Trabalhador formal está há 3 anos sem ganho salarial real, diz pesquisa

Salariômetro da Fipe confirma que o salário dos trabalhadores formais encerrou pelo terceiro ano (2021) consecutivo com reajustes abaixo da inflação medida pelo INPC.

26 de janeiro de 2022