fbpx

quinta, 26 de maio de 2022

Atem compra refinaria Isaac Sabbá no Amazonas por US$ 189,5 milhões

A estatal recebeu US$ 28,4 milhões nesta quarta (25) e os US$ 161,1 milhões restantes serão pagos no fechamento da operação.

25 de agosto de 2021

Compartilhe

(Foto: Divulgação/Petrobras)

A Petrobras comunicou ao mercado nesta quarta-feira (25) que assinou hoje contrato para venda da Refinaria Isaac Sabbá (Reman), localizada no Amazonas, por US$ 189,5 milhões. A companhia destaca que a operação está sujeita à aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O negócio será firmado com a Ream Participações, constituída por sócios da Atem’s Distribuidora de Petróleo.

A Petrobras recebeu US$ 28,4 milhões, hoje, e os US$ 161,1 milhões restantes serão pagos no fechamento da operação.

Petrobras informa que operações serão mantidas

De acordo com a estatal, as operações da refinaria serão mantidas até a conclusão do negócio. A Petrobras afirma ainda que “continuará apoiando a Atem’s, de forma a preservar a segurança e continuidade operacional”.

Situada em Manaus, a Reman possui capacidade de processamento de 46 mil barris/dia e seus ativos incluem um terminal de armazenamento.

Petroleiros querem impedir venda da refinaria Isaac Sabbá

Após o comunicado da Estatal, o Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-AM) se pronunciou contra a venda da refinaria, que, segundo o Sindipetro, é uma venda arbitrária.

O Sindipetro disse que, junto à Federação Única dos Petroleiros (FUP) e sindipetros filiados, avalia com o Departamento Jurídico medidas para impedir a venda da Reman que, segundo o Sindicato, irá acarretar consequências negativas para a economia do Estado do Amazonas e também para a população que é vítima do desmonte da Petrobrás ao pagar valores abusivos no preço da gasolina e botijão de gás de cozinha.

Sindicato alerta sobre monopólio privado e risco de aumento dos preços

Em nota, o Sindipetro-AM alerta para o “monopólio privado regional, o risco de desabastecimento, o aumento dos preços de combustíveis no Amazonas e na região Norte, tendo em vista que a Reman é o único ativo da região”.

Ainda segundo a nota, de acordo com estudos técnicos realizados por universidades e pelo Instituto de Estudos Estratégicos do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), “a venda das refinarias de forma separada, diferente de como funciona o Sistema Integrado da Petrobrás, cria os monopólios privados regionais que, sem concorrência, as oscilações de valores de combustíveis tende a aumentar.

Sindipetro-AM diz que Bolsonaro e Paulo Guedes entregam de bandeja a refinaria Isaac Sabbá

O coordenador geral do Sindipetro-AM, Marcus Ribeiro, ressalta que a luta da categoria amplia a cada fase de venda da Refinaria e que o sindicato está comprometido com a defesa da Petrobrás como estatal para o povo.

“A gestão da Petrobrás, a mando da política entreguista de Bolsonaro e Paulo Guedes, entrega de bandeja um ativo de suma importância para o abastecimento da região Norte e também para seu desenvolvimento econômico e social. A população de Manaus, do Amazonas e de cidades e estados abastecidos pela Reman vão estar nas mãos do mercado privado que irá impor preços e que não terá obrigação de oferecer produtos, podendo ocasionar o risco de desabastecimento da região”.

O coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, também destaca os prejuízos da venda da Reman, da Rlam e demais refinarias postas à venda. “Está claro que a decisão da gestão da empresa de vender a RLAM, a Reman e outras refinarias não se trata só de causar prejuízo à empresa, mas a todo o país. É uma forma de impor na marra a política de Preço de Paridade de Importação (PPI), criando à força uma política de Estado que favoreça o mercado e prejudique a população, o que é ainda mais absurdo”.

Ainda conforme o Sindipetro-AM, a venda da Refinaria, patrimônio do Amazonas, foi realizada sem transparência e vendida por preço irrisório seguindo o modelo de desmonte também aplicado na Refinaria Landulpho Alves (Rlam), localizada na Bahia e a primeira a ser vendida pela atual gestão da Petrobrás.

Da Redação, com informações do Valor Econômico.

Leia Mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

‘Nosso Centro’ quer expandir empreendimentos na região central de Manaus

Programa da Prefeitura prevê a revitalização do centro histórico com a implantação dos projetos 'Mais Negócios', 'Mais Vida' e 'Mais História', ao longo dos próximos 3 anos.

25 de maio de 2022

Em apoio a petroleiros, parlamentares questionam venda da Reman no TCU

Deputado Zé Ricardo e o senador Jean Paul (PT/RN) acionaram o Tribunal de Contas da União solicitando medida cautelar para suspender o processo de privatização da refinaria.

25 de maio de 2022

Comércio do Amazonas teve alta de até 20% nas vendas do Dia das Mães

Mais da metade dos estabelecimentos do comércio disse que as vendas do Dia das Mães cresceram entre 11% e 20% com destaque para pagamento no cartão parcelado.

25 de maio de 2022

Programa do Cetam realiza curso de criação de startups em Itacoatiara

Programa Trilhas de Empreendedorismo Digital vai receber 40 alunos para três dias de imersão no processo de criação de startups. Curso começa nesta quarta-feira (25).

25 de maio de 2022

Wilson Lima institui Sistema de Informações de Custos do Amazonas

Com o Sica, o governo vai ampliar o rigor no controle das informações com o objetivo de melhorar a qualidade dos investimentos. O sistema funcionará de forma eletrônica.

25 de maio de 2022

Operadoras de telemarketing vão ao STF contra uso do prefixo 0303

Argumento é de que a norma viola a Constituição por supostamente afetar o exercício de atividade empresarial e prejudicar a livre iniciativa e a busca do pleno emprego.

25 de maio de 2022

Fieam aponta distorção e afirma que ‘lista misteriosa’ prejudica o PIM

Fieam considera que a lista de produtos elaborada pela Suframa e pelo Ministério da Economia não atende às necessidades do PIM. Presidente da entidade demonstra preocupação.

25 de maio de 2022

Resultado preliminar do concurso público da PGE-AM é divulgado

Provas ocorreram no dia 17 de abril, quando quase oito mil candidatos concorreram a uma das 44 vagas ofertadas, sendo 37 para ampla concorrência e sete para PcDs.

25 de maio de 2022