fbpx

domingo, 16 de janeiro de 2022

Planta da Amazônia pode substituir uso de mercúrio na busca por ouro

Estudo, desenvolvido na UEA, identificou que é possível substituir o uso do mercúrio por uma substância extraída da planta pau-de-balsa capaz de identificar ouro.

10 de dezembro de 2021

Compartilhe

(Foto: Thinkstock/Getty Images)

Uma planta da floresta amazônica pode substituir o uso de mercúrio para separar o ouro da lama. Um estudo, realizado pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), identificou que a folha da planta pau-de-balsa pode ser utilizada como uma substância similar a de um detergente para identificar e separar o ouro em meio a outras substâncias. Hoje a separação utilizada por garimpeiros é feita com o uso de mercúrio.

Ao RealTime1, o pesquisador Paulo Basta, da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), alerta sobre os danos à saúde quando há contato de seres humanos com a substância tóxica.

“O mercúrio circulando nos adultos, no sangue da mulher gestante, em particular, é transmitido pela placenta, pelo cordão umbilical, até à criança que está na barriga. A substância tem uma tendência de se acumular de cinco a sete vezes mais no cérebro da criança do que no de um adulto, e essa criança pode apresentar sintomas graves como má formação congênita, paralisia cerebral e outros problemas de saúde que podem resultar em morte”, destaca Paulo Basta.

O pesquisador explica que em alguns garimpos tradicionais, como os da Amazônia colombiana, os garimpeiros usam a planta pau-de-balsa. A planta é muito comum na américa latina e faz o mesmo papel do mercúrio ao identificar os fragmentos de ouro na lama.

Paulo lembra que, quando despejado no leito do rio, o mercúrio metálico vai se transformar em orgânico, que, segundo o pesquisador, é uma forma muito mais tóxica da substância. “Ela vai entrar na cadeia alimentar e vai afetar todos as algas, pequenos crustáceos, tracajás, peixes e qualquer outra forma de vida no rio”.

Pesquisador avalia o uso do mercúrio na atividade garimpeira

Ao RealTime1, garimpeiros do rio Madeira, no Amazonas, afirmaram que o mercúrio é reutilizado por várias vezes antes de ser descartado. Eles garantem que a substância não é despejada no rio, e sim queimada. No entanto, Paulo Basta diz que, ainda sim, o descarte da substância acaba em poluição do meio ambiente.

“Nesse processo de queima, esse mercúrio é liberado para atmosfera em forma de fumaça, que acaba sendo inalada pelo ser humano. O que não for inalado, vai subir para atmosfera, se juntar às nuvens e pode navegar diferentes distâncias. Na ocasião, pode se dispersar em formato de chuva na própria região ou, por intermédio dos ‘rios voadores’ [rios formados por massas de ar carregadas de vapor de água], viajar pelo país e outras parte do mundo e cair em forma de chuva em outras regiões”, revela o pesquisador da Fiocruz.

Descarte certo pode recuperar mercúrio e seu uso

O geólogo Daniel Nava contou ao RealTime1 que é preciso fazer o descarte do mercúrio em terra firme, em uma área tecnicamente referenciada. O local, segundo o especialistas, pode acabar se transformando em uma indústria de beneficiamento.

“Após o mercúrio ser jogado nesse local, você pode recuperá-lo e reutilizá-lo”, defende o geólogo.

Pesquisa está em fase de testes

O projeto desenvolvido pela professora Marta Regina Pereira, da UEA, recebeu o nome de “Potencial biotecnológico de Ochroma Pyramidale (Cav. Ex Lam.) Urb. como substituto do mercúrio na mineração de ouro” e atualmente está em fase experimental.

Conforme a autora da pesquisa, após a fase de testes, espera-se que os resultados com a planta pau-de-balsa colaborarem com a diminuição do uso de mercúrio nos rios da Amazônia.

“A gente busca informações mais precisas e mais técnicas, para usar a planta em substituição ao mercúrio, que é um dos problemas da mineração artesanal”, concluiu a pesquisadora.

A pesquisa está entre os projetos contemplados pelos prêmios Professor Samuel Benchimol e Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente 2021. Ela foi a vencedora da categoria Projetos de Desenvolvimento Sustentável na Região Amazônica.

Texto: Isac Sharlon

Leia Mais:

Leia mais Dia a Dia

Matrículas para novos alunos da rede pública estadual iniciam nesta segunda-feira

Reserva da vaga poderá ser realizada via site de matrículas e presencialmente, nas escolas públicas da rede estadual e municipal. O prazo vence na terça-feira (18).

16 de janeiro de 2022

Manaus registra o segundo maior número de enterros de janeiro

Neste sábado (15), foram registrados 45 enterros em cemitérios da Prefeitura. Dois enterros tiveram como causa a covid-19. A partir do dia 3, os números passaram de 40.

16 de janeiro de 2022

Brasil recebe segunda remessa com 1,2 milhão de doses da vacina pediátrica da Pfizer

A vacinação de criança de 5 a 11 anos começou neste fim de semana na maioria dos estados brasileiros. Em Manaus, a vacinação infantil inicia nesta segunda-feira (16).

16 de janeiro de 2022

Centro Municipal de Testagem no Studio 5 retoma exames nesta segunda-feira

O centro funciona de segunda a sábado das 09h00 às 19h00 no Centro de Convecções Studio 5, Distrito Industrial I. O ponto de testagem funciona desde esta quarta-feira (12).

16 de janeiro de 2022

Prefeitura de Manaus oferta 183 vagas de emprego nesta segunda–feira

As 183 vagas oferecidas pela Prefeitura são de várias áreas de atuação. O cadastro para as vagas pode ser feito de forma digital ou presencialmente no Posto do Sine Manaus.

16 de janeiro de 2022

Vacinação de crianças de 5 a 11 anos inicia nesta segunda-feira em quatro postos

Na lista de postos, há shopping, parque, clube e centro de convivência da família que receberão o público infantil. A vacinação começa por indígenas e quilombolas.

16 de janeiro de 2022

Amazonas registra 2.638 casos de covid-19; sexto dia com registros acima de mil

Este sábado foi o segundo dia com o maior registros de casos de covid-19, perdendo só para esta sexta-feira (14), quando o estado registrou 2.782 casos positivos da doença.

15 de janeiro de 2022

Depois de quase desaparecer, Programa Antártico brasileiro completa 40 anos

Fundada em 1984, a estação sofreu um incêndio de grandes proporções em 2012. Na tragédia, dois militares morreram e 70% das instalações foram perdidas.

15 de janeiro de 2022