fbpx

sexta, 21 de janeiro de 2022

Escama do pirarucu pode servir para revestimento de implantes ósseos

Pesquisa da Fapeam indica que os biomateriais cerâmicos derivados da escama de peixe são biologicamente melhores do que o hidroxiapatita quimicamente sintetizado.

20 de dezembro de 2021

Compartilhe

As escamas serão submetidas a diferentes tratamentos térmicos e termoquímicos para a remoção dos compostos orgânicos (Foto: Divulgação)

A produção de cimento ósseo retirado das escamas do Pirarucu para ser usado no revestimento de parafusos metálicos faz parte de um estudo para melhorar a densidade óssea na fixação dos implantes, principalmente no tratamento a pessoas que sofrem com a osteoporose.

A indicação foi feita na pesquisa coordenada pelo doutor em Ciência e Engenharia de Materiais Jean Carlos Silva Andrade, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), que recebe o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

O estudo verifica as propriedades físico-químicas, bioativas e biológicas da hidroxiapatita (HA) derivadas dos resíduos de um tradicional peixe da região amazônica, Arapaima Gigas, conhecido como Pirarucu.  

Segundo o pesquisador, a utilização da escama de pirarucu como fonte de transformação de baixo custo, matéria-prima base para o desenvolvimento de cimento ósseo bioabsorvível em revestimento para implantes, tem a possibilidade de aplicação tecnológica na indústria.  

 “A sociedade procura alternativas para a preservação dos recursos naturais, exigindo produtos e serviços que cumpram o fim a que se destinam, mas que sejam produzidos com menor impacto ecológico. Para alcançar essas necessidades, o estudo interdisciplinar torna-se fundamental, conseguindo atingir a tecnologia desejada, a preservação ambiental e a eficiência da produção”, comenta Jean Carlos. 

A pesquisa já apresenta resultados preliminares por meio da extração do fosfato de cálcio (CaP), de escamas do Pirarucu através do tratamento térmico alcalino (700-900ºC) e remoção de compostos orgânicos, para a produção de hidroxiapatita (HA). 

Pesquisas recentes demonstraram que os biomateriais cerâmicos derivados da escama de peixe (FSHA) são biologicamente melhores do que o HA quimicamente sintetizado e têm o potencial para uso como um esqueleto ósseo ou como materiais regenerativos. 

“A integração osso-parafuso por intermédio de cimentos tem se mostrado uma ótima alternativa para pessoas com osteoporose, onde a densidade óssea fragiliza a fixação dos implantes. A modificação da superfície dos implantes é frequentemente necessária para melhorar as propriedades biológicas e tribológicas dos implantes metálicos”, defende o pesquisador. 

De acordo com ele, os parafusos metálicos receberão revestimento de HA proveniente de escamas de peixe. O efeito da camada intermediária de revestimento HA sobre a força de adesão no substrato será investigada, assim como o desgaste do material e possíveis implicações na rejeição do implante através de corrosão e biotribocorrosão em simulação de fluido corpóreo.  

Metodologia

O estudo é realizado a partir de resíduos de escamas do Pirarucu, resíduo não tóxico, utilizados para se extrair fosfatos de cálcio (CaP), sendo uma fonte alternativa e barata para a produção de hidroxiapatita (HA), objetivando o desenvolvimento de cimento ósseo bioabsorvível à base de hidroxiapatita e utilizá-la para melhorar a biomecânica associada aos implantes ósseos.

As escamas serão submetidas a diferentes tratamentos térmicos e termoquímicos para a remoção dos compostos orgânicos. O desenvolvimento de hidroxiapatita granulada é de grande interesse devido à sua ampla utilização na área ortopédica e traumatológica (medicina e odontologia). No entanto, não existem materiais disponíveis no mercado nacional com qualidade e custo vantajoso. 

Além da Ufam, o estudo envolve pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Com informações da assessoria

Leia Mais:

Leia mais Dia a Dia

Com queda de 50% no estoque, Hemoam convoca doadores com urgência

Pessoas saudáveis estão sendo convocadas para doarem sangue e garantir a realização de cirurgias eletivas. Ontem, abastecimento de sangue registrou queda de 50%.

21 de janeiro de 2022

Vacinação de idosos contra Covid-19 reduziu mortes em 63%, em Manaus

Estudo da Fiocruz/Amazônia feito em Manaus comprovou eficiência da vacinação contra Covid-19 na redução de óbitos e internações de pessoas com mais de 60 anos, em mais de 60%

21 de janeiro de 2022

Operação Cidade Mais Segura realizou mais de 400 abordagens na zona Norte

Cerca de 70 agentes das forças de segurança, entre policiais civis e militares, estiveram envolvidos na ação, além do apoio de 30 viaturas.

21 de janeiro de 2022

Elza Soares, ícone da música brasileira, morre aos 91 anos em casa

Elza começou a carreira cantando "Se Acaso Você Chegasse" em 1959, e se dedicou ao gênero nos anos 60. Ela é considerada uma das maiores cantoras do Brasil.

20 de janeiro de 2022

Após estabilizar, nível do rio Negro desce dois centímetros nas últimas 24h

Em 2021, a primeira vez que o nível do rio Negro registrou diminuição foi em 14 de junho, quando baixou um centímetro.

20 de janeiro de 2022

Anvisa libera CoronaVac para crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos

Decisão foi unânime. Esquema vacinal é o mesmo recomendado para adultos: duas doses aplicadas em intervalo de 28 dias. Agência vetou dose para menores imunossuprimidos.

20 de janeiro de 2022

Técnicos da Anvisa recomendam CoronaVac na faixa de 6 a 17 anos

A aprovação ou não do imunizante para esta faixa ainda depende da votação da Diretoria Colegiada da Agência de Saúde, que ainda está em andamento.

20 de janeiro de 2022

Santa Isabel do Rio Negro vira ponto do programa Amazônia Conectada

Hospital de Santa Isabel do Rio Negro (AM) é o mais novo ponto do programa federal Amazônia Conectada e deve fazer uso de telemedicina com internet por fibra óptica fluvial.

20 de janeiro de 2022