domingo, 14 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Cresce o número de desastres naturais causados pelas chuvas em Manaus

Um levantamento feito pelo CPRM mostra que Manaus está entre as cidades do Amazonas com alta possibilidade de graves eventos, em razão do número de ocupações irregulares.
COMPARTILHE
Defesa Civil Desastres Naturais

Cresce em mais de 40% o número ocorrências de desastres naturais causados pelas chuvas em áreas de risco, em Manaus, durante o primeiro trimestre de 2023.

De acordo com a Defesa Civil de Manaus, de janeiro até março deste ano foram registradas 860 ocorrências. No mesmo período de 2022, foram cerca de 600 casos.

Um levantamento feito pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) mostra que Manaus está entre as cidades do Amazonas com alta possibilidade de graves eventos, em razão do número de pessoas ocupando áreas irregulares, em especial nas zonas leste e norte.

De acordo com Cristiano Lira, coordenador da Central 199 da Defesa Civil de Manaus, existem cerca de 1,6 mil áreas de risco em Manaus, que abrigam muitas famílias. O aumento das ocupações, principalmente nas beiras dos igarapés, atrelado à falta de infraestrutura nesses locais, contribuem para o aumento dos desastres.

“Devido ao quantitativo de moradores nas bordas dos igarapés, depositando sedimentos, lixos, e a ausência da infraestrutura para desassorear os igarapés, agravam a situação. O último trabalho de assoreamento foi realizado em 2015, e em Manaus este tipo de ação deve ser realizada a cada dois anos.”

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Conforme o coordenador, áreas como Santa Inês, São Sebastião, São Francisco, Alfredo Nascimento, Cidade de Deus, Nova Vitória, Aparecida, por exemplo, estão sofrendo com os impactos do assoreamentos nos igarapés, que acabam empurrando a água para dentro das comunidades, que ignoram os avisos da Defesa Civil.

“Apesar dos alertas emitidos pela Defesa Civil, e mesmo isolando as áreas de risco, a população acaba retornando aos locais, ignorando os avisos”, ressaltou.

Otávio Vislley, do Real Time1

Leia mais:

COMPARTILHE