fbpx

terça, 25 de janeiro de 2022

Operação Enchente 2022: calhas registram índices superiores à cheia histórica

Com exceção do Rio Madeira, todas as calhas do Amazonas têm registrado marcas superiores a da cheia deste ano. Hoje, Wilson Lima já apresentou o plano de ações da Operação.

27 de dezembro de 2021

Compartilhe

Os altos níveis dos rios do Amazonas são resultado do fenômeno La Niña (Foto: Raphael Alves/Amazônia Real)

Com exceção do Rio Madeira, todas as calhas do Amazonas têm registrado índices superiores à marca histórica. Caso os números continuem altos, a previsão é que, no ano de 2022, todos os municípios do estado sejam atingidos pela cheia dos rios.

O alerta foi feito, nesta segunda-feira (27), pelo governador Wilson Lima, durante a apresentação do plano de ação para a Operação Enchente 2022.

O planejamento define as medidas do Estado para socorrer as famílias que, possivelmente, enfrentarão prejuízos causados pela subida dos rios da região. O plano observa dados de monitoramento hidroclimatológicos que apontam risco de enchente dos rios acima da normalidade, no ano que vem.

“Estive, há aproximadamente 10, 15 dias, nas calhas do Juruá e do Purus e constatei, junto com as prefeituras e os técnicos, a subida desses rios. Nós já estamos mobilizando toda a nossa estrutura para discutir ações integradas de socorro a esses municípios e famílias que forem atingidos pela subida dos rios”, disse Wilson Lima.

O titular da Defesa Civil do Amazonas, coronel Francisco Máximo, destacou a ação integrada entre os órgãos estaduais para minimizar o impacto da cheia na vida da população.

“As secretarias têm trabalhado de forma conjunta para que possam ofertar os melhores serviços e o maior volume de ações, para que o Estado consiga realmente minimizar os impactos e ofertar para a população o máximo de serviços possíveis”, afirmou Francisco Máximo.

Fenômeno

Os altos níveis dos rios do Amazonas são resultado do fenômeno La Niña, um resfriamento no Oceano Pacífico que altera a circulação e potencializa as chuvas na Região Amazônica.

“Ultimamente, os eventos extremos têm sido cada vez mais expressivos, tanto as cheias históricas quanto as secas. A exemplo disso, nós tivemos essa cheia de 2021, e o condicionante para que ela acontecesse é idêntico ao de agora”, pontuou Patrícia Guimarães, meteorologista da Defesa Civil.

Além do La Niña, a especialista também ressalta o aquecimento do Atlântico Sul tropical como responsável pelas chuvas na região. “Ele funciona como uma esteira transportando umidade para a Amazônia, ou seja, mais chuva ainda. Esse é o cenário que a gente se encontra e que vai perdurar até fevereiro”, acrescentou a meteorologista.

Conforme Patrícia Guimarães, para que os impactos da cheia possam ser calculados com antecedência, é necessário um trabalho em parceria com os municípios.

“É muito importante que os municípios deem um feedback de como está sendo a resposta da chuva. Ela [a resposta da chuva] é a lâmina d’água que vem aumentando gradualmente no rio, e a gente precisa dessa informação para fazer o monitoramento e entender se a cota desse rio está acima ou não da média”, concluiu.

Índices

Na calha do Rio Negro, onde a maior cheia já registrada foi neste ano, o nível está 2,88 metros acima do que estava no mesmo período do ano passado. Em 24 de dezembro de 2020, o rio estava com 20,29 metros de profundidade. No mesmo dia deste mês, chegou a 23,27 metros. Os indicadores têm como referência o município de Manaus.

Além do Rio Negro, o monitoramento do nível dos rios das calhas nas estações dos municípios de São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos aponta níveis atípicos, acima do esperado para a época. Se as previsões se confirmarem, os primeiros municípios serão atingidos entre a segunda quinzena de janeiro e a primeira metade de fevereiro.

Com informações da assessoria

Leia Mais:

Leia mais Dia a Dia

Prefeitura oferta bolsas de iniciação teatral para diversas faixas etárias

Os cursos de Teatro da Prefeitura são voltados para crianças, adolescentes e idosos que residem em bairros próximos ao bairro Adrianópolis.

25 de janeiro de 2022

Pessoas infectadas e vacinadas adquirem “superimunidade”, diz estudo

A pesquisa envolveu 104 pessoas vacinadas contra a covid e divididas em três grupos: 42 vacinados sem infecção, 31 vacinados após infecção e 31 infectados depois da vacina.

25 de janeiro de 2022

Covid-19: portaria altera regras para afastamento do trabalho

O texto diz ainda que o período pode ser reduzido para sete dias, caso o funcionário apresente teste RT-PCR ou de antígeno, negativo a partir do quinto dia após o contato.

25 de janeiro de 2022

No Amazonas, 78% do público com influenza (gripe) reside em Manaus

Segundo a FVS, houve redução nos caos de gripe, porém foi observado desde o dia 19 de dezembro de 2021 o aumento de casos de Vírus Sincicial Respiratório (VSR).

25 de janeiro de 2022

Variante ômicron corresponde a 93% de testes sequenciados no Amazonas

Médico e infectologista, Marcus Vinícius aponta que o Amazonas ainda não passou pelo primeiro mês da nova onda de casos de Covid-19 ocasionada pela variante ômicron.

24 de janeiro de 2022

Indígenas e quilombolas já podem concorrer a bolsas em curso superior

Incrições em programa do Ministério da Educação (MEC) podem ser feitas até 28 de fevereiro, mas é necessário ficar atento às regras que constam na Portaria nº 389, de 2013.

24 de janeiro de 2022

Tratamento alternativo à vacina contra Covid-19 é realizado em Manaus

Aplicação de anticorpos monoclonais é um tratamento aprovado pela Anvisa e já é feito em Manaus com resultados positivos, conforme divulgação da Oncoclin.

24 de janeiro de 2022

Sinetram lança novos modelos do cartão do transporte coletivo em Manaus

Com as imagens do Teatro Amazonas, Ponte Phelippe Daou e do Rio Negro, os passageiros poderão escolher um dos três modelos ao solicitar a primeira ou demais vias.

24 de janeiro de 2022