fbpx

segunda, 04 de julho de 2022

Operação Enchente 2022: calhas registram índices superiores à cheia histórica

Com exceção do Rio Madeira, todas as calhas do Amazonas têm registrado marcas superiores a da cheia deste ano. Hoje, Wilson Lima já apresentou o plano de ações da Operação.

27 de dezembro de 2021

Compartilhe

Os altos níveis dos rios do Amazonas são resultado do fenômeno La Niña (Foto: Raphael Alves/Amazônia Real)

Com exceção do Rio Madeira, todas as calhas do Amazonas têm registrado índices superiores à marca histórica. Caso os números continuem altos, a previsão é que, no ano de 2022, todos os municípios do estado sejam atingidos pela cheia dos rios.

O alerta foi feito, nesta segunda-feira (27), pelo governador Wilson Lima, durante a apresentação do plano de ação para a Operação Enchente 2022.

O planejamento define as medidas do Estado para socorrer as famílias que, possivelmente, enfrentarão prejuízos causados pela subida dos rios da região. O plano observa dados de monitoramento hidroclimatológicos que apontam risco de enchente dos rios acima da normalidade, no ano que vem.

“Estive, há aproximadamente 10, 15 dias, nas calhas do Juruá e do Purus e constatei, junto com as prefeituras e os técnicos, a subida desses rios. Nós já estamos mobilizando toda a nossa estrutura para discutir ações integradas de socorro a esses municípios e famílias que forem atingidos pela subida dos rios”, disse Wilson Lima.

O titular da Defesa Civil do Amazonas, coronel Francisco Máximo, destacou a ação integrada entre os órgãos estaduais para minimizar o impacto da cheia na vida da população.

“As secretarias têm trabalhado de forma conjunta para que possam ofertar os melhores serviços e o maior volume de ações, para que o Estado consiga realmente minimizar os impactos e ofertar para a população o máximo de serviços possíveis”, afirmou Francisco Máximo.

Fenômeno

Os altos níveis dos rios do Amazonas são resultado do fenômeno La Niña, um resfriamento no Oceano Pacífico que altera a circulação e potencializa as chuvas na Região Amazônica.

“Ultimamente, os eventos extremos têm sido cada vez mais expressivos, tanto as cheias históricas quanto as secas. A exemplo disso, nós tivemos essa cheia de 2021, e o condicionante para que ela acontecesse é idêntico ao de agora”, pontuou Patrícia Guimarães, meteorologista da Defesa Civil.

Além do La Niña, a especialista também ressalta o aquecimento do Atlântico Sul tropical como responsável pelas chuvas na região. “Ele funciona como uma esteira transportando umidade para a Amazônia, ou seja, mais chuva ainda. Esse é o cenário que a gente se encontra e que vai perdurar até fevereiro”, acrescentou a meteorologista.

Conforme Patrícia Guimarães, para que os impactos da cheia possam ser calculados com antecedência, é necessário um trabalho em parceria com os municípios.

“É muito importante que os municípios deem um feedback de como está sendo a resposta da chuva. Ela [a resposta da chuva] é a lâmina d’água que vem aumentando gradualmente no rio, e a gente precisa dessa informação para fazer o monitoramento e entender se a cota desse rio está acima ou não da média”, concluiu.

Índices

Na calha do Rio Negro, onde a maior cheia já registrada foi neste ano, o nível está 2,88 metros acima do que estava no mesmo período do ano passado. Em 24 de dezembro de 2020, o rio estava com 20,29 metros de profundidade. No mesmo dia deste mês, chegou a 23,27 metros. Os indicadores têm como referência o município de Manaus.

Além do Rio Negro, o monitoramento do nível dos rios das calhas nas estações dos municípios de São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos aponta níveis atípicos, acima do esperado para a época. Se as previsões se confirmarem, os primeiros municípios serão atingidos entre a segunda quinzena de janeiro e a primeira metade de fevereiro.

Com informações da assessoria

Leia Mais:

Leia mais Dia a Dia

Após dois anos, Fuá acontece neste domingo no Largo São Sebastião

Feira Urbana de Alternativas retoma as atividades neste domingo e reúne diversos expositores, abrindo oportunidade de geração de renda a artistas e artesãos locais.

2 de julho de 2022

Duas toneladas de lixo coletado no Festival de Parintins serão recicladas

Projeto fomentou ações de incentivo à reciclagem dentro e fora do Bumbódromo, com a instalação de pontos de entrega voluntária de lixo reciclável.

2 de julho de 2022

Programa Asfalta Manaus já recuperou mil ruas em dois meses

Os bairros Santa Etelvina, Santo Antônio, Compensa, Parque 10 de Novembro, Tancredo Neves, Planalto, Japiim, Alvorada, Coroado, Nova Cidade, entre outros, já receberam obras.

2 de julho de 2022

Manaus tem 12 locais de vacinação contra a Covid-19 neste sábado (2)

Quem for receber a segunda dose deve estar atento aos intervalos dos diferentes imunizantes. Nos últimos dois dias, foram vacinadas 29,2 mil pessoas em Manaus.

2 de julho de 2022

Resultados dos concursos da PGE, Detran e SSP são homologadas no Amazonas

Governador do Amazonas, Wilson Lima homologou os resultados finais dos concursos do Detran, SSP e PGE e destacou convocações de outros certames e edital da Afeam.

1 de julho de 2022

Incêndios na Amazônia atingem maior volume para junho em 15 anos

Programa Queimadas do Inpe contabilizou 2.562 focos de incêndio no bioma ao longo do mês. O recorde anterior foi registrado em junho de 2007, com 3.519 focos de queimada.

1 de julho de 2022

700 mil manauaras estão com vacina atrasada e casos de Covid sobem 1000%

De acordo com os boletins emitidos pela Semsa, o número de casos de Covid-19 saltou de 26 no dia 14 de junho para 447 no dia 30 do mesmo mês.

1 de julho de 2022

Studio 5 volta a ser ponto de vacinação contra a Covid-19

A vacinação no Studio 5 vai funcionar com o atendimento de segunda a sábado, das 9h às 16h Pessoas acima de 18 anos já estão aptas a tomar a quarta dose do imunizante.

1 de julho de 2022