fbpx

segunda, 19 de abril de 2021

Judicialização da política não é interferência, avaliam analistas

O cientista político Helso Ribeiro explica que, uma vez provocada, a Justiça tem a obrigação de se manifestar. A decisão final, no entanto, pode desagradar alguns grupos.

7 de dezembro de 2020

Compartilhe

Coube à Justiça decidir, em duas situações, sobre o futuro de eleições em Casas Legislativas nesta semana (Foto: Reprodução)

Na última semana, coube à Justiça decidir, em duas situações, sobre o futuro de eleições em Casas Legislativas.

A eleição relâmpago da nova mesa diretora da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) foi parar nos Tribunais.

Uma decisão desembargador Wellington José Araújo suspendeu, no último sábado (5), o processo que elegeu o deputado Roberto Cidade (PV) novo presidente da Casa.

No mesmo dia, a procuradoria da Aleam entrou com ação no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) pedindo a suspensão do mandado de segurança que anulou os efeitos da PEC que adiantou a votação para a formação da nova mesa diretora do órgão.

Da mesma forma, no âmbito nacional, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, neste domingo (6), que os atuais presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP); não podem disputar a reeleição na mesma legislatura.

Esta cada mais frequente influência da Justiça dentro dos poderes executivo e legislativo é conhecida como judicialização da política.

Para o analista político Helso Ribeiro, a participação da Justiça nas decisões importantes de outros poderes não configura interferência, uma vez que o poder judiciário só age quando provocado.

Justiça não age por ofício

Sendo assim, uma vez provocada a Justiça tem a obrigação de se manifestar. A decisão, no entanto, pode desagradar alguns grupos, que tendem a acusar o poder de interferir no outro.

“As pessoas às vezes confundem atribuições com interferência. Tanto em nível federal quanto a nível estadual, o poder judiciário foi provocado. O desembargador Wellington não agiu de ofício. Quem se sente prejudicado tem o direito de procurar a justiça e a justiça é obrigada a se manifestar. A decisão sempre vai agradar a algumas pessoas e ofender a outras. Quem está mais distante desse processo costuma achar que é intromissão”, resumiu Helso.

De fato, a decisão do desembargador Wellington José Araújo que suspendeu a eleição da mesa diretora da Aleam atendeu a Mandato de Segurança impetrado pelos parlamentares Alessandra Campêlo (MDB), Belarmino Lins (PP) e Saullo Vianna (PTB), contra os atos ilegais da chapa vencedora da eleição.

“No âmbito nacional foi o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) que entrou com a ação e o Supremo decidiu por 6 a 5, para você ver como o direito não é exato”, finalizou o analista.

Excesso de interpretação pode atrapalhar

Já o cientista político, Breno Rodrigo Messias, explica que a judicialização da política – ou a politização da justiça – ganha força no Brasil em especial após a promulgação da Constituição de 1988.

Ele reforça o caráter constitucional da prática, mas destaca algumas armadilhas que podem macular todo o processo.

Na opinião de Breno, há um excesso de interpretação às vezes atrapalha a condução do processo legal e, a consequência direta disso é a insegurança jurídica.

“O grande problema é que esses atores do judiciário tendem a, não só aplicar a Lei, mas também interpretá-la. Aí já é uma questão de fundo político-ideológico. O juízes brasileiros se veem, em muitas vezes tentando corrigir a própria constituição. Eles tiram a letra da lei e dão uma interpretação alternativa ao texto constitucional. Esse excesso de hermenêutica jurídica me parece um problema grave”, acredita o cientista.

Reportagem: Lucas Raposo

Leia mais:

Leia mais sobre Cidades

Adaf implanta internet via satélite em 51 unidades do Amazonas

A Adaf iniciou, na última semana, a implantação de internet via satélite em 51 Unidades de Sanidade Animal e Vegetal (Ulsavs) no interior do Amazonas.

19 de abril de 2021

Cultura abre nova chamada para adequação de propostas da Lei Aldir Blanc

A medida é voltada para os projetos que precisam de alterações devido aos decretos governamentais para enfrentamento da Covid-19 no Amazonas.

19 de abril de 2021

Tribunal de Contas do Amazonas avalia 22 processos nesta terça-feira

Entre os processos da pauta está a prestação de contas da então secretária de Assistência Social do Estado (Seas) em 2019, Maria Joseilda Pinheiro.

19 de abril de 2021

Instituto intensifica atendimento ao produtor em Itacoatiara

O Idam realizou atendimento a 150 pequenos produtores de oito comunidades de Itacoatiara, incluindo cadastramento para emissão do Cartão do Produtor Primário.

19 de abril de 2021

Fundação inicia ‘Semana dos Povos Indígenas’ nesta segunda-feira

Fundação Estadual do Índio lança a Semana dos Povos Indígenas, com programação que inicia nesta segunda-feira e vai até dia 23,

19 de abril de 2021

Sine retorna aos atendimentos presenciais no shopping Phelippe Daou

Os atendimentos ao público externo serão realizados mediante agendamento prévio no site do Sine, mas os serviços permancem em funcionamento pelo Whatsapp.

18 de abril de 2021

Mural de 34 metros recupera memória indígena no Centro Histórico

A Praça Dom Pedro II foi escolhida para receber a exposição por ser um antigo cemitério indígena de Manaus. O mural será inaugurado amanhã para comemorar o Dia do Índio.

18 de abril de 2021

Governo lança edital para criação da identidade visual de 125 anos do Teatro Amazonas

Podem participar pessoas físicas e jurídicas, maiores de 18 anos, artistas locais, profissionais e estudantes de artes, designer e publicidade. Inscrições vão até 31 de maio.

17 de abril de 2021