fbpx

sexta, 22 de janeiro de 2021

Deputados acusam Braga de beneficiar empresários com ‘Lei do Gás’

A deputada federal Carla Zambelli (PSL) disse nas redes sociais que vai lutar pelo texto original e derrubar todas as emendas feitas pelo senador.

11 de dezembro de 2020

Compartilhe

A deputada federal Carla Zambelli (PSL) disse nas redes sociais que vai lutar pelo texto original (Foto: Divulgação)

Após a aprovação do Senado com relação ao projeto da Nova Lei do Gás, as alterações feitas pelo senador Eduardo Braga (MDB) ao texto original da Câmara foram alvo de duras críticas de outros senadores e deputados federais do Brasil.

A exemplo disso, a deputada federal Carla Zambelli (PSL) disse nas redes sociais que vai lutar pelo texto original e derrubar todas as emendas feitas pelo senador. A parlamentar também acusou Braga de beneficiar amigos empresários com suas emendas.

“Qual é o sentido, Senador Eduardo Braga, em desfigurar o PL do Gás original, que veio redondinho da Câmara, para beneficiar um empresário que já detém 77% dos km de gasoduto com licenciamento ambiental?”, questionou a deputada.

Sem citar nomes, Carla Zambelli faz uma alusão a Carlos Suarez, que detém a maior fatia do capital social da Cigás (Companhia de Gás do Amazonas), empresa que monopoliza o fornecimento de gás natural no Amazonas.

Dos gasodutos com licenciamento ambiental, descritos no novo texto, 77% são relacionadas à Suarez.

Bancada amazonense

Uma das críticas veio da própria bancada amazonense no senado. O senador Omar Aziz (PSD) criticou o projeto privatização proposto, afirmando que a experiência com a empresa privada de energia no Amazonas não foi positiva.

Omar chegou a elogiar Braga, reconhecendo sua competência como relator por dominar o assunto, mas fez questão de ressaltar que discordava de alguns pontos.

Mudanças

O relator do projeto no Senado, Eduardo Braga (AM), incluiu no texto as termoelétricas inflexíveis (usinas que geram energia o tempo todo e não ficam em stand by para serem acionadas apenas em caso de escassez de chuvas, por exemplo).

A inclusão enfrentou resistência do governo e da própria indústria e acabou sendo rejeitada.

Numa votação à parte, pedida pelo Cidadania, a atleração foi retirada do texto por 38 votos a 33.

O argumento da líder do partido, Eliziane Gama (MA), é que a prioridade pelas termoelétricas prejudicaria a produção de energia solar e eólica.

“Estamos aqui desestimulando a produção de energia limpa”, afirmou.
Em defesa, Braga disse que a inclusão das térmicas inflexíveis não concorria com a reserva de energia eólica e solar.

De acordo com ele, as usinas incluídas serviriam como “âncoras” e viabilizariam o transporte de gás natural para regiões que ainda não dispõem dessas fontas de energia.

“Se houvesse uma térmica inflexível a gás no Amapá, nós não teríamos tido o sofrimento que tivemos no Estado (apagão)”, afirmou o senador.

Proposta original

O novo marco do gás, conforme o texto original da Câmara, é a aposta do governo para reduzir o preço do insumo, atrair investimentos, aumentar a competição e evitar monopólios.

O novo marco regulatório pode atrair investimentos entre R$ 50 bilhões e R$ 60 bilhões, com a produção de gás natural triplicando até 2030, de acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Nesse contexto, a nova lei poderá abrir 4 milhões de novos postos de trabalho em cinco anos e acrescentar 0,5 ponto porcentual de crescimento ao Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos 10 anos.

Da redação com informações do Estadão

Leia Mais:

Veja mais notícias

Governo alinha critérios de vacinação dos trabalhadores da saúde

A expectativa é de que a imunização contra Covid-19 nos hospitais retorne ainda nesta sexta-feira (22) em 27 unidades, após a validação das propostas apresentadas.

22 de janeiro de 2021

Polícia prende 63 pessoas em bares clandestinos na zona Leste

A prisão aconteceu em cumprimento ao decreto governamental que proíbe a circulação e aglomeração de pessoas das 19h às 6h, devido à pandemia da Covid-19.

22 de janeiro de 2021

TSE suspende consequências para quem não votou nas eleições de 2020

Medida considera “que a persistência e o agravamento da pandemia da Covid-19 no país impõem aos eleitores que não compareceram à votação nas eleições".

22 de janeiro de 2021

Bolsistas do PBU ganham aumento automático nos descontos

A medida se aplicará a um total de 175 bolsistas do Programa Bolsa Universidade (PBU) integrados à modalidade com isenção tributária e que possuem prazo até 2023.

22 de janeiro de 2021

Sindicato das escolas particulares recomenda aulas on-line no AM

Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Amazonas orientam sobre aulas 100% na modalidade de ensino remoto por conta da pandemia de Covid-19

21 de janeiro de 2021

Após mortes, governador do Pará diz que não há escassez de oxigênio

De acordo com a Sespa, 159 cilindros de oxigênio medicinal foram levados de caminhão para Santarém, de onde foram transferidos para outras cidades do oeste paraense.

20 de janeiro de 2021

Farmacêuticos planejam estoques em unidades de Saúde

São 30 profissionais que já estão atuando em hospitais e SPAs e vão informar sobre cobertura diária de estoques para auxiliar na programação de abastecimento pela Cema.

20 de janeiro de 2021

MPE-AM escolherá lista sêxtupla para vaga de desembargador

O desembargador Djalma Martins da Costa terá aposentadoria compulsoriamente no dia 23 de fevereiro, quando atingirá idade limite para permanecer no serviço público.

20 de janeiro de 2021