domingo, 14 de julho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Presidente do Conselho Federal de Medicina passa a ser investigado na CPI

Mauro Luiz de Britto Ribeiro assina a resolução do CFM que permitiu que médicos brasileiros pudessem prescrever os medicamentos sem comprovação de eficácia.
COMPARTILHE
Conselho Federal de Medicina

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19, senador Renan Calheiros (MDB-AL) anunciou, na tarde desta quarta-feira (6), que incluiu mais um nome no rol de investigados pela CPI: o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Luiz de Britto Ribeiro.

Renan alegou três motivos para a decisão: apoio ao “negacionismo”, suporte dado a remédios comprovadamente ineficazes contra a Covid-19 e omissão diante de fatos criminosos.

A decisão veio durante o depoimento do presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Paulo Roberto Rebello Filho, que eximiu a agência da responsabilidade de fiscalizar operadoras de saúde que adotaram o protocolo de uso do tratamento precoce, com medicamentos sem comprovação da eficácia contra a doença, ainda mais que os médicos tinham o respaldo de uma resolução do Conselho Federal de Medicina.

A decisão provocou protestos dos senadores Eduardo Girão (Podemos-CE) e Marcos Rogério (DEM-RO), que consideraram injusta a decisão. Para eles, o presidente do CFM defendeu a autonomia dos médicos — além disso, Eduardo Girão e Marcos Rogério observaram que Ribeiro nem sequer foi ouvido pela CPI.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Texto: Gerson Severo Dantas, com informações da Agência Senado

Leia Mais:

COMPARTILHE