segunda-feira, 24 de junho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Prefeitos do AM devem indicar prioridades ao enfrentamento da estiagem

COMPARTILHE
Casas em um leito de rio seco
Em 2023, o Amazonas registrou a maior seca da história (Foto: Divulgação)

Os 61 prefeitos do interior do Amazonas têm até esta segunda-feira (27/5) para enviar seus pedidos e propostas à Associação Amazonense de Municípios (AAM) sobre as medidas preventivas para o enfrentamento à seca no Estado a partir deste segundo semestre. O documento vai ser compilado pela entidade e, formalizado ao governo federal direcionado a diversos ministérios, conforme acertado na semana passada durante reunião entre prefeitos e o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha.

Ofício da AAM, assinado pelo seu presidente, o prefeito de Rio Preto da Eva, Anderson Souza (União Brasil) e, enviado a todos os gestores municipais, pede que eles apontem as dificuldades e propostas de soluções com as reais necessidades para um planejamento estratégico de enfrentamento à seca e não apenas medidas paliativas e emergenciais, a exemplo do que aconteceu na seca severa do ano passado.

Com o documento e todas as necessidades apontadas pelos prefeitos, a AAM vai provocar os governos estadual e federal na contrapartida de medidas e soluções direcionadas ao pleito e, as intervenções necessárias e ações concretas.

Os pedidos giram em quatro eixos: ajuda humanitária (cestas básicas, água potável, combustíveis); ações estruturantes voltadas para comunidades isoladas, como a dragagem dos rios, especialmente por calhas; Combate às queimadas e incêndios (especificar a quantidade de contratação de brigadistas, fardamentos, EPIs, carros-pipa) e; intervenção junto às áreas de risco, como a remoção das populações em risco atingidas pelo fenômeno das terras caídas e erosões, por exemplo.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

De acordo com levantamento mensal do Centro de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), uma nova seca extrema e severa não está descartada para acontecer neste ano, no Amazonas, a partir do segundo semestre.

Leia mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COMPARTILHE