fbpx

sábado, 08 de maio de 2021

Renan cutuca Bolsonaro: ‘Constituição terrivelmente democrática’

O senador não economizou ironias, gestos teatrais, mensagens cifradas e ameaças veladas em suas declarações após assumir a relatoria da CPI da Covid.

27 de abril de 2021

Compartilhe

Renan prometeu realizar uma "investigação isenta, com foco determinado e despolitizada"

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) não economizou ironias, gestos teatrais, mensagens cifradas e ameaças veladas aos responsáveis pelo combate a pandemia da Covid-19 ao assumir a relatoria da Comissão Parlamentar de Inquérito instalada, nesta terça-feira (27), no Senado Federal, após indicação do presidente da CPI, o senador Omar Aziz (PSD).

Logo nos agradecimentos, Renan tratou de incluir uma saudação ao Supremo Tribunal Federal, que determinou a abertura da CPI após uma ação dos senadores Alessandro Vieira (Podemos/AL) e Jorge Kajuru (Cidadania/GO).

“Quero agradecer aos ministros do Supremo, que fizeram cumprir nossa Constituição, terrivelmente democrática”, disse Renan. O uso da expressão “terrivelmente” remete à promessa feita pelo presidente Jair Bolsonaro de indicar para a mais alta corte do país um ministro “terrivelmente” evangélico assim que o ministro Marco Aurélio Mello se aposentar, em junho.

Quando prometia realizar uma “investigação isenta, com foco determinado e despolitizada”, o senador alagoano incluiu uma fala que aterrorizou o líder do governo, senador Fernando Bezerra (MDB/PE). “Mas é impossível esquecer todos os dias fúnebres que vivemos desde o ano passado. Impossível apagar este mês abril, o mais letal desde o início da pandemia, sobretudo o dia 6 de abril, quando o país registrou uma morte a cada 20 segundos”, disse, num movimento teatral que culminou com o pedido de 20 segundos de silêncio no plenário da CPI em homenagem aos mortos e as famílias enlutadas. Em 6 de abril morreram 4.195 brasileiros de Covid.

Militares no ministério

No momento mais direto, Renan lembrou da participação da Força Expedicionária Brasileira (FEB), que enviou 25 mil soldados para combater os nazistas na Itália, entre 1944 e 1945, e cujas perdas não chegaram a 500 homens.

“O número baixo de perdas ocorreu porque no comando estava um militar. Imaginem se o comando estivesse com um infectologista?”, questionou, numa referência ao fato de um general, Eduardo Pazuello, ter passado a maior parte do tempo liderando o combate a doença. “Guerras, sejam elas militares ou sanitárias, devem ser dirigidas por especialistas. Quando se inverte essa lógica, a morte é certa”, completou, num recado claro que Pazuello já está na linha de tiro da investigação.

Lava jato

Em outro momento de ironia, o senador prometeu elaborar um relatório que terá a participação de todos da comissão. “Serei mais um sistematizador, um redator, do que relator”, anunciou, antes de dar o tiro fatal em velhos inimigos. “Não somos discípulos de Dallagnol (Deltan, ex-coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato) e nem de Moro (Sérgio, ex-juíz da Lava Jato). Agiremos com imparcialidade, sem arquitetar power points contra ninguém”, conclui, novamente referenciando a famosa apresentação na qual Dallagnol acusou o ex-presidente Lula de ser o chefe do esquema do Petrolão.

Endereço certo

Voltando o discurso para o governo, Renan Calheiros prometeu que a investigação vai parar o “cronometro da morte”, interrompendo a agenda da morte, o caos social, a fome, o descalabro institucional, a ruína econômica e o negacionismo. Prometeu ainda que a CPI será o “santuário da ciência”

Assim que teve a palavra, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra advertiu Renan sobre os adjetivos presentes no discurso do novo relator. Bezerra disse que saúda a intenção de fazer um relatório colegiado, com a participação de todos, mas os adjetivos jogaram contra essa anunciada intenção. “Espero que essa contradição não apareça no resultado final, mas fica meu alerta”, disse Bezerra.

“Aqui ninguém precisa ter medo de nada. Os inimigos dessa relatoria são a pandemia e aqueles que, por ação e omissão, por vontade ou desídia (desleixo, preguiça), se aliaram ao vírus”, completou Renan Calheiros, sendo o mais direto possível sobre o alvo que a investigação terá.,

Texto: Gerson Severo Dantas

Leia mais:

Leia mais sobre Política

Codajás recebe quase R$ 400 mil em projetos de crédito rural do Governo

Os valores foram destinados para pesca artesanal (R$301.656,85) e agricultura familiar (R$96.288,00), sendo financiados pela Agência de Fomento do Amazonas (Afeam).

7 de maio de 2021

Pacheco escreve a embaixador chinês e fala em ‘relação construtiva’

O presidente do Senado finaliza a carta convidando Yang Wanming para uma visita à Casa Legislativa assim que as condições pandêmicas tornarem o encontro favorável.

7 de maio de 2021

Auxílio Enchente começa a ser pago em Anamã pelo governador Wilson Lima

Operação Enchente leva ajuda humanitária, água potável e ações nas áreas social, de saúde e de fomento aos municípios em Situação de Emergência.

7 de maio de 2021

Gasolina do Cotão dos 24 deputados estaduais enche 300 tanques

No período em que a presença física nas sessões é facultativa, dois dos 24 deputados consumiram gasolina suficiente para ir e voltar sete vezes a Boca do Acre.

7 de maio de 2021

Carlos Almeida não deve ser ouvido pela CPI da Covid no Senado

Essa e outras notícias na coluna TEMPO REAL do portal RealTime1: Informação com credibilidade sobre política e os últimos acontecimentos do Amazonas.

7 de maio de 2021

Vereadores gastam R$ 272 mil com assessoria e divulgação

O vereador campeão nesse gasto foi Ivo Neto (Patriota), que utilizou R$ 19.800 nessas atividades. No entanto, assessoria não evitou que ele apresentasse um projeto repetido.

7 de maio de 2021

Não vai ter ‘pizza’: para 38% dos brasileiros, CPI atingirá objetivos

Segundo levantamento EXAME/IDEIA, 38% acreditam que a CPI vai apontar culpados pelas falhas no combate à pandemia, aumentar o ritmo da vacinação e a elevar valor do auxílio.

7 de maio de 2021

Mourão diz que Pazuello foi ‘risco’ à Saúde e o quer em ‘traje civil’ na CPI

Para o vice-presidente, decisão em colocar o general Pazuello à frente do Ministério foi um risco e que ser general 'da ativa ou reserva' não o impede de ir ao Senado depor.

7 de maio de 2021