fbpx

sexta, 30 de julho de 2021

Processo contra Pazuello não é de interesse público, diz Exército

Militares aplicaram sigilo de 100 anos ao processo administrativo arquivado sobre a decisão de não punir o ex-ministro da Saúde por participar de ato com Jair Bolsonaro.

28 de junho de 2021

Compartilhe

PT, PCdoB, PSOL e PDT entraram com pedido no STF para ter acesso às informações do processo sigiloso contra Eduardo Pazuello (Foto: Divulgação)

O Comando do Exército afirmou nesta segunda-feira (28) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que a decisão de impor sigilo de 100 anos ao processo administrativo contra o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello é um “assunto interno”, não sendo a sua divulgação de interesse público.

No começo do mês, o general Paulo Sérgio decidiu não punir o ex-ministro por participar de um ato político com o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), no Rio de Janeiro. O processo foi arquivado e ficará em sigilo por 100 anos.

“Não existe absolutamente interesse público patente a motivar acesso às informações extraídas de referido processo administrativo disciplinar, qual regulam unicamente uma relação personalíssima entre um militar e seu comandante, em que se analisa se o subordinado transgrediu ou não uma norma castrense”, diz.

Ainda segundo a manifestação, não foi o Exército que restringiu o acesso ao procedimento administrativo, mas a própria Constituição e a Lei de Acesso à Informação (LAI), que vedam a divulgação de dados pessoais.

“Não foi o administrador militar quem impôs a restrição de acesso ao documento, mas sim a lei. Ou seja, a administração militar não ‘restringiu o acesso ao processo administrativo, apenas cumpriu o que determina a própria Constituição e a Lei de Acesso à informação, restringindo o acesso a seu conteúdo, com o propósito de resguardar informações pessoais ali contidas”, prossegue o documento.

STF

A manifestação foi enviada no curso de uma ADPF (arguição de descumprimento de preceito fundamental) movida pelo PT, PCdoB, PSOL e PDT. Para as legendas, o sigilo fere a liberdade de expressão e comunicação, além do direito de acesso à informação.

“É indubitável o interesse público no procedimento administrativo disciplinar em questão e nos fundamentos da decisão que determinou seu arquivamento, além da patente inconstitucionalidade de decretação de sigilo sobre processo administrativo disciplinar já encerrado”, diz a ação.

Os partidos também argumentam que o sigilo apenas poderia ser imposto se os documentos comprometessem a segurança da sociedade e do Estado ou ferissem os direitos de personalidade de Pazuello.

“Não há que se falar em informações pessoais relativas à intimidade, vida privada, honra ou imagem do ex-ministro Pazuello. Até porque, conforme já demonstrado na presente ação, os atos que deram ensejo ao procedimento administrativo foram realizados publicamente, em frente a uma razoável quantidade de pessoas, inclusive profissionais da mídia nacional”, prosseguem as legendas.

Século

Ao colocar o processo contra o general Eduardo Pazuello em sigilo por 100 anos, o Exército argumentou que o caso do ex-ministro da Saúde se encaixa no artigo 31, parágrafo 1º, inciso 1, da LAI. Eis o trecho:

“Art. 31. O tratamento das informações pessoais deve ser feito de forma transparente e com respeito à intimidade, vida privada, honra e imagem das pessoas, bem como às liberdades e garantias individuais.

§ 1º As informações pessoais, a que se refere este artigo, relativas à intimidade, vida privada, honra e imagem:

I – terão seu acesso restrito, independentemente de classificação de sigilo e pelo prazo máximo de 100 (cem) anos a contar da sua data de produção, a agentes públicos legalmente autorizados e à pessoa a que elas se referirem.”

Os partidos dizem o inverso: que o sigilo viola a LAI e o princípio constitucional da moralidade administrativa.

“O uso da previsão de sigilo da Lei de Acesso à Informação para evitar o acesso e a divulgação das informações referentes ao procedimento administrativo em questão representa verdadeiro atentado à moralidade administrativa, uma vez que desvia a finalidade da norma para impor a documento de interesse público um sigilo resguardado às informações que devem ser protegidas pelo direito de personalidade.”

Com informações do site Poder360

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

PEC do Voto Impresso pode ser votada por Comissão na próxima quinta

Para garantir o sigilo do voto, será proibido o uso de qualquer elemento de identificação do eleitor na cédula impressa.

30 de julho de 2021

Garantido no Senado até 2026, Plínio não quer se aventurar a vice em 2022

Senador acredita ser uma boa opção para uma terceira via na disputa pelo Governo do Amazonas, mas descarta formar chapa com o tucano Arthur Neto na Eleição majoritária.

30 de julho de 2021

Bolsonaro ressuscita boatos de fraude nas Eleições e não prova nada

Presidente há um ano diz ter provas de que houve fraude nas Eleições em 2018. Nesta quinta-feira (29), mais uma vez não cumpriu com a palavra ao não revelar provas.

29 de julho de 2021

Punições pelo uso indevido de dados pessoais começam a valer domingo

Quem infringir a lei fica sujeito a advertência, multa simples, multa diária, suspensão parcial ou total de funcionamento, além de outras sanções.

29 de julho de 2021

CPI centrará fogo nas plataformas de redes sociais que divulgaram mentiras

O senador Omar Aziz considera um absurdo a quantidade de mentiras e desinformação que circula nas plataformas de redes sociais a partir de robôs de internet.

29 de julho de 2021

Senador do AM chama procurador do MPF de ‘militante ambiental’

O procurador proibiu que o Ibama realize audiências virtuais para expor o estudo de impacto ambiental para licenciamento da BR-319. Órgão tem 10 dias para acatar a decisão.

29 de julho de 2021

Pazuello depõe em inquérito da PF que apura prevaricação de Bolsonaro

O ex-ministro da Saúde começou a depor às 10h e até o momento segue na superintendência da Polícia Federal em Brasília. Pazuello hoje trabalha na cozinha do Planalto.

29 de julho de 2021

Procurador pede que Coari suspenda festividades pelos 89 anos da cidade

A comemoração dos 89 anos da fundação de Coari, recheada de eventos, deve ser suspensa a pedido Ministério Público do Amazonas devido ao risco sanitário.

29 de julho de 2021