fbpx

sábado, 16 de janeiro de 2021

Pastor da Universal, deputado João Luiz protesta contra filme da Netflix

Da tribuna, parlamentar disse que o filme sexualiza crianças e destrói famílias. O deputado sugeriu que a Aleam envie documento de repúdio à Netflix.

22 de setembro de 2020

Compartilhe

João Luiz é presidente da Frente Parlamentar Cristã da Aleam (Foto: Divulgação)

O presidente da Frente Parlamentar Cristã da Aleam (Assembleia Legislativa do Amazonas), deputado João Luiz (Republicanos) repudiou, nesta terça-feira (22), a disponibilização do filme ‘Lindinhas’ na plataforma Netflix. O pastor da Igreja Universal afirmou que a produção cinematográfica “sexualiza crianças” e contribui para “destruição das famílias”. 

“É um verdadeiro absurdo (…) colocando as crianças ali, sexualizando danças, crianças e fazendo com que as crianças e adolescentes em seus lares porque hoje a plataforma e a televisão da juventude é a netflix. Levando esse conteúdo horrível só está contribuindo para destruição dos nossos adolescentes e da família, principalmente”, declarou o parlamentar durante a sessão plenária da ALE-AM.

Na tribuna, o deputado defendeu que a Comissão de Promoção e Defesa dos Direitos de Promoção e Defesa dos Direitos das Crianças, Adolescentes e Jovens, presidida por Álvaro Campelo (PP), envie um documento à Netflix mostrando a insatisfação da Casa Legislativa e solicitando a retirada do filme, que foi premiado no Sundance Festival e lançado sem provocar polêmicas na França, em agosto.

“Vamos enviar uma documentação solicitando que retire da plataforma esse filme horrível, ridículo e que só faz colaborar para destruição das famílias”, disse o pastor.

O parlamentar e líder religioso aderiu ao coro iniciado pela titular do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves que pediu também a suspensão do longa. Em ofício encaminhado à Coordenação da Comissão Permanente da Infância e Juventude, o titular da Secretaria Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente, Maurício Cunha afirma que o filme apresenta pornografia infantil e em “múltiplas cenas, com foco nas partes íntimas das meninas enquanto reproduzem movimentos eróticos durante a dança, se contorcem e simulam práticas sexuais”.

O filme narra a história de Amy, uma garota senegalesa de 11 anos que conhece um grupo de dança de garotas de sua idade, as Mignonnes. A reação negativa contra o filme iniciou após a primeira divulgação promovida pela Netflix que em seguida retirou o pôster do filme da plataforma.

Em nota à imprensa, a Netflix afirma que a produção cinematográfica promove “um comentário social contra a sexualização de crianças. É um filme premiado e uma história poderosa sobre a pressão que jovens meninas enfrentam nas redes sociais e também da sociedade. Nós encorajaríamos qualquer pessoa que se preocupa com essas questões importantes a assistir ao filme”.

Veja mais notícias

A velha tática de contar uma mentira mil vezes até virar verdade

Repasse de R$ R$ 8.91 bilhões que Bolsonaro alega ter efetuado para o combate à Covid-19 no Amazonas não corresponde à verdade, mas é reproduzido nas redes sociais.

16 de janeiro de 2021

Bolsonaro mente ao dizer que repassou R$ 8,9 bi para Covid no AM

Dos R$ 8,9 bilhões divulgados nas redes sociais, apenas 10% foram recursos para o enfrentamento da Covid. Resumindo: apenas R$ 212,83 por habitante do Amazonas.

16 de janeiro de 2021

AM teve que remanejar quase R$ 400 milhões para a Saúde em 2020

Para se ter uma ideia, somente nos meses de março e abril, auge do primeiro pico da pandemia no estado, foram remanejados aproximadamente 200 milhões.

16 de janeiro de 2021

Twitter classifica como ‘enganosa’ publicação de Bolsonaro

Segundo a rede social, a publicação sobre tratamento precoce para Covid-19 contém “informações enganosas e potencialmente prejudiciais" relacionadas à doença.

16 de janeiro de 2021

Líder em infectados no interior, Coari compra usina de oxigênio

A usina terá capacidade para atender o hospital municipal com abastecimento direto e envasar cilindros para unidades de saúde, comunidades interioranas e cidades próximas.

16 de janeiro de 2021

TCE-AM prorroga home office e prazos até o fim de janeiro

A corte considerou a crise no sistema de saúde do Amazonas. A suspensão dos prazos processuais não inclui medidas acautelatórias e eventuais termos de ajustamento de gestão.

16 de janeiro de 2021

Maia critica pedido de intervenção federal na saúde do Amazonas

Delegado Pablo Oliva enviou ofício a Jair Bolsonaro pedindo intervenção federal na pasta pela grave repercussão do caos no sistema de saúde do Amazonas.

16 de janeiro de 2021

Transferência de pacientes obedece protocolo de segurança

Os pacientes são selecionados atendendo a classificação de risco do protocolo de Manchester que estabelece as prioridades de atendimento conforme cada quadro clínico.

16 de janeiro de 2021