fbpx

sábado, 08 de maio de 2021

Mesmo com empréstimo, Prefeitura não realizará todas as obras

De acordo com a Prefeitura de Manaus, o empréstimo de R$ 470 milhões não será suficiente para realização de 100% das obras listadas como prioritárias na capital.

22 de abril de 2021

Compartilhe

Empréstimo tem justificativa de realização de obras na cidade (Foto: Reprodução)

O empréstimo de R$ 470 milhões do Banco do Brasil talvez não seja suficiente para a realização de todas as grandes obras anunciadas pela Prefeitura de Manaus. A informação foi confirmada pelo Executivo municipal ao RealTime1.

De acordo com a Prefeitura, as obras são interligações de avenidas principais da capital, como Djalma Batista, Avenida Brasil, Efigênio Sales, André Araújo, entre outras. Além disso, a Prefeitura afirmou que também pretende reformar plataformas de ônibus e passarelas. Mas revelou que o recurso pode não abranger todas essas obras, listadas como prioritárias.

“Vale ressaltar que as obras listadas são consideradas como prioritárias da administração, não significando que todo recurso será suficiente para a realização de 100% da lista. O Executivo municipal fará uma análise técnica para tal definição”, ressaltou.

Na segunda-feira (19), a Câmara Municipal de Manaus (CMM) aprovou o projeto de lei que autoriza o Executivo a realizar o empréstimo. O projeto tramitou em regime de urgência, no entanto, ainda não foi sancionado pelo prefeito David Almeida (Avante).

Confira abaixo as obras que o município listou como prioridade:

Intervenção na Rotatória do Produtor;
Interligação Av. Brasil x Av. Coronel Teixeira;
Interligação Av. Djalma Batista x Av. João Valério x Rua Pará;
Intervenção Av. Djalma Batista (trecho entre a Universidade Paulista e o Terminal Rodoviário);
Intervenção no Complexo Viário Gilberto Mestrinho x Av. Rodrigo Otávio;
Interligação Av. Efigênio Sales x Av. Governador José Lindoso;
Interligação Av. André Araújo x Av. Jornalista Umberto Calderaro Filho x Rua Salvador;
Interligação Rua Salvador x Av. Mário Ypiranga Monteiro;
Interligação Rua Salvador x Av. Maceió;
Implantação de Estações de Transferência;
Reformas de plataformas;
Reforma de passarelas.

Texto: Milena Soares

Leia mais:

Leia mais sobre Política

Codajás recebe quase R$ 400 mil em projetos de crédito rural do Governo

Os valores foram destinados para pesca artesanal (R$301.656,85) e agricultura familiar (R$96.288,00), sendo financiados pela Agência de Fomento do Amazonas (Afeam).

7 de maio de 2021

Pacheco escreve a embaixador chinês e fala em ‘relação construtiva’

O presidente do Senado finaliza a carta convidando Yang Wanming para uma visita à Casa Legislativa assim que as condições pandêmicas tornarem o encontro favorável.

7 de maio de 2021

Auxílio Enchente começa a ser pago em Anamã pelo governador Wilson Lima

Operação Enchente leva ajuda humanitária, água potável e ações nas áreas social, de saúde e de fomento aos municípios em Situação de Emergência.

7 de maio de 2021

Gasolina do Cotão dos 24 deputados estaduais enche 300 tanques

No período em que a presença física nas sessões é facultativa, dois dos 24 deputados consumiram gasolina suficiente para ir e voltar sete vezes a Boca do Acre.

7 de maio de 2021

Carlos Almeida não deve ser ouvido pela CPI da Covid no Senado

Essa e outras notícias na coluna TEMPO REAL do portal RealTime1: Informação com credibilidade sobre política e os últimos acontecimentos do Amazonas.

7 de maio de 2021

Vereadores gastam R$ 272 mil com assessoria e divulgação

O vereador campeão nesse gasto foi Ivo Neto (Patriota), que utilizou R$ 19.800 nessas atividades. No entanto, assessoria não evitou que ele apresentasse um projeto repetido.

7 de maio de 2021

Não vai ter ‘pizza’: para 38% dos brasileiros, CPI atingirá objetivos

Segundo levantamento EXAME/IDEIA, 38% acreditam que a CPI vai apontar culpados pelas falhas no combate à pandemia, aumentar o ritmo da vacinação e a elevar valor do auxílio.

7 de maio de 2021

Mourão diz que Pazuello foi ‘risco’ à Saúde e o quer em ‘traje civil’ na CPI

Para o vice-presidente, decisão em colocar o general Pazuello à frente do Ministério foi um risco e que ser general 'da ativa ou reserva' não o impede de ir ao Senado depor.

7 de maio de 2021