fbpx

quarta, 20 de janeiro de 2021

Josué Neto afirma que vai mostrar contrato milionário ao MP

O deputado estadual Josué Neto afirmou que vai encaminhar o contrato feito com a empresa Criae Design Publicidade Ltda, ao Ministério Público do Estado

21 de julho de 2020

Compartilhe

Foto: Divulgação

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), deputado estadual Josué Neto (PRTB) afirmou que vai encaminhar o contrato feito com a empresa Criae Design Publicidade Ltda, ao Ministério Público do Estado (MPAM).

O valor total do contrato da empresa com a Casa, durante doze meses, é de R$ 9,5 milhões. A declaração de Josué Neto foi dada durante a sessão plenária desta terça-feira (21).

O MPAM solicitou da Aleam, na segunda-feira (20), as documentações para apurar a licitude no contrato da empresa Criae Design Publicidade Ltda, que foi contratada para a prestação de serviços contínuos de transmissão de conteúdo informativo da Assembleia.

De acordo com o MP, após a repercussão em veículos de comunicação, devido ao elevado valor do contrato, a notícia fato nº NF 01.2020.00002354-5 foi distribuída para a 46ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, da qual é titular a promotora de Justiça Sheyla Dantas.

O presidente da Aleam disse que, apesar de não ser competência do MP-AM apurar valores de contratos, mas do Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM), vai prestar os devidos esclarecimentos ao órgão.

“A instituição apropriada para julgar contratos do Amazonas é o TCE. É lá que se diz se os recursos estão sendo bem empregados ou não”, disse.

O deputado disse também que não há ilicitude no contrato milionário porque o mesmo passou por análises dentro de setores da Casa.

“Não é um contrato de publicidade, é um contrato que divulga ações institucionais da Aleam. Tramitou e passou por todos os setores da casa, incluindo a nossa procuradoria e diretoria geral da casa”, disse o parlamentar.

Contrato milionário com a PS Publicidade

A Aleam também prorrogou por mais doze meses o contrato com a empresa P.S Publicidade Ltda. A informação consta na edição de 16 de julho do Diário oficial Casa. O valor total do termo aditivo é de R$ 9,2 milhões.

Em relação a uma possível investigação quanto aos valores nos contratos, em relação aos serviços prestados pela empresa, o TCE disse ao RealTime1 que aguarda uma provocação via Ouvidoria para dar um posicionamento.

“Diante disso, o fato será analisado pela Secretaria de Controle Externo e pelo relator das contas do referido gestor. Caso seja identificada alguma irregularidade, o gestor poderá responder por ela, nos autos do processo ou da prestação de contas”, disse o órgão.

O Ministério Público disse à reportagem que vai encaminhar as informações para o conhecimento da promotoria responsável, com base na reportagem do RealTime1, para que uma notícia de fato seja feita e a Aleam possa seguir os procedimentos para dar os esclarecimentos.

A PS Publicidade foi contratada pela Aleam para elaboração de serviço de clipping jornalístico para o monitoramento diário em tempo real e gestão de notícias veiculadas em mídias impressas.

Conforme o contrato, a empresa vai receber por mês o valor de R$ 771.966,65, no período de 14 de junho de 2020 a 13 de junho de 2021. O documento foi assinado pelo diretor da Aleam, Wander Motta.

Avaliação do TCE

Na tribuna, Josué Neto disse que o TCE, ao final de 2019, afirmou que a  Aleam tem o melhor controle interno e externo da Casa e que os recursos da Assembleia, comparados aos de outros órgãos, são bem empregados. O deputado disse que a Casa tem R$ 30 milhões em caixa.

Mas no ranking da transparência, realizado pelo Ministério Público de Contas do Estado (MPC-AM), a Assembleia Legislativa aparece em 6º lugar com 28,55% de média no índice de transparência, conforme o ultimo levantamento divulgado pelo órgão no mês de abril o que é classificado pelo MPC como ineficiente.

Em primeiro lugar no ranking de transparência consta o Ministério Público do Estado (MPE-AM) com 100% de transparência, seguido pelo Governo do Estado que registrou 96,64%.

Texto: Izaías Godinho

Leia Mais:

Aleam renova contrato de R$ 9 milhões com empresa de publicidade

MP pede explicações da Aleam sobre contrato milionário

Veja mais notícias

STJ pede informações sobre desabastecimento de oxigênio

Gestores públicos devem informar quando tiveram conhecimento do risco de desabastecimento de oxigênio, além do recebimento e uso de recursos federais no combate à pandemia.

20 de janeiro de 2021

PSOL pede ao STF que proíba medicamentos para “tratamento precoce”

A sigla também pediu que o governo federal pare de divulgar qualquer informação que propague, induza ou incentive o uso de medicamentos sem comprovação.

20 de janeiro de 2021

Distribuição de vacinas no interior atende à quantidade de indígenas

Uma verdadeira operação de "guerra" está sendo montada para a distribuição dos "kits" com vacinas e seringas. Um avião anfíbio seguiu hoje para quatro municípios do Estado.

20 de janeiro de 2021

Pesquisa sobre o uso da BCG contra Covid inicia na próxima semana

A vacina é uma das mais utilizadas no mundo para prevenir formas graves da tuberculose na infância. Sendo assim, pode gerar resposta imune contra outras infecções.

20 de janeiro de 2021

Parintins recebe 3.831 doses da vacina abaixo do esperado

A estimativa inicial da Prefeitura de Parintins era receber 4.900 doses da vacina. Porém, o município recebeu apenas 1.069 doses, sendo 514 para vacinação de índios aldeados.

20 de janeiro de 2021

Governo contará com o reforço de mais cinco usinas de oxigênio

Cada usina tem capacidade para produzir 26 m³/hora. O reforço ajudará a suprir a escassez de O2, ocasionado pelo aumento no número de hospitalizações na rede pública.

19 de janeiro de 2021

Bolsonaro ignora caos na saúde e não prioriza vacinação em Manaus

Doses recebidas pelo AM devem ser aplicadas prioritariamente e obrigatoriamente nos indígenas aldeados. Apenas 36% dos profissionais de saúde devem ser imunizados em Manaus.

19 de janeiro de 2021

Em efeito dominó falta de oxigênio hospitalar atinge cidade no Pará

A cidade de Faro (PA), que faz fronteira com Nhamundá (AM), anunciou o colapso do sistema de saúde e registrou seis mortes devido a falta do insumo.

19 de janeiro de 2021