fbpx

sábado, 23 de janeiro de 2021

Deputado apoia campanha de sindicato para que a Petrobras fique no AM

Sinésio Campos lembrou que a Petrobras anunciou a chamada para venda de campos terrestres do Polo Urucu, localizado na Bacia de Solimões, no Amazonas.

14 de outubro de 2020

Compartilhe

O deputado antevê também que a medida causará fortes impactos ao estado do Amazonas (Foto: Divulgação)

O deputado Sinésio Campos (PT) manifestou apoio ao lançamento da campanha “Petrobras fica no Amazonas”, feito pelo Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-AM),  na terça-feira (13) por meio de live (transmissão ao vivo) transmitida pelo Youtube e na página Facebook do Sindipetro, às 18h.

O lançamento foi o início oficial das ações do Sindipetro-AM contra a saída da Petrobras do Estado, reafirmar a importância da Estatal no Amazonas e pressionar os parlamentos municipal, estadual e federal a aderirem à luta, além de mostrar à população os impactos negativos da privatização da Empresa que, anunciou em junho desse ano, que após 34 anos de atividades, iria deixar o Amazonas.

O deputado lembrou que a Petrobras anunciou a chamada para venda de campos terrestres do Polo Urucu, localizado na Bacia de Solimões, no Amazonas. Os ativos englobam os campos de Arara Azul, Araracanga, Leste do Urucu, Rio Urucu, Sudoeste Urucu, Cupiuba e Carapanaúba, além de infraestruturas de apoio operacional.

A empresa alega que a entrada de novos players no segmento de óleo e gás nos campos terrestres no estado do Amazonas irá alavancar o desenvolvimento da região não somente pelo potencial aumento de produção e reservas, mas também pelo consequente aquecimento de toda a cadeia de serviços relacionada à atividade de exploração e produção.

Contudo, Sinésio Campos tem posição contrária à venda do Polo de Urucu por entender que a decisão faz parte de uma política, do Governo Federal, de privatização e entrega das riquezas minerais do país ao capital privado.

Para o deputado, esse processo também resultará em demissões do quadro funcional nas atividades de exploração e produção na Amazônia, constituído por mais de 5,2 mil colaboradores. “Deste total, mais de 4,6 mil atuam na Base de Operações Geólogo Pedro Moura, em Urucu”.

O deputado antevê também que a medida causará fortes impactos ao estado do Amazonas. A Petrobras é a maior contribuinte de impostos do Estado (ICMS). Além de representar a dispensa de milhares de trabalhadores do setor.

“Essa medida é mais um ataque à Zona Franca de Manaus e à economia da Amazônia, utilizando a política de privatização para retirar a companhia do Estado. Uma empresa que dá lucro e é de fundamental importância para o povo do Amazonas”.

Mas, o parlamentar acusa que a verdadeira intenção de saída da Petrobras do Amazonas tem relação com a necessidade de abertura do mercado de Gás. Atualmente, a Petrobras subsidia a entrega do gás que produz à Companhia de Gás do Amazonas (Cigás).

Nessa operação tem prejuízos históricos. “A companhia não aguenta mais essa relação com a Cigás e por isso está antecipando a sua saída do Amazonas”.

A Companhia de Gás do Amazonas é uma concessionária de serviços públicos no Amazonas que atua na distribuição e comercialização de Gás Natural para os mais diversos segmentos. Apesar de ter participação do Estado do Amazonas, a empresa tem como maior acionista uma empresa privada da Bahia.

O deputado destaca ainda que de acordo com a Fundação Getúlio Vargas, em seus estudos diz que a abertura do mercado do gás vai gerar em dez anos, 36 mil novos empregos e investimentos da ordem de R$ 3 trilhões.

“Com a saída da Petrobras do Amazonas, uma empresa privada só investirá no Estado se houver livre mercado e livre concorrência. Isso significa que novas empresas só virão para o Amazonas com segurança jurídica de uma nova lei que garanta a abertura do mercado”, disse.

“A isenção tributária não vai garantir o investimento de uma nova empresa porque a solução não está em incentivos fiscais. O problema está no fato de uma nova empresa ter de produzir o gás e repassar à Cigás assumindo prejuízo certo”, finaliza.

Fonte: assessoria

Leia Mais:

Veja mais notícias

Lista da SES tem 2402 profissionais que serão vacinados nesta fase

Os profissionais que atuam em UTIs e salas de emergência de dez unidades do Estado serão vacinados. Aqueles com mais de 60 anos e comorbidades comprovadas terão prioridade.

23 de janeiro de 2021

PGR recomenda e Wilson Lima diz que vai acatar medidas mais rígidas

O pedido é para que o Governo do Amazonas endureça as medidas de isolamento até que haja diminuição ou estabilização da curva de contaminação da covid-19.

22 de janeiro de 2021

Vereador pede que recursos do carnaval sejam destinados para saúde

Rodrigo Guedes é o autor da solicitação feita a Prefeitura de Manaus e ao Governo do Estado, para que os recursos sejam destinados à saúde da capital e do interior.

22 de janeiro de 2021

Rosemary Pinto, diretora da FVS-AM, é mais uma vítima da Covid

Profissional de referência no Amazonas, a epidemiologista foi uma dos principais nomes no combate ao vírus no estado. Ela estava internada desde o dia 8 de janeiro.

22 de janeiro de 2021

Secretários são multados em R$ 50 mil por crise na saúde do AM

Juíza cobrava regularização na distribuição de oxigênio nas unidades de saúde, a ampliação no número de leitos nos hospitais e a transparência no Plano de Imunização.

22 de janeiro de 2021

Audiência Pública discute criação de consórcio para compra de vacina

De acordo com a autora da proposta, deputada Dra. Mayara, o estado precisa ter independência para adquirir os imunizantes diretamente, sem a intermediação do Governo Federal.

22 de janeiro de 2021

Comitê aciona delegacia para investigar irregularidades na vacinação

Na solicitação, o Comitê de Combate à Corrupção pede que "em caso de comprovação, que sejam indicadas medidas administrativas e judiciais aos órgãos competentes".

22 de janeiro de 2021

Governo anuncia repasse do FTI para fortalecer combate à covid-19

Governo quer repassar R$ 100 milhões do Fundo de Fomento ao Turismo, Infraestrutura, Serviços e Interiorização do Desenvolvimento do Estado (FTI) para o interior

22 de janeiro de 2021