fbpx

domingo, 26 de setembro de 2021

Nota oficial pacificadora mostra Bolsonaro recuando de arroubos antidemocráticos

Segundo a nota, as falas golpistas de Bolsonaro no Sete de Setembro foram decorrentes "do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum" dos brasileiros.

9 de setembro de 2021

Compartilhe

No dia 7 de Setembro, o presidente foi duro contra o ministro Alexandre de Moraes em seus discursos em Brasília e São Paulo (Foto: Divulgação)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) emitiu uma nota oficial na tarde desta quinta-feira (9) desdizendo o que afirmou nas manifestações do Sete de Setembro contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e declarando total respeito às instituições brasileiras.

O recuo de Bolsonaro se deu por conta da ameaça de desabastecimento causada pelo bloqueio de estradas feito por grupos de caminhoneiros bolsonaristas e também pela crise institucional criada com o STF e o Congresso Nacional após as declarações do presidente nas manifestações do dia 7.

Bolsonaro afirma na nota que o “calor do momento” o levou a proferir os arroubos vistos como antidemocráticos. “Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”.

A nota foi publicada após reunião de Bolsonaro com o ex-presidente Michel Temer (MDB), que foi chamado ao Planalto para aconselhamento.

Intitulada “Declaração à Nação”, a nota diz, em primeira pessoa, dentre outras coisas, que “na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de ‘esticar a corda’, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”.

Antes da divulgação da nota, Bolsonaro conversou por telefone com o ministro Alexandre de Moraes, do STF, principal alvo de seus ataques na última terça-feira (9), com mediação de Michel Temer.

Na nota, o presidente também baixa o tom ao citar o ministro: “Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes”, disse Bolsonaro, acrescentando que as divergências devem ser resolvidas “por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal”.

O ex-presidente Michel Temer confirmou à rede de televisão CNN que foi ele quem redigiu a nota divulgada pelo presidente Bolsonaro.

Confira a nota na íntegra:

Declaração à Nação

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA

Jair Bolsonaro, Presidente da República Federativa do Brasil

Texto: Omar Gusmão

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Médico e ex-parlamentar do PT, Carlos Neder, morreu neste sábado

Neder estava internado desde o dia 11 de agosto no Hospital São Camilo, em São Paulo, teve o quadro agravado nos últimos dias e neste sábado faleceu, vítima da Covid-19.

25 de setembro de 2021

Atos anti-democráticos e pandemia foram os desafios da gestão Fux

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Luiz Fux, fez um balanço, neste sábado, do primeiro ano da gestão dele a frente da Corte Constitucional brasileira.

25 de setembro de 2021

Após vídeo dos cachorros, Rodrigo Guedes afirma estar tranquilo

Rodrigo Guedes disse que ao utilizar as imagens em suas redes sociais não teve a intenção de atacar os vereadores, mas de comparar o comportamento dos animais à política.

25 de setembro de 2021

Decisão judicial obriga Estado a reformar Instituto de Identificação

Instituto de Identificação Aderson Conceição de Melo é o responsável pela emissão das carteiras de identidade da população civil do Amazonas

25 de setembro de 2021

Congresso Nacional analisa veto de Bolsonaro a federação partidária

Presidente vetou projeto que cria a possibilidade de federação partidária alegando que proposta criaria possibilidade análoga às coligações, que são proibidas por lei.

25 de setembro de 2021

CPI da Covid vota convocação de empresário ligado a Precisa

Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid quer saber das conexões do empresário Kassyo Santos Ramos com a Barão Tur, empresa ligada a Precisa Medicamentos.

25 de setembro de 2021

Marcelo Ramos ameaça tirar Auxílio Brasil da pauta do Congresso Nacional

Vice-presidente do Congresso, Marcelo Ramos afirma que Senado tem que votar primeiro o projeto de lei que altera regras do Imposto de Renda antes de votar o Auxílio Brasil.

25 de setembro de 2021

Coiab comemora e Silas lamenta proibição de missões religiosas em aldeias

Barroso deferiu parcialmente o pedido: ele vetou a entrada, mas autorizou a permanência dos religiosos que já estão nas aldeias. Juristas evangélicos recorrerão da decisão.

24 de setembro de 2021