fbpx

terça, 24 de maio de 2022

Bolsonaro diz que agiu para tirar vice da Câmara e reclama de interferência

Bolsonaro afirmou nesta quinta (12) que pediu a Valdemar Costa Neto, que comanda o PL, para retirar Marcelo Ramos (PSD-AM) do cargo de vice-presidente da Câmara.

13 de maio de 2022

Compartilhe

Bolsonaro age para tirar Marcelo Ramos da vice-presidência da Câmara dos Deputados. (Fotos: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quinta-feira (12) que pediu a Valdemar Costa Neto, que comanda o PL, para retirar o deputado opositor Marcelo Ramos (PSD-AM) do cargo de vice-presidente da Câmara.

Conforme revelou a Folha de S.Paulo no domingo (8), o PL pressionou o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a retirar o amazonense da vice-presidência da Casa e tentar emplacar um deputado da legenda no posto.

“Uma vez mudando de partido, tá no regimento interno que ele tem que sair da vice-presidência porque aquele cargo pertence ao partido. O deputado que saiu [Ramos] entrou na Justiça e caiu na mão de quem? Alexandre de Moraes”, continuou.

“Eu nunca vi uma interferência dessa forma junto ao Legislativo, um absurdo. Uma questão ‘interna corporis’. Não tem nada a ver com Justiça. O cidadão deputado deixou a Mesa [Diretora], foi para outro partido, ele perde a vaga na Mesa.”

Ramos trocou o PL pelo PSD depois de Bolsonaro entrar no partido comandado por Valdemar.
Desde abril, o PL articula para retirar Ramos da vice-presidência da Câmara. A pressão foi intensificada após as fortes críticas dele à edição de decretos que reduzem o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e afetam a Zona Franca de Manaus.

Ramos recorreu ao TSE (Tribunal Superior) eleitoral e conseguiu uma decisão favorável de Moraes. O ministro, considerado pelo Planalto um adversário, determinou que Lira deve se abster de acatar qualquer deliberação do PL que implique o afastamento ou substituição do deputado do Amazonas da Mesa Diretora.

Um recurso foi apresentado para tentar reverter a determinação.

O fato de Ramos ter levado a disputa pela vice da Câmara para o TSE, no entanto, praticamente enterrou as chances de uma saída negociada para a crise, na avaliação de líderes partidários ouvidos pela Folha.

Lira estava tentando negociar uma solução para por fim ao impasse, consultando líderes partidários sobre o caso, de acordo com parlamentares que acompanharam essas gestões.

Segundo eles, foi aventado um acordo que envolveria uma nova composição na Mesa Diretora –Ramos ocuparia outro cargo e o PL ficaria com a vice. Além do amazonense, outras duas deputadas estão na mesma situação: Marília Arraes (PE), que trocou o PT pelo Solidariedade, e Rose Modesto (MS), que saiu do PSDB para a União Brasil.

Reservadamente, um dos líderes consultados criticou o recurso à Justiça e afirmou que Ramos tenta permanecer no cargo por meio de uma decisão judicial, colocando a Câmara em uma situação desconfortável.

Ao levar o caso à corte, Ramos, na avaliação desse líder, deu margem para uma interferência do Judiciário no Legislativo. O novo atrito potencial se dá em um contexto em que as relações entre o Legislativo e o Judiciário estão estremecidas com o episódio do bolsonarista Daniel Silveira (PTB-RJ) -o STF (Supremo Tribunal Federal) determinou a perda de mandato do deputado, mas Lira recorreu pedindo que a palavra final sobre cassações de parlamentares seja do Congresso.
Líderes da base endossam a argumentação de Lira sobre episódios do tipo: a questão é “interna corporis”, ou seja, deve ser resolvida pela própria Câmara. Conforme essa visão, o vice deveria ter negociado a solução internamente em vez de ter recorrido ao TSE.

Uma vez que isso ocorreu, a chance de diálogo acabou. A expectativa é de que Lira aplique o regimento interno da Câmara, que determina que, em caso de mudança de legenda partidária, o integrante da Mesa Diretora perde automaticamente o cargo que ocupa e a vaga é preenchida após nova eleição.

Isso representaria uma mudança em relação às regras adotadas atualmente pela Casa Legislativa. Em 2016, o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PTB-SP, na época MDB-RJ), em resposta a um questionamento sobre o tema, decidiu que o termo “legenda partidária” poderia ser interpretado de modo amplo como “partido ou bloco parlamentar”.

Ou seja, uma mudança de partido dentro de um mesmo bloco parlamentar não alteraria a representação proporcional da Mesa Diretora. Nesse sentido, como o PSD fazia parte do bloco de Lira, Ramos não seria afetado pela regra regimental.

A situação muda caso Lira adote novo entendimento e derrube a decisão tomada por Cunha em 2016.

Apesar desse cenário, há ainda quem avalie como baixa a possibilidade de troca na Mesa Diretora. Uma das razões apontadas é que, segundo Ramos e deputados aliados do amazonense, o PL havia renunciado ao cargo como parte do acordo envolvendo a desfiliação por justa causa do parlamentar.

Na carta de anuência enviada a Ramos em dezembro, uma semana depois de Bolsonaro se filiar ao PL, a legenda afirma ter decidido não utilizar as prerrogativas do artigo 26 da lei dos partidos. O dispositivo diz que “perde automaticamente a função ou cargo que exerça, na respectiva Casa Legislativa, em virtude da proporção partidária, o parlamentar que deixar o partido sob cuja legenda tenha sido eleito”.

Retirar o vice-presidente do posto, defendem aliados de Ramos, seria descumprir um acordo firmado em dezembro.

Em entrevista à Folha, Ramos afirmou que, ao se desfiliar do PL, Lira havia manifestado preocupação com a possibilidade de que ele pudesse perder o posto.

“Eu ponderei com ele que o PL havia renunciado expressamente ao direito de pedir o cargo. Quando isso acontece, o partido pode inclusive indicar um deputado do PSD para a vaga do PL. Foi o que o PL fez. O PL não deixou de ter o direito do cargo, mas ele me indicou para o cargo que era do PL”, afirma o parlamentar.

Deputado federal de primeiro mandato, Marcelo Ramos, à época no PL, foi eleito vice-presidente da Câmara em fevereiro de 2021 com o voto de 396 colegas, na mesma chapa em que Arthur Lira se tornou presidente da Casa.

A decisão de Ramos de entrar com o pedido de liminar ocorreu após entrevistas de Coronel Menezes, aliado de Bolsonaro no Amazonas e pré-candidato ao Senado, em que ele disse que o partido queria tirar o parlamentar do cargo de vice-presidente da Câmara.

Apesar da decisão de Moraes, a avaliação da própria PGE (Procuradoria-Geral Eleitoral) é de que o assunto não compete ao TSE. Em parecer, a PGE afirmou que a Justiça Eleitoral não tem atribuição para analisar a pressão do PL para retirar Ramos da vice-presidência.

O vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gustavo Gonet Branco, designado para a função por Augusto Aras, argumentou ainda ser possível a destituição de Ramos do posto na Mesa Diretora em razão de ele ter trocado o PL pelo PSD.

Fonte: Folha Press

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Semmas defende educação ambiental para combater lixo em igarapés

Secretaria tem a menor previsão orçamentária para 2022 e qualquer implementação de política pública neste sentido pode ser afetada pela falta de recursos.

24 de maio de 2022

CPI da Amazonas Energia terá relatório final entregue até 30 de maio

O presidente da CPI, Sinésio Campos, destacou o trabalho de fiscalização dos medidores de energia que localizou diversos equipamentos com defeito prejudicando os clientes.

24 de maio de 2022

‘A responsabilidade é sua’, diz líder de caminhoneiros a Bolsonaro em vídeo

Wallace Landim, o "Chorão", um dos principais líderes da greve de 2018, cobrou atitude de Bolsonaro: "chame a responsabilidade, porque senão esse país vai estar parado".

24 de maio de 2022

Wilson afirma que luta continua para reverter danos à Zona Franca de Manaus

Antes de ingressar com ações no STF contra decretos federais, Wilson reuniu com Bolsonaro, e o presidenteu não cumpriu a promessa de rever os danos à Zona Franca de Manaus.

24 de maio de 2022

‘Próximo passo é trabalhar para termos ônibus a gás’, diz Wilson

Durante evento que anunciou a compra de ônibus elétricos na Prefeitura de Manaus, o governador afirmou que ter ônibus movidos a gás na capital é algo iminente.

24 de maio de 2022

AGU deveria ter aula de Geografia após ação contra ZFM, diz Serafim

Advogado-geral, Bruno Bianco Leal disse que grande distância não mais se apresenta como fator capaz de inibir o desenvolvimento econômico social da região

24 de maio de 2022

Shádia Fraxe deve substituir Fernanda Aryel na chapa federal do Avante

Aryel teria optado por recuar da disputa deste ano para priorizar projetos pessoais. Ela cursa Medicina. A decisão de deve aliviar a situação de pré-candidatos do Avante.

24 de maio de 2022

Lula diz que é ‘crime’ atentar contra a Zona Franca de Manaus

O ex-presidente disse que o Amazonas não pode ser prejudicado por interesses dos estados que têm mais vantagens de infraestrutura e mão-de-obra qualificada.

24 de maio de 2022