fbpx

domingo, 01 de agosto de 2021

Acusado de cobrar propina de R$ 1 bi para comprar vacinas fala à CPI

Ex-diretor de Logística do ministério foi demitido do cargo um dia após denúncias de Luiz Paulo Dominguetti surgirem no radar da Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid.

7 de julho de 2021

Compartilhe

Roberto Dias já confirmou em nota que o jantar com Dominguetti e os dois coronéis do ministério ocorreu, mas negou pedido de propina (Foto: Reprodução)

Acusado de cobrar propina em compra de vacinas, o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde (MS), Roberto Ferreira Dias, fala à Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid-19 do Senado Federal nesta quarta-feira (7), em uma sessão que promete ser uma das mais quentes e importantes da atual fase da investigação, agora focada em um possível caso de corrupção para compra de vacinas por meio de um intermediário.

O nome de Roberto Ferreira Dias chegou à CPI após entrevista concedida para a Folha de São Paulo e depoimento prestado pelo representante comercial da empresa norte-americana Devati Medical Suplly, Luiz Paulo Dominguetti, que oferecia ao MS a compra de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca ao preço de US$ 3,50.

Dominguetti denunciou que, em fevereiro, num jantar no restaurante Vasto, no Shopping de Brasília, Roberto Dias solicitou, como propina, que a empresa aumentasse o preço de cada dose para US$ 4,50. O negócio não foi fechado.

Como funcionaria o esquema da propina

Segundo o representante, o acusado do esquema, Roberto Dias, se comprometia a viabilizar a compra de 200 milhões de doses, o que geraria uma propina de US$ 200 milhões (mais de R$ 1 bilhão ao câmbio de hoje) a ser paga ao ex-diretor e dois coronéis que participaram do encontro com Dominguetti: Marcelo Blanco e Alexandre Martinell, ambos exonerados de cargos no Ministério da Saúde entre 19 e 20 de janeiro. Blanco chegou a montar uma empresa para venda de medicamentos insumos hospitalares um dia antes do encontro com Dominguetti.

Os senadores da CPI desconfiam que a Devati tentou aplicar um golpe no Ministério da Saúde, pois a farmacêutica inglesa AstraZeneca não faz negócios por meio de intermediadores, como a Devati se apresentou ao Ministério. Além do mais, o Brasil já comprava o imunizante por meio de contrato de transferência de tecnologia para o Instituto Bio-Manguinhos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

“Esta claro que essa empresa não tinha essas doses. Até porque a AstraZeneca informa que, até hoje, produziu aproximadamente 600 milhões de doses da vacina, como a Devati teria só para o Brasil 400 milhões?”, questionou o líder do governo, senador Fernando Bezerra (MDB/PE). “É isso que nos espanta, pois o Governo Bolsonaro rejeitou 180 tentativas de ofertas de vacinas da Pfizer, 120 milhões de doses da Coronavac, do Butantan, mas em poucas horas aceitou negociar com essa empresa que ninguém conhece”, respondeu o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP).

Texto: Gerson Severo Dantas

Leia Mais:

Leia mais sobre Política

Presidente diz que eleição sem voto impresso será ‘farsa’ inaceitável

Presidente Jair Bolsonaro participou, na manhã deste sábado de 'motociata' em Presidente Prudente, criticou a urna eletrônica e ameaçou não aceitar o resultado da eleição.

31 de julho de 2021

Wilson celebra o ritmo da vacinação da população em 53 municípios

Governador Wilson Lima comemorou que o avanço da vacinação permitiu que 53 municípios já tenham vacinado ou estejam vacinando toda a população adulta alvo do PNI.

31 de julho de 2021

Vice do TRE-AM critica Bolsonaro e alerta para ‘clima de guerra’

Desembargador Jorge Lins falou ao RealTime1 sobre as acusações do presidente de eleições fraudadas e o clima de intranquilidade que elas trazem a paz social no País.

31 de julho de 2021

Pazuelo mentiu sobre o TrateCov na CPI, atesta análise do TCU

Conclusão dos técnicos do TCU desmente argumento apresentado pelo ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello à CPI da Covid de que a plataforma teria sido adulterada por hackers.

31 de julho de 2021

PF deve retomar investigação sobre interferência de Bolsonaro

Decisão é do ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes. Inquérito apura se o presidente tentou interferir na Polícia Federal, buscando proteger os filhos.

31 de julho de 2021

Bolsonaristas promovem manifestação em apoio ao voto impresso

Grupo Conservador Amazonas espera reunir, neste domingo, na avenida das Torres, apoiadores da proposta defendida pelo presidente em transmissão ao vivo nesta quinta-feira.

31 de julho de 2021

CPI vai analisar 28 requerimentos que envolvem amazonenses

Destaque na lista de requerimentos, está o pedido contra o deputado estadual Fausto Júnior (MDB), a mãe dele, a conselheira do Tribunal de Contas do Estado, Yara Lins.

31 de julho de 2021

MPAM recomenda exoneração de 35 servidores públicos em Itapiranga

A recomendação é dirigida à prefeita, ao presidente da Câmara Municipal e a agentes que detenham a atribuição de nomear e de exonerar ocupantes de cargos comissionados.

30 de julho de 2021