segunda-feira, 24 de junho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

OMS recomenda vacina AstraZeneca para maiores de 65 anos

Painel diz que benefícios da vacina AstraZeneca superam riscos em maiores de 65 anos e as doses devem ter intervalo de oito a 12 semanas.
COMPARTILHE
vacina astrazeneca

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou novamente o uso da vacina desenvolvida pela parceria Oxford-AstraZeneca em idosos acima de 65 anos e em contextos onde novas variações do coronavírus estejam circulando.

O novo anúncio foi feito nessa quarta-feira (10), dias após a África do Sul suspender o uso do imunizante porque um estudo indicou que a vacina tem menor eficiência contra a cepa do coronavírus encontrada no país africano.

Países da Europa também interromperam o uso do imunizante em idosos acima de 65 anos por falta de disponibilidade de dados em pacientes desta faixa etária.

O chefe do grupo de especialistas da OMS, Alexandre Cravioto, reconhece essa escassez de informações, mas diz que a resposta gerada pela vacina “não pode ser diferente” da observada em adultos mais jovens. Ele recomendou o uso especialmente por este grupo ser mais vulnerável à doença.

A entidade sugeriu também que o intervalo de aplicação entre a primeira e a segunda dose da vacina seja de dois a três meses.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Distribuição global

A Covax, consórcio ligado à OMS, espera distribuir pelo menos 2 bilhões de doses até o final do ano, vacinando pelo menos 20% da população de cada país participante.

Nova fórmula é ‘normal’

Tomando como base o exemplo das vacinas contra a gripe, que são atualizadas duas vezes por ano para manter a eficácia, o chefe da OMS disse que os fabricantes das vacinas contra o coronavírus terão que se ajustar à evolução do vírus, num processo “normal”.

Cravioto destacou que, mais importante que as vacinas, é necessário que cada cidadão atente às medidas sanitárias e sigam usando máscaras e álcool em gel na higiene das mãos, “negando assim a oportunidade do vírus se espalhar e sofrer mutações, tornando as vacinas menos eficazes”.

Texto: Rosianne Couto, com informações da ONU

Leia Mais:

COMPARTILHE