fbpx

domingo, 16 de maio de 2021

Vacina em ritmo lento compromete a recuperação econômica, alerta estudo

Conclusão é do Relatório de Atividade Fiscal, publicado pela Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado. Documento classifica o atraso como “risco a ser monitorado".

21 de abril de 2021

Compartilhe

Segundo o RAF, o Brasil experimenta um ritmo lento da vacinação (Foto: Reprodução)

A demora na vacinação contra o coronavírus pode comprometer a recuperação da atividade econômica no Brasil. A conclusão é do Relatório de Atividade Fiscal (RAF), publicado nesta terça-feira (20) pela Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado.

“Quanto mais tempo o governo demorar a promover a vacinação ampla da população contra a covid-19, tanto maior será o impacto econômico. Dados de meados de abril mostram que 4,5% da população receberam a segunda dose de uma das vacinas disponíveis”, destaca o documento.

Segundo o RAF, o Brasil experimenta um ritmo lento da vacinação, com 780 mil doses ao dia. O documento classifica o “atraso no calendário de vacinação” como um “risco a ser monitorado”. “Risco cuja materialização pode piorar o cenário reside em eventuais atrasos nos programas de vacinação. Como se sabe, a oferta de vacinas em âmbito global está sendo insuficiente para o atendimento da demanda. Dessa forma, o avanço da vacinação no Brasil estará dependente de acordos para a importação dos imunizantes até que a produção local adquira uma escala relevante, o que só deverá ocorrer mais para o final do ano ou mesmo em 2022”, estima a IFI.

De acordo com o RAF, a expansão da Covid-19 obriga os estados a adotarem “necessárias medidas de restrição à circulação de pessoas, o que já afeta os indicadores de atividade”. A IFI alerta que a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), estimada em 3% para 2021, deve ser revisada em maio. O documento destaca que a receita primária cresceu 2,7% no primeiro bimestre de 2021 em comparação com 2020. Mas adverte que a continuidade na recuperação da receita primária “depende da evolução da atividade econômica e do controle da pandemia”.

Orçamento

A IFI prevê que o teto de gastos será rompido em 2021. O documento destaca a necessidade de “ajustes” no projeto de Lei Orçamentária Anual, “provavelmente por meio de veto parcial”. O texto deve ser sancionado ou vetado pelo presidente Jair Bolsonaro até a próxima quinta-feira (22). “Há uma necessidade de corte de R$ 31,9 bilhões para que o teto de gastos não seja rompido”, alerta a IFI.

O RAF analisa ainda o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias, apresentado pelo Poder Executivo no dia 15 de abril. A proposta não prevê a existência de “folga” para o cumprimento do teto de gastos em 2022. Mas, de acordo com a IFI, há uma “sobra” de R$ 38,9 bilhões. “Esse espaço não pode ser visto como um aval automático para aumentar despesas. O quadro fiscal ainda será intrincado, com dívida e déficit elevados em 2022. Eventual uso da folga do teto deveria ser sopesado com esse contexto”, recomenda o documento.

A IFI calcula “discrepâncias” nas estimativas de despesas primárias indicadas pelo Poder Executivo no projeto da LDO 2022. A diferença entre as projeções chega a R$ 41 bilhões. Só a Previdência responde por uma divergência de R$ 21,1 bilhões. Enquanto o governo espera gastar R$ 762,9 bilhões, a IFI projeta despesas de R$ 741,8 bilhões.

Fonte: Agência Senado

Leia mais:

Leia mais sobre Negócios

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial

Mais de 45,6 milhões de brasileiros serão beneficiados pela nova rodada do auxílio emergencial, que será pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020.

16 de maio de 2021

Diesel S-10 tem recorde de vendas em abril, indica Petrobrás

Mesmo com as remarcações constantes nos preços dos combustíveis no início deste ano, a Petrobras anunciou o aumento de 4,4% nas vendas do diesel S-10.

15 de maio de 2021

Guedes quer estreitar laços comerciais com os Estados Unidos

Apesar do posicionamento ideológico do governo Bolsonaro estar distante do defendido pelo presidente estadunidense, Joe Biden, na área econômica Paulo Guedes vê convergências

15 de maio de 2021

Cerca de 12 milhões de pessoas ainda não enviaram declaração do IR

O prazo de entrega começou em 1º de março e vai até as 23h59min59s de 31 de maio. A data limite foi adiada em um mês devido a pandemia de Covid-19.

15 de maio de 2021

Estado beneficia produtores com compra de 113 toneladas de alimentos

Programa estadual atende aos produtores rurais afetados pela pandemia e pela cheia dos rios. Em dois meses, o estado adquiriu mais de R$190 mil em produtos, que são doados.

15 de maio de 2021

Governo lança edital de chamamento público para aquisição de casa de farinha

Para o Estado, a aquisição desses equipamentos é importante para atender o produtor da ponta e fomentar ainda mais a cadeia produtiva da mandioca.

14 de maio de 2021

Pix Cobrança começa a funcionar com pagamentos por meio de QR Code

Nova funcionalidade do sistema Pix permite que prestadores de serviços recebam pagamentos por meio de QR Code. A partir de julho, pagamentos poderão ser agendados.

14 de maio de 2021

AM aderiu a 6,6 mil acordos em programa de redução de salários

O volume de acordos firmados no Estado representa 0,43% do total registrado em todo o país, com crescimento de 205%. No dia 6 de maio, o Amazonas somava 2.184 adesões.

14 de maio de 2021