segunda-feira, 24 de junho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

Medidores alterados: Consumidor deve ser ressarcido e AM Energia multada

O Ipem informou que vai lavrar o auto de infração e a Amazonas Energia terá dez dias para apresentar defesa. A multa em caso de irregularidades pode chegar a R$ 5 milhões.
COMPARTILHE
Energia

Depois que o Instituto de Pesos e Medidas do Amazonas (Ipem) declarou que alguns medidores de energia elétrica estavam apresentando alterações que poderiam aumentar em até 100% o valor da fatura ao consumidor, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Amazonas Energia deve ter novidades nesta semana. Foi o que afirmou ao RealTime1, o presidente da comissão, deputado Sinésio Campos (PT).

De acordo com Sinésio, a partir dessa constatação mais medidores deverão ser periciados e os consumidores não apenas deverão ser ressarcidos, mas a empresa deverá ser responsabilizada com multas que podem chegar a R$ 5 milhões.

”Muitos consumidores tiveram o preço de suas contas aumentado e nem tiveram direito de defesa. Estou querendo que mais perícias sejam feitas daquelas pessoas que estão buscando a CPI e alegando que tiveram cobranças indevidas também”.

Situação absurda

O presidente da CPI declarou que a concessionária Amazonas Energia não tem idoneidade para aplicar multas e/ou julgar a população.

”Verificamos que no Amazonas não só se paga a maior tarifa do Brasil, mas estamos vendo também o superfaturamento nas contas. Parece que o jogo inverteu. Com essa situação, a empresa que julgava as outras pessoas por suspostamente terem cometido irregularidades demonstra que quem colocou ‘gato’ foi ela mesma”.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Furto no Jardim das Américas

Sinésio comentou também que o presidente da concessionária disse, durante reunião da CPI, que 35% dos moradores do condomínio Jardim das Américas, no bairro Ponta Negra, furtam energia e, portanto, medidores de bairros de classe A também devem ser periciados.

No dia 21 de janeiro a Justiça determinou a paralisação das instalações de novos medidores, entretanto, a empresa já tinha feito mais de 11 mil ligações. Por isso, o Ipem iniciou no último dia 2 a fiscalização para saber se esses medidores estão marcando corretamente.

De acordo com o diretor-presidente do Ipem, Márcio Brito, desde 2019 o órgão fiscalizou mais de 25 mil medidores, e alguns apresentaram erros em desacordo à legislação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). O Ipem informou que vai lavrar o auto de infração e a empresa terá dez dias para apresentar defesa.

Texto: João Luiz Onety

Leia Mais:

COMPARTILHE