segunda-feira, 24 de junho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

NOVO REGIME TRIBUTÁRIO

Essência do novo regime tributário reside na simplificação dos tributos, destaca advogado

Sergio Vieira destaca que a grande essência do novo regime tributário do reside na simplificação dos impostos.
COMPARTILHE
novo regime tributário
A expectativa é de que o novo regime tributário seja aprovado e promulgado ainda em 2023. (Foto: Divuilgação)

Após ser aprovada pela Câmara dos Deputados em julho deste ano e pelo Senado Federal no último dia 08, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 45/2019, que altera o sistema tributário nacional, entra em uma fase decisiva: retorna à Câmara para análise das alterações sofridas na última Casa Legislativa. A expectativa é de que o novo regime tributário seja aprovado e promulgado ainda em 2023.

Sócio-diretor do escritório Nelson Wilians Advogados, com ampla experiência em questões tributárias e contenciosas, o advogado Sergio Vieira detalha que, ainda que o plenário do Senado tenha aprovado a PEC em dois turnos de votação (com 53 votos favoráveis e apenas 24 contrários), o texto enviado pela Câmara sofreu alterações.

“Ao total, foram apresentadas 826 emendas. E, pela técnica legislativa, é obrigatório o reexame da matéria pela Câmara dos Deputados. Ainda assim, a expectativa é de que a reforma seja aprovada ainda este ano e de que as leis complementares que irão disciplinar as matérias da PEC sejam votadas até dezembro de 2024”, enfatiza.

De acordo com ele, a grande essência do novo regime tributário do país reside na simplificação dos tributos. Isso porque o texto da PEC prevê a substituição de cinco tributos – ICMS (estadual), ISS (municipal), IPI, PIS e COFINS (federais), por apenas três: Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e Imposto Seletivo (IS), já popularizado como ‘imposto do pecado’ por desincentivar produtos e serviços prejudiciais à saúde, como bebidas e cigarros.

“Entendo que essa simplificação pode importar em um ponto positivo não somente para as grandes empresas, que apresentam grande demanda contábil e tributária, como também para as médias e pequenas, que não têm estrutura suficiente para declarar corretamente os tributos.”

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

“A simplificação permitirá que façam esta apuração e declaração de forma célere, eficaz e em um custo bem inferior. Hoje, segundo os dados do Banco Mundial, as empresas brasileiras gastam em média 1.501 horas e mais de R$ 60 bilhões de reais por ano para o cumprimento das suas obrigações tributárias”, explica.

Conforme o advogado, atuante em Direito Tributário, diante da simplificação, as empresas não precisarão mais de uma ginástica contábil para equacionarem vários tributos. “Terão mais tempo e oportunidade para se organizarem e trabalharem pelo seu desenvolvimento. E, com o custo menor para o cumprimento das obrigações, terão maior fôlego financeiro”, avalia.

Ainda assim, Vieira deixa claro que é preciso cuidado com os pontos já levantados, pois há o deslocamento na responsabilidade tributária.

“O contribuinte não vai deixar de sustentar o peso do Estado. Embora os defensores da reforma sustentem que a proposta não vai representar um aumento na carga tributária, as projeções que vemos são sim de aumento. A expectativa é de que o Imposto sobre Valor Agregado (IVA), dos quais são espécies a CBS e o IBS, tenha uma alíquota de 27,5%, perfilando como o tributo mais caro do mundo”, pontua.

Amazonas em foco

Dois momentos muito importantes na história política do Brasil agraciaram o Amazonas, afirma o sócio-diretor do escritório Nelson Wilians Advogados: o primeiro com o advogado amazonense e também Senador Constituinte, José Bernardo Cabral, que foi o relator geral da Constituição Federal de 1988 e principal responsável pela inserção do Art. 40 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), que manteve a Zona Franca de Manaus (ZFM) como área de livre comércio, de exportação e importação e de incentivos fiscais;

E o segundo foi a nomeação do senador Eduardo Braga, outro amazonense, para a relatoria da PEC n º 45/2019 no Senado.

“Ele inseriu no relatório final um texto que traz segurança jurídica à ZFM, resguardando a competitividade do modelo e da região Norte. Não é de hoje que a Zona Franca sofre ataques de representantes políticos e empresariais de outros estados, que, desconhecendo a realidade do amazonense e do nortista, alegam que uma área de livre comércio gera uma concorrência desleal.”

“Mas só quem conhece a realidade do Amazonas e do norte do Brasil sabe das dificuldades que enfrentamos e todo o custo que é superar os desafios de um transporte essencialmente aquaviário, distante dos grandes centros econômicos e industriais”, destaca.

Segundo Vieira, somente quem conhece essa realidade sabe da importância da preservação da ZFM como área de livre comercio e, nesse ponto, o Estado do Amazonas foi agraciado por ter um representante na relatoria.

“A ZFM não se trata de um benefício fruto de uma simples vontade política. A manutenção do modelo como área de livre comércio é essencial para que se obtenha uma igualdade do Norte na disputa com as grandes empresas do restante do Brasil. Não se trata de uma guerra fiscal entre Estados e sim de trazer desenvolvimento econômico e social para o nosso Estado. E, neste ponto, a gente não abre mão”, finaliza.

Leia mais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COMPARTILHE