fbpx

sábado, 06 de maro de 2021

Caixa paga parcelas do auxílio emergencial a mais de 22 mil pessoas

Crédito será feito pela Caixa Econômica Federal na poupança social digital. Recursos já estarão disponíveis tanto para transferências e pagamentos quanto para saques.

10 de fevereiro de 2021

Compartilhe

Benefício é concedido após reavaliações e contestações (Foto: Reprodução)

O governo federal paga nesta quarta-feira (10) parcelas do auxílio emergencial para 22.233 pessoas, um total de R$ 20,95 milhões.

O benefício é concedido após processos de reavaliações decorrentes de atualização da base de dados e de contestações de cidadãos que tiveram os pagamentos negados e que foram considerados elegíveis.

No mês passado, 196 mil pessoas também receberam recursos após essas análises.

A portaria do Ministério da Cidadania foi publicada nesta quarta-feira no Diário Oficial da União.

O crédito será feito pela Caixa Econômica Federal na poupança social digital e os recursos também já estarão disponíveis tanto para transferências e pagamentos quanto para saques, por meio do aplicativo Caixa Tem.

Com ele é possível fazer compras na internet e nas maquininhas em diversos estabelecimentos comerciais, por meio do cartão de débito virtual e QR Code.

O beneficiário também pode pagar boletos e contas, como água e telefone, pelo próprio aplicativo ou nas casas lotéricas, e transferir os recursos sem o pagamento de tarifas.

Para o saque em espécie, é preciso fazer o login no aplicativo Caixa Tem, selecionar a opção saque sem cartão e gerar código de saque.

Depois, o trabalhador deve inserir a senha para visualizar o código de saque na tela do celular, com validade de uma hora.

Esse código deve ser utilizado para a retirada do dinheiro, que pode ser feita nas lotéricas, correspondentes Caixa Aqui ou mesmo nas agências.

O prazo para movimentar o dinheiro a partir do crédito na conta social digital é de 90 dias.

No caso dos beneficiários do Bolsa Família que receberam o auxílio, o prazo é de 270 dias.

Até o início deste mês, 1,4 milhão de pessoas não haviam movimentado os recursos e R$ 1,3 bilhão foram devolvidos aos cofres públicos.

Beneficiários

Para esse pagamento não há calendário de acordo com o mês de nascimento. Todos os beneficiários receberão, de uma só vez, todas as parcelas a que têm direito.

O grupo desta quarta-feira se divide em quatro categorias.

A primeira envolve quase 12 mil pessoas que se tornaram elegíveis após reavaliações de cadastros e cruzamentos de informações de bancos de dados governamentais.

Esse público vai receber de uma só vez as parcelas de 1 a 5 do auxílio emergencial de R$ 600 ou R$ 1,2 mil para mulheres de chefes de família, no total de R$ 7,89 milhões.

Os outros três grupos são compostos por pessoas que vão receber parcelas do auxílio emergencial extensão (R$ 300 ou R$ 600).

Em uma faixa estão cidadãos que vão receber as etapas de 7 a 9 da extensão.

São 371 pessoas que já haviam recebido uma parcela e que, após reavaliações, voltam a ser incluídas na lista de contempladas.

O valor de pagamentos para esse público totaliza R$ 346,5 mil.

Outro grupo, com 9,4 mil integrantes, receberá as parcelas de 6 a 9 da extensão do auxílio emergencial, no total de R$ 12,5 milhões em recursos. São pessoas que ainda não haviam recebido a extensão e passaram por reavaliação.

O último grupo, com 561 cidadãos, reúne pessoas que não tinham sido consideradas elegíveis e fizeram a contestação via Dataprev entre 17 e 26 de dezembro de 2020.

O valor total em repasses para esta faixa é de R$ 185,7 mil.

O auxílio emergencial foi criado em abril do ano passado pelo governo federal para atender pessoas vulneráveis afetadas pela pandemia de covid-19.

De acordo com o Ministério da Cidadania, mais de 68 milhões de cidadãos foram beneficiados, em um investimento de cerca de R$ 294 bilhões para pagamento das parcelas.

Tiveram direito aos repasses, obedecendo a uma série de critérios econômicos e sociais, integrantes do Bolsa Família, cidadãos incluídos no Cadastro Único (CadÚnico), além de trabalhadores informais, contribuintes individuais do INSS e microempreendedores individuais que solicitaram o benefício por meio de plataformas digitais ou aplicativo da Caixa Econômica Federal.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Economia

Brasil e Israel estreitam cooperação científica em tecnologia e saúde

O ministro Ernesto Araújo está em Israel, com representantes dos ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia, para estreitar relações.

6 de março de 2021

Veículos flex sentem impacto do aumento de 21% no preço do etanol

Expansão da demanda pelo etanol, aliada à entressafra de cana-de-açúcar, no início do ano, contribui para expansão no preço do combustível.

6 de março de 2021

Petroleiros do Amazonas anunciam greve por tempo indeterminado

Entre as reclamações estão: desrespeito a protocolos de prevenção da Covid-19 na Reman, más condições de trabalho e descumprimento de cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho

5 de março de 2021

PEC Emergencial prevê diminuição de incentivos, mas preserva a ZFM

Segundo o texto, o presidente deverá apresentar, em até seis meses após a promulgação da emenda constitucional, um plano de redução gradual desse tipo de benefício.

5 de março de 2021

Custo da cesta básica registra queda em 12 capitais brasileiras

As maiores reduções foram registradas nas cidades de Campo Grande (-4,67%), Brasília (-3,72%), Belo Horizonte (-3,16%), Vitória (-2,46%) e Goiânia (-2,45%).

5 de março de 2021

Caminhoneiros sugerem corte de benefícios que ameaça 14 mil empregos na ZFM

Retirada de benefícios do setor de bebidas da ZFM seria uma forma de compensar as perdas na arrecadação decorrentes da promessa do governo federal de zerar imposto do diesel.

5 de março de 2021

Beneficiários com nomes incorretos vão receber Auxílio Manauara

De acordo com a Semasc, como a verificação do cadastro é feita com base no número do CPF, mesmo que haja erro de digitação no nome, o cadastro do beneficiário será aprovado.

5 de março de 2021

Miséria: Mais de dois milhões de amazonenses vivem com R$ 1 por dia

Dados da PNAD Contínua do IBGE mostram que em 2019 o Amazonas era o Estado brasileiro com o maior número de miseráveis, com mais de dois milhões nessa condição degradante

5 de março de 2021