fbpx

sábado, 24 de julho de 2021

Pequenos negócios ainda sentem efeitos da pandemia, diz Sebrae

Pesquisa apontou que as empresas que retomaram o faturamento são de setores relativamente menos impactados pela pandemia, caso do comércio de alimentos.

25 de junho de 2021

Compartilhe

Pesquisa aponta perdas no faturamento em 79% das empresas (Foto: Reprodução)

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, disse nesta sexta-feira (25) que a redução de medidas restritivas não é suficiente para a retomada do faturamento de pequenos negócios, já que a queda de receitas se mantém estável desde fevereiro.

Observou, no entanto, que até 9,5 milhões de pequenos negócios podem ter retomado o nível equivalente ao registrado antes da pandemia da Covid-19 até 1 de setembro de 2019, o que representa cerca de 54% do universo de microempreendedores individuais e micro e pequenas empresas brasileiras.

“Vacina é sinal de retomada, sinal de desenvolvimento”, disse, ao destacar os resultados da 11ª edição da pesquisa “O Impacto da pandemia do coronavírus nos Pequenos Negócios”, realizada pelo Sebrae com a Fundação Getulio Vargas (FGV), a partir de dados da Fiocruz e do Ministério da Saúde.

A pesquisa apontou que as empresas que retomaram o faturamento são de setores relativamente menos impactados pela pandemia, caso do comércio de alimentos, logística, negócios pet, oficinas e peças, construção, indústria de base tecnológica, educação, saúde e bem-estar e serviços empresariais.

Pesquisa

Segundo o presidente do Sebrae, apesar do novo movimento de reabertura da economia e da diminuição das restrições promovidas pelos governos estaduais e municipais, em função da crise causada pela covid-19, o percentual de empresas que continua registrando perdas no faturamento, de 79%, continua inalterado desde fevereiro. O índice é o pior desde julho de 2020, quando 81% dos pequenos negócios revelavam perda de receitas.

O levantamento também revelou que, na média, as pequenas empresas estão faturando 43% menos do que o registrado antes da pandemia, o pior resultado desde julho do ano passado (45%).

Carlos Melles revelou ainda que, em maio, pelo segundo mês consecutivo as micro e pequenas empresas demonstraram um sinal de recuperação, após uma forte queda de confiança em março. Assim, o Índice de Confiança de Micro e Pequenas Empresas (IC-MPE) subiu 5,4 pontos em maio, atingindo o patamar de 935 pontos, o maior desde dezembro de 2020. Já o Índice de Confiança subiu 11 pontos no acumulado de abril e maio. No mesmo período, as MPE do Comércio melhoraram 22 pontos.

De acordo com o estudo, o número de empresas que atuam em locais com restrição caiu de 54%, em fevereiro (2020), para 32%, em maio, e a quantidade de pequenos negócios operando (com ou sem mudança) se manteve estável em 80%, nesse mesmo período.

“A pesquisa nos permite perceber que apenas a autorização para reabertura das empresas não é fator suficiente para influenciar de forma positiva o faturamento desses negócios. Por isso é fundamental que a vacinação seja acelerada e que sejam criadas novas políticas que amparem os empreendedores, ampliem o acesso ao crédito e reduzam o custo desses empréstimos de forma rápida”, disse o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

A queda no movimento de recuperação também tem deixado os donos de pequenos negócios cada vez mais aflitos e apreensivos, mostra a pesquisa. Eles acreditam que o retorno à normalidade ocorrerá apenas em outubro de 2021, ou seja, daqui a 18 meses. Esse índice tem crescido desde novembro do ano passado, quando o tempo de retorno estimado estava em 14 meses.

“Todo esse cenário tem feito com que 56% dos entrevistados estejam aflitos e preocupados com o futuro das suas empresas, já que para 75% deles a empresa é a principal fonte de renda da família”, observa o presidente do Sebrae.

Metodologia

A pesquisa quantitativa entrevistou 7.820 microempreendedores individuais (MEI) e donos de pequenos negócios entre os dias 25 de maio e 1º de junho, em todos os estados e no Distrito Federal, por meio de formulário online. O erro amostral é de 1% para mais ou para menos para os resultados nacionais. O intervalo de confiança é de 95%.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Inédito: Garantia Safra beneficiará produtores afetados pela cheia

O Amazonas entra para o Fundo Garantia Safra, com dezesseis municípios, sendo sete da Bacia do Juruá, e nove do Alto Solimões.

24 de julho de 2021

Logística e maior cobrança de ICMS encarecem preço do gás de cozinha

O Amazonas tem a maior cobrança de ICMS em relação aos demais estados da região Norte, com alíquota de 18%. Sefaz afirma que Petrobrás continuará reajustando os preços.

24 de julho de 2021

Carrefour promove semana dedicada a contratação de pessoas com deficiência

Com a iniciativa, o Carrefour contribui para a inclusão profissional de grupos minorizados, reforçando o compromisso com a valorização e aumento da diversidade.

23 de julho de 2021

Produção nacional de aços tem queda de 1,97% em junho, diz associação

Apesar da pequena queda, com exceção ao mês de maio, o índice segue em nível nunca alcançado na série histórica com início em fevereiro de 2009.

23 de julho de 2021

Secretário de Guedes quer “passar a faca” no Sistema S; indústria reage

Secretário de Política Econômica do Ministério da Economia quer destinar R$ 6 bilhões em recursos do Sistema S para inclusão de jovens carentes no mercado de trabalho.

23 de julho de 2021

Nova Era oferece produtos a partir de R$ 1,99 neste fim de semana

Campanha “Zera Estoque Nova Era” vai acontecer durante este sábado (24) e domingo (25), na unidade do superatacado localizada na Avenida Torres, zona centro-sul de Manaus.

23 de julho de 2021

Prévia da inflação oficial fica em 0,72% em julho, aponta IBGE

Sete dos nove grupos de despesa analisados na pesquisa tiveram alta de preços na prévia de julho, com destaque para habitação, cuja taxa de inflação chegou a 2,1% no período.

23 de julho de 2021

Crises e automatização motivaram queda de empregos na indústria do AM

Demanda crescente por modernização dos processos exige maior qualificação profissional, impactando cada vez mais o indicador 'emprego da mão-de-obra'.

23 de julho de 2021