fbpx

terça, 07 de dezembro de 2021

Maioria das indústrias buscou inovar na pandemia, aponta CNI

De acordo com o estudo, realizado pelo Instituto FSB Pesquisa, oito em cada dez indústrias inovaram e viram crescer a produtividade e os resultados financeiros.

19 de outubro de 2021

Compartilhe

Produzir com menos custos é uma das metas das empresas (Foto: Reprodução)

A pandemia de Covid-19 levou grandes e médias indústrias a investirem em processos de inovação para aumentar a competitividade. É o que aponta pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada nesta terça-feira (19). De acordo com o estudo, realizado pelo Instituto FSB Pesquisa, oito em cada dez indústrias inovaram e viram crescer a produtividade e os resultados financeiros.

O levantamento teve por objetivo mapear a percepção de executivos de empresas no Brasil sobre o atual cenário de inovação dentro e fora das principais companhias em atividade no país. Foram entrevistados executivos de 500 indústrias durante o mês de setembro e a amostragem foi controlada por porte das empresas (médias e grandes) e setor de atividade.

Do total de empresas industriais de médio e grande porte, 88% promoveram alguma inovação durante a pandemia de Covid-19, como forma de buscar soluções para a crise imposta pelo contexto sanitário.

“Dentre o total de empresas ouvidas, 80% registraram ganhos de produtividade, competitividade e lucratividade decorrentes de inovações. Outras 5% tiveram dois desses ganhos e 2%, um ganho. Apenas 1% das indústrias brasileiras inovou e não viu nenhum incremento em seus resultados. Os dados mostram que somente 13% dos executivos entrevistados disseram que suas empresas não inovaram durante a pandemia”, informou a CNI.

O levantamento indica, também, que 51% das indústrias não possuem setor específico voltado para a renovação. Os dados apontam, ainda, que 63% das empresas pesquisadas não têm orçamento reservado para inovação e 65% não dispõem de profissionais exclusivamente dedicados a mudanças.

Dificuldades

De acordo com a pesquisa, as principais causas para dificuldade em mudar durante a pandemia são acessar recursos financeiros de fontes externas (19%), a instabilidade do cenário externo (8%), a contratação de profissionais (7%), falta de mão de obra qualificada (8%) e o orçamento da empresa (6%).

Os dados mostram, ainda, que a pandemia trouxe alterações na produção das empresas, com 67% dos entrevistados afirmando que a Covid-19 evidenciou alterações na relação com os trabalhadores; 60% disseram que tiveram alterações nas vendas; 59%, nas relações com clientes; 58%, na gestão; 53%, nas linhas de produção; 51%, na utilização de tecnologias digitais e 44%, na logística.

Segundo a CNI, entre os entrevistados, 79% responderam que foram prejudicadas com a pandemia, com destaque para a Região Nordeste, que concentrou 93% das respostas positivas. E 58% das indústrias disseram que a cadeia de fornecedores foi a mais prejudicada, seguida de vendas (40%) e linhas de produção (23%). 

Ao mesmo tempo, 20% dos executivos disseram que foram pouco ou nada prejudicados pela pandemia. No total, 55% das empresas afirmaram que tiveram aumento no faturamento bruto.

A pesquisa mostrou, ainda, que, para os próximos três anos, as empresas consideram como prioridades ampliar o volume de vendas (49%), produzir com menos custos (49%), produzir com mais eficiência (41%), ampliar a produção (34%) e fabricar novos produtos (27%). Para isso, entre os setores que as indústrias consideram mais importante inovar estão o de relação com o consumidor (36%), setor de processos (35%) e de produção (31%).

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Construtora inscreve pessoas negras para programa nacional de trainee

O objetivo é promover maior equidade de oportunidades no ambiente corporativo - especialmente no que se refere à ocupação de cargos de liderança.

6 de dezembro de 2021

Fluxo no transporte hidroviário intermunicipal aumenta 21% em novembro

Em novembro, 87.657 pessoas utilizaram embarcações, com saída dos postos de fiscalização da Arsepam em Manaus, para outros municípios do estado. Em outubro, foram 72.288.

6 de dezembro de 2021

Saques em poupança superam depósitos em R$ 12,37 bilhões

De janeiro a novembro, foi registada retirada líquida de R$ 43,157 bilhões. Em 2020, a poupança captou R$ 166,31 bilhões em recursos, o maior valor anual da série histórica.

6 de dezembro de 2021

Brasil lança oficialmente os selos nacionais de Indicações Geográficas

Selos nacionais de Indicação de Procedência ou Denominação de Origem serão lançados oficialmente no IV Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas.

6 de dezembro de 2021

Banco do Brasil realiza mutirão para renegociação de dívidas

Mutirão de negociação de dívidas começa nesta segunda-feira (6) vai até o dia 17 de dezembro, com descontos de até 95% para pagamento à vista das dívidas vencidas.

6 de dezembro de 2021

INSS divulga calendário de pagamentos para 2022; confira

Os depósitos para 36 milhões de beneficiários seguirão a sequência de anos anteriores, com um calendário para quem recebe um salário mínimo e outro para quem ganha mais.

6 de dezembro de 2021

Mais de 2 mil bolsas de pós-graduação são disponibilizadas em Manaus

As inscrições para as bolsas de estudo de 100%, 70% e 50% seguem até o dia 28 de janeiro. A primeira chamada dos selecionados acontece no dia 1º de fevereiro de 2022.

6 de dezembro de 2021

Cartões chegam ao Juruá: auxílio injetará R$ 4,8 milhões/ano em Eirunepé

Com o benefício mensal no valor de R$ 150, a estimativa é de que aproximadamente R$ 400.950 sejam injetados na economia da cidade, mensalmente.

6 de dezembro de 2021