fbpx

sexta, 30 de julho de 2021

Homens são as principais vítimas de golpes financeiros, diz pesquisa

O principal meio de divulgação para atrair as vítimas foi o Whatsapp (27,5%), seguido pela divulgação boca a boca (19,7%), e-mail e ligação telefônica (12,4% cada).

22 de julho de 2021

Compartilhe

Estudo da CVM foi feito com base em reclamações de investidores (Foto: Reprodução)

Sondagem feita pelo Centro de Estudos Comportamentais e Pesquisas (Cecop), da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), revela que, de maneira geral, os homens são as principais vítimas de golpes financeiros (91%), estão em sua maioria na faixa etária de 30 a 39 anos de idade (36,5%), têm ensino superior completo com pós-graduação (38%) e possuem renda familiar mensal entre dois e cinco salários mínimos (23%). 

A pesquisa foi feita com base em reclamações de investidores enviadas à autarquia, vinculada ao Ministério da Economia, entre 2017 e 2019.

Essas reclamações, entretanto, não envolviam apenas fraudes financeiras, mas situações diversas, esclareceu o superintendente de Proteção e Orientação aos Investidores (SOI) da CVM, José Alexandre Vasco.

Ao todo, foram analisadas 1.002 respostas e detectadas 178 vítimas de golpes financeiros. Criptomoedas foram o produto de investimento mais citado pelas vítimas, sendo mencionadas por 43,3% dos consultados. Seguem-se mercado Forex, para transações de câmbio (29,8%); opções binárias (16,9%); e ações (15,2%).

O principal meio de divulgação para atrair as vítimas foi o Whatsapp (27,5%), seguido pela divulgação boca a boca pessoalmente (19,7%), e-mail e ligação telefônica (12,4% cada), mostrou a sondagem da CVM.

Segundo explicou o superintendente da CVM, embora a participação das mulheres no mercado de capitais tenha crescido, o maior número de investidores ainda é do sexo masculino.

“De modo que era natural mesmo esperar ter um número maior, uma predominância de homens” entre as vítimas de golpes financeiros, disse Vasco.

Outro fator que pode justificar esse cenário é o apetite por investimentos alternativos, de maior risco, por parte dos homens, enquanto as mulheres demonstram maior desconfiança de seu conhecimento em termos financeiros e, por isso, evitam grandes riscos.

Os valores perdidos oscilaram de R$ 100 a mais de R$ 100 mil. A maior parte das vítimas investiu entre R$ 10.001 e R$ 50 mil (22,5%) e entre R$ 1.001 e R$ 5.001 mil (21,3%).

Alta confiança

De acordo com a pesquisa da CVM, muitas das vítimas de fraudes têm alta confiança em sua capacidade de investir. “Talvez esse excesso de confiança seja uma característica de confiança mais dos investidores masculinos do que das investidoras. Essa dúvida talvez tenha salvado muitas pessoas de caírem em uma coisa alternativa ou estranha”, disse o superintendente.

Ele esclareceu que nem todas as ofertas sem registro na CVM são fraudes financeiras. Às vezes, é uma oferta irregular, mas não é uma fraude. “Mas, nos casos de golpes ou fraudes financeiras, eles usam sempre os temas do momento. Lá atrás era boi gordo, avestruz, contratos de risco coletivo”.

Com o tempo, os golpes foram mudando e os fraudadores buscaram novos temas. Agora, são as criptomoedas.

“Por serem uma coisa inovadora, elas têm predominado nos golpes. Daqui a cinco anos, se a gente fizer uma nova pesquisa, será outra coisa. Porque a prática não muda; o que muda são os embustes”, afirmou.

O superintendente ressaltou, ainda, a parte comportamental da pesquisa que captou diferenças de atitudes dos investidores. Aqueles que foram vítimas de golpes financeiros achavam que era bom investir em algo não regulado porque tinha retorno financeiro maior. 

Entre as vítimas, houve mais concordância com a afirmação de que é mais difícil obter um bom patrimônio apenas trabalhando. Da mesma forma, consideravam que não eram suficientemente recompensadas pelo seu trabalho do que os investidores não vítimas.

“Estão buscando um retorno maior para compensar aquilo que eles não são recompensados no trabalho”. Essas pessoas estão mais atentas a oportunidades de investimentos que ninguém conhece, completou. Essa é a média, afirmou.

Perfis

Foram notados no levantamento da CVM alguns perfis de vítimas. O primeiro engloba aqueles que pagam para ver, estão dispostos a entrar em mercados não regulados, investem em pequeno valor para testar. À medida em que a vítima vai adquirindo confiança, ela vai aumentando a aposta. 

“Essas, geralmente, são as pessoas que perdem mais porque, quando a pirâmide desmorona, o capital investido foi bem maior”.

Outras vítimas são movidas pela confiança e acabam enganadas. Acreditam em um site bem organizado e tiveram indicação de um amigo de um círculo de relacionamento, que diz que aquilo está dando certo. “Em geral, esse esquema tem uma rentabilidade mais modesta de 2% a 3% ao mês, o que é muito dinheiro”, afirmou.

Um terceiro grupo abrange os entusiastas do mercado financeiro, com perfil aberto a novas oportunidades.

“Eles acham que entendem e confiam. Estudam a opção e investem. Esses, em geral, optam por não denunciar. Ficam mais envergonhados, é o que a gente estimou. Reclamam com quem lhes apresentou a novidade. Eu conheço casos de pessoas que pagaram às vítimas. Indenizaram o que o fraudador verdadeiro levou”, declarou o superintendente.

Na avaliação de José Alexandre, as pessoas, na verdade, têm a crença de que a falta de regulação da CVM representa uma maior oportunidade de ganho e, muitas vezes, não identificam o elemento que sinaliza que aquele investimento era fraudulento.

A maioria das vítimas já fazia algum investimento, tinha familiaridade com os conceitos financeiros e se considerava, de alguma forma, conhecedora do mercado. “As vítimas talvez caíssem nos golpes por necessidade financeira e não eram completamente novatas em termos de investir no mercado”, contou.

Entre os aspectos que contribuíram para que as pessoas caíssem no golpe, as respostas mais frequentes foram aparência do site transmitindo confiança (39,9%), outros familiares ou amigos já haviam feito o investimento (38,8%), bom atendimento por parte dos profissionais (35,4%), pequeno investimento exigido (30,9%) e desconhecimento da modalidade do golpe (24,7%).

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Grupo Chibatão mantém planos de investimentos no setor portuário

Entre os investimentos informados pelo grupo, está o repasse de R$36,9 milhões viabilizados por meio do Ministério da Infraestrutura. Recursos serão destinados a ampliações.

30 de julho de 2021

Empreendedores contam com apoio do FPS para driblar crise econômica no AM

A vice-presidente do FPS, Kathleen Santos, em entrevista ao RealTime1, destacou a atuação do Governo do Amazonas para que amazonenses

29 de julho de 2021

Simples Nacional será isento da taxação de dividendos, promete Guedes

Ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou a isenção para as empresas de menor porte em entrevista nesta quarta-feira. Segundo ele, os super-ricos vão pagar mais impostos.

29 de julho de 2021

Nubank vai aumentar limite do cartão de crédito para 35 milhões de clientes

Aumentos representam cerca de R$ 26 bilhões e serão oferecidos ao longo dos próximos 12 meses. Até o fim do ano, 10 milhões de clientes devem receber o crédito adicional.

29 de julho de 2021

Campanha “Zera Estoque Nova Era” tem produtos a partir de R$ 1,99

Campanha "Zera Estoque Nova Era" acontece neste sábado (31) e domingo (1º), na unidade da Avenida Torquato Tapajós. itens de cozinha estarão com descontos a partir de 30%.

29 de julho de 2021

Parceria entre Cieam e Ciesp pretende fortalecer a indústria brasileira

O encontro aconteceu em visita feita pelo presidente do Conselho do Cieam, empresário Luiz Augusto Rocha, ao industrial Rafael Cervone, recém eleito à presidência do Ciesp.

29 de julho de 2021

Brasil gera 309 mil empregos formais em junho, aponta Ministério

Estoque de empregos formais no país, que é a quantidade total de vínculos celetistas ativos, chegou a 40.899.685, em junho, o que representa uma variação de 0,76%.

29 de julho de 2021

Endividamento das famílias bate recorde e chega a 58,5% em abril

Pandemia ainda impacta a renda familiar. Com dificuldades para fechar contas, famílias recorrem cada vez maias a crédito bancário, o que, consequentemente, gera mais dívidas.

29 de julho de 2021