fbpx

sexta, 01 de julho de 2022

Empresários cobram fim do desmate ilegal na Amazônia

A carta em que os empresários brasileiros pedem o fim do desmatamento, mostra o isolamento do presidente Bolsonaro nas discussões ambientais, onde o país era coadjuvante.

7 de novembro de 2021

Compartilhe

Carta será apresentada na COP 26. Presidente desistiu de ir no evento. (Foto: Divulgação)

Principal fonte de descrédito para o Brasil durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-26), o desmatamento ilegal na Amazônia virou tema de uma carta assinada por 19 CEOs de grandes empresas com operação no País – lista que deve crescer nos próximos dias. No documento, eles cobram políticas para combate à derrubada irregular da floresta e apontam soluções, como o uso intensivo de tecnologia de rastreamento e a inclusão econômica das comunidades locais.

Organizado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds) em parceria com a iniciativa Uma Concertação, o posicionamento será divulgado hoje durante a COP-26, em Glasgow, na Escócia. A carta reúne assinaturas de CEOs como Eduardo Bartolomeo (Vale); João Paulo Ferreira (Natura & Co); Jean Jereissati Neto (Ambev); Mauricio Rodrigues (Bayer); Fabio Adegas Faccio (Renner); e Tânia Consentino (Microsoft).

“O desmatamento é o nosso elefante na sala. Representa 44% das emissões de gases de efeito estufa do País, sendo que, deste total, mais de 90% são provenientes de atividades ilegais”, afirma Marina Grossi, presidente do Cebds. “O desmatamento ilegal não gera renda, não cria empregos, derruba árvores que tiram gases do efeito estufa. O único que tira proveito disso é o criminoso.”

Na carta, os empresários reforçam a importância do poder público na aplicação da lei e no combate ao desmatamento ilegal. Defendem investimento na digitalização de cadeias produtivas, como a da madeira e a da pecuária, assegurando a legalidade das operações, impedindo que recursos públicos e privados financiem atividades ilícitas. O documento trata ainda de bioeconomia, energia e infraestrutura, inclusão das comunidades locais e tecnologia. 

Da Redação, com informações da Agência Estado

Leia mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Manaus vai sediar maior evento de networking de Tecnologia e Inovação

Estão abertas as inscrições para o ‘AATEC Day 2022’, evento gratuito voltado para gestores e profissionais de Tecnologia e Inovação. Evento vai acontecer em 23 de julho.

1 de julho de 2022

Micro e pequenas empresas poderão renegociar dívidas com a União até 31 de outubro

Inadimplência tributária pode ocasionar a exclusão do Simples Nacional, importante regime criado para as MPE, que proporciona o recolhimento de impostos em via única.

1 de julho de 2022

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência energética a partir de hoje

Nova etiqueta traz três subclasses, indicando diferença de consumo de até 30% entre os produtos mais eficientes. Além disso, um QR Code vai remeter ao status do refrigerador.

1 de julho de 2022

AM pode atrair investimentos de bancos internacionais, diz BNDES

Presidente do BNDES, Gustavo Montezano, participa de eventos que discutem investimentos e economia verde da Amazônia, em Manaus com bancos internacionais.

1 de julho de 2022

Festa do Leite e Feira Agropecuaria devem injetar R$ 5 milhões em Autazes

Festa do Leite e Feira Agropecuária de Autazes terão instituições bancarias com oferta de linhas de créditos voltadas para produtores do setor rural do município.

30 de junho de 2022

Veja quais são as novas regras para atendimento nas agências do INSS

Novas regras passam a valer a partir da segunda-feira (4). Mudança inclui a determinação de que as agências fiquem abertas na semana, por seis horas diárias, sem interrupção.

30 de junho de 2022

Polo de Duas Rodas confirma projeção de crescimento no AM em 8% para 2022

Abraciclo e Sedecti realizaram encontro para discutir projetos de melhorias e fortalecimento do Polo de Duas Rodas instalado na Zona Franca de Manaus e que terá crescimento.

30 de junho de 2022

Transportadoras fluviais de cargas do AM podem entrar em greve por 10 dias

Sindarma afirma que uma possível paralisação das transportadoras também iria afetar o abastecimento das cargas nos estados vizinhos do Acre, Rondônia, Roraima e Pará.

30 de junho de 2022