fbpx

quinta, 26 de maio de 2022

Carnaval deve movimentar 33,7% menos serviços do que antes da pandemia

Com queda de 33,7% na demanda por serviços, o Carnaval ainda deve gerar R$ 6,45 bilhões na economia, segundo projeção da CNC, mesmo com vários Estados cancelando a festa.

15 de fevereiro de 2022

Compartilhe

Bares e restaurantes serão os setores com maior receita no Carnaval (Foto: Ricardo Oliveira/Semcom)

Principal evento de Turismo do calendário nacional o Carnaval deve movimentar 33,7% a menos o setor de serviços, em 2022, ao que já mobilizou no período anterior à pandemia do coronavírus, de acordo com projeções da Confederação Nacional do Comércio (CNC), divulgada na noite de segunda-feira (14).

Apesar dos efeitos da pandemia e da suspensão da festa em alguns Estados, o Carnaval em 2022 ainda deve ter uma movimentação financeira de R$ 6,45 bilhões, volume de receitas 21,5% maior do que o registrado em 2021, quando as celebrações também foram suspensas.

Enquanto, no final do ano passado, 20 governos estaduais optaram pelo cancelamento do feriado e dos pontos facultativos para este ano, 11 das 26 capitais já confirmaram que manterão o calendário, alguns realizando festa em abril, como Rio de Janeiro e São Paulo . O presidente da CNC, José Roberto Tadros, lembra que, apesar de o carnaval não ser feriado nacional, é o principal evento da agenda do turismo brasileiro. “Independentemente das festas que, em sua maioria, foram adiadas ou canceladas neste ano, a decretação de feriado ou ponto facultativo, em níveis regionais, acaba movimentando o setor de forma significativa.”

De acordo com a Confederação, a expectativa para o período é que o segmento de alimentação fora do domicílio, representado por bares e restaurantes, movimente R$ 2,78 bilhões, seguido pelas empresas de transporte de passageiros rodoviário R$ 1,55 bilhões.

O economista da CNC responsável pela pesquisa, Fabio Bentes, avalia que a desaceleração da pandemia e a queda do isolamento social ao longo de 2021 viabilizaram a retomada gradual da atividade econômica no turismo e que, após a segunda onda da doença, o volume de receitas do setor chegou a acumular alta de 57,5%, segundo o Índice de Atividades Turísticas, apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Entretanto, os impactos adversos decorrentes da deterioração das condições econômicas e, principalmente, da chegada da variante Ômicron passaram a limitar o ritmo de recuperação do segmento no fim do ano passado”, observa.

Para o presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), Alexandre Sampaio, apesar de ser um período de maior procura, a tendência é que os preços tenham uma variação inferior à prévia da inflação oficial, por conta do panorama incomum. “No carnaval de 2021, o preço médio da hospedagem recuou 8,9% em relação ao carnaval anterior. Já em 2022, apesar da recuperação parcial do turismo, o preço médio deve subir 5,9%. Ou seja, os meios de hospedagem seguem mais baratos que no carnaval de 2020. Isso mostra que o setor tem se esforçado para manter os preços mais baixos, apesar da inflação, para atrair o turista”, afirma.

A demanda por serviços turísticos ao fim da alta temporada deve gerar 16,5 mil empregos temporários entre janeiro e fevereiro deste ano, quase o dobro de 2021. O número, no entanto, ainda é 38% inferior ao registrado no último carnaval antes da pandemia, quando foram oferecidas 26,3 mil vagas.

Em relação à expectativa dos empresários amazonenses, o presidente da Fecomércio AM, Aderson Frota, destaca os fatores que influenciam o setor comercial nessa sazonalidade. “O período chuvoso e de férias contém o ânimo do consumidor para o aumento na intenção de compras. Nossa expectativa é que teremos perdas, mas restrita ao setor de alimentos, bebidas, e ao vinculado às fantasias carnavalescas. Com o cancelamento do Carnaval e o adiamento em alguns Estados, a expectativa também foi adiada”, explica.

Com informações da Assessoria

Leia Mais:

Leia mais sobre Economia & Negócios

Wilson Lima anuncia investimentos de quase R$ 25 milhões para CT&I

Por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapeam), os recursos serão aplicados em sete editais, sendo seis inéditos, de programas de apoio a pesquisas científicas.

26 de maio de 2022

Para economistas, ICMS em 17% terá pouco impacto na redução de preços

Economistas acreditam que projeto que estipula teto de 17% na cobrança de ICMS não resultará em redução expressiva no preço do combustível, com queda de até 5% nos preços.

26 de maio de 2022

Novamed anuncia expansão no PIM com investimento de R$ 50 milhões

Empresa pretende aumentar a produção de 1 bilhão e 100 milhões de comprimidos/mês para 1 bilhão e 400 milhões/mês, além da garantia de cerca de 900 postos de trabalho.

26 de maio de 2022

Indígenas Tikuna participam de oficina de artesanato em Benjamin Constant

O Workshop, promovido em parceria com o Sebrae Amazonas, contou com a presença de consultores de artesanato do Ceará, do Espírito Santo, Colômbia e Brasília.

26 de maio de 2022

Caixa amplia em até 21,4% subsídio do programa Casa Verde Amarela

Percentuais vão variar de 12,5% a 21,4%. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional, acréscimo varia conforme região, renda familiar e população do município.

26 de maio de 2022

Câmara aprova limite da alíquota de ICMS sobre combustíveis

Lei classifica os setores de combustíveis, gás natural, energia elétrica, comunicação e transportes como essenciais e indispensáveis, limitando a alíquota ao máximo de 17%.

26 de maio de 2022

Amazonas precisa qualificar 114 mil trabalhadores da indústria até 2025

A Fieam levantou a demanda de profissionais da indústria a serem qualificados até 2025 no Amazonas para atender às novas demandas do setor na Zona Franca de Manaus.

26 de maio de 2022

‘Nosso Centro’ quer expandir empreendimentos na região central de Manaus

Programa da Prefeitura prevê a revitalização do centro histórico com a implantação dos projetos 'Mais Negócios', 'Mais Vida' e 'Mais História', ao longo dos próximos 3 anos.

25 de maio de 2022