fbpx

domingo, 23 de janeiro de 2022

Ipat tem 100% dos apenados em programas de ressocialização no AM

Além de cursarem ensino médio ou superior na unidade, os apenados também estudam cursos técnicos e conseguem trabalhar, alguns de forma remunerada.

7 de janeiro de 2022

Compartilhe

(Foto: Adauto Cruz/Seap)

Pela primeira vez na história do sistema prisional do Amazonas, o Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) alcançou a marca histórica de 100% da sua população carcerária inserida em programas de ressocialização.

Uma cerimônia de comemoração foi realizada na manhã desta quinta-feira (6), na sede da unidade localizada no quilômetro 8 da BR-174 (Manaus-Boa Vista). Os projetos para remir pena foram implantados pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

Os 708 apenados do Ipat estão inseridos nos programas de ressocialização: Conhecimento que Liberta, Trabalhando a Liberdade e Terapêutico Carcerário.

O Ipat é a primeira unidade prisional masculina do estado a alcançar tal marca. A conquista foi possível em virtude do trabalho da Seap em criar projetos e desenvolver cursos, em parceria com a empresa terceirizada RH Multi, que atraíssem a atenção e a vontade dos reeducandos em mudar de vida.

Segundo o secretário da Seap, coronel Paulo César Gomes, foi uma determinação do governador Wilson Lima para coordenar as unidades prisionais com o rigor da lei, mas também com o trabalho de ressocializar o apenado.

“Ressocialização nada mais é que aplicarmos uma forma, algum programa de capacitação, treinamento, de leitura, que fizesse com que o preso se tornasse digno de retornar a sua atividade junto à sociedade. Hoje no sistema prisional, no Ipat nós conseguimos atingir 100% de todas as pessoas privadas de liberdade, inseridas nos programas de ressocialização”, afirmou Paulo César.

Ainda de acordo com o secretário, além de cursarem ensino médio ou superior na unidade, os apenados também estudam cursos técnicos e conseguem trabalhar, alguns de forma remunerada, gerando assim profissionais que vão ganhar a liberdade, com uma profissão.

“No passado não acreditavam no sistema prisional, na dinâmica de trabalho e na possibilidade de retornarem à sociedade como pessoas capacitadas. Hoje, ele consegue emprego do lado de fora com a cabeça erguida, pois hoje ele pode dizer: – Eu sou um profissional do trabalho”, garantiu Paulo César.

Conforme o diretor do Ipat, tenente Tales Renan, a visão e o conceito de segurança, que antes existia, de que o preso precisava ficar trancado na cela mudou e, hoje, na nova administração da Seap, a meta é manter o apenado trabalhando, estudando e sonhando em mudar de vida.

“Antigamente a segurança da cadeia era o preso dentro da cela, hoje não mais. Hoje, ele mantém a mente ocupada e aqui no Ipat a gente oferece desde o ensino básico, o ensino regular, educação a distância, temos cursos profissionalizantes, temos fábrica de sabão, fábrica de artesanato, fábrica de chinelo e todos esses materiais são utilizados pelo sistema penitenciário”, contou.

Além dos cursos profissionalizantes, o Ipat dispõe também de aulas de música e instrumento aos apenados.

Sonhos para o futuro

Com o conhecimento adquirido na unidade prisional, o reeducando João (nome fictício), sonha em montar sua própria fábrica de produção de material de limpeza, assim que conseguir a liberdade.

“Quando você sai daqui você sai com uma profissão definida. Quando eu sair daqui eu vou montar uma fábrica, já está tudo certo, já estou fazendo um curso de faculdade chamado administração de empresa, então ao sair desse projeto eu vou sair e montar a minha empresa “, garantiu.

Para o interno Paulo (nome fictício), que é dono da melhor nota do sistema prisional nas provas do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), os projetos oferecidos no Ipat mudaram a vida dele.

“Participo não só de um projeto, mas de vários projetos que a unidade tem disponibilizado para os internos. Participo do projeto de remição pela leitura. Projeto de participação no Enem. Inclusive, em 2020, eu consegui a melhor nota aqui da unidade e, por isso, consegui alcançar uma vaga no EAD e estou no segundo período de serviços jurídicos. Para mim, tem sido algo extraordinário. É uma oportunidade”, afirmou.

Com informações da assessoria

Leia Mais:

Leia mais Dia a Dia

Covid mata 4x mais crianças de 0 a 4 anos no Brasil que maiores que 5

Oficialmente, o Brasil registrou 1.544 mortes de crianças de 0 a 11 anos. Faixa etária já pode ter atingido 3.249 óbitos e 92.837 internações desde o início da pandemia.

23 de janeiro de 2022

Exame para checar níveis de vitamina D no organismo agora é obrigatório

A medida, sancionada pelo governador Wilson Lima, orienta que médicos da rede pública de Saúde incluam nos exames de rotina checagem das dosagens da vitamina no corpo.

23 de janeiro de 2022

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Decisão foi tomada após a identificação de casos de síndromes gripais entre trabalhadores da educação. Aulas serão retomadas na próxima segunda-feira (24) de forma remota.

23 de janeiro de 2022

Fiocruz Amazônia realiza evento pelo mês da Visibilidade Trans

O evento reforça a necessidade de respeito ao movimento trans e a importância da promoção de cidadania entre mulheres e homens travestis e transexuais.

23 de janeiro de 2022

Roteirista da Turma da Mônica, amazonense Romahs lança obra sobre felinos

Livro “Todos os meus gatos de volta” conta uma aventura tendo como personagens as várias representações mitológicas ou religiosas de felinos em culturas de outros povos.

23 de janeiro de 2022

Novo Centro de Testagem realizou exames em mais de 10 mil pessoas

Do dia 19 de janeiro até este sábado (22), o número de exames do tipo antígeno realizados no espaço foi de 10.533, sendo 5.387 com resultados positivos e 5.146 negativos.

23 de janeiro de 2022

ANAC dá primeira autorização para entrega comercial usando drones

Empresa contemplada foi a companhia Speedbird. Poderão ser carregadas cargas de até 2,5 quilos em um raio de até 3 quilômetros. Autorização contempla áreas rurais e urbanas.

23 de janeiro de 2022

Reforço de marca diferente é mais eficaz para vacinados com CoronaVac

Voluntários em São Paulo e Salvador que receberam doses da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan, em um intervalo de seis meses antes do início do estudo.

23 de janeiro de 2022