fbpx

quinta, 30 de junho de 2022

Conservar a Amazônia é mais barato do que as áreas protegidas da Europa

Valor por hectare da conservação da Amazônia Brasileira é sete vezes menor do que manter as áreas protegidas da União Europeia conforme estudo.

18 de maio de 2022

Compartilhe

Estudo científico estima pela primeira vez os custos mínimos para a conservação da Amazônia Brasileira (Foto: Marcelo Casal/ABr)

Proteger 83% da Amazônia brasileira, o que equivale a cerca de 3,5 milhões de km², custaria entre US$ 1,7 bilhões e US$ 2,8 bilhões anuais. Para fins de comparação, este valor por hectare é sete vezes menor do que o necessário para manter áreas de conservação na União Europeia, em que países investem cerca de US$ 5,3 bilhões por ano para manter cerca de 1 milhão de hectares.

Em estudo publicado na revista “Perspectives in Ecology and Conservation” nesta quarta (18), pesquisadores da Universidade de Miami, Museu Paraense Emílio Goeldi, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Conservação Internacional do Brasil estimam, pela primeira vez, os custos mínimos para a conservação do bioma.

A pesquisa também prevê também que seriam necessários de 1 a 1,6 bilhão de dólares em investimentos iniciais para criar e estabelecer 1,3 milhões de km² de novas áreas protegidas. “Estes valores são bastante modestos quando se compara com os valores potenciais dos serviços ambientais que os ecossistemas da Amazônia brasileira prestam para o Brasil e para o mundo”, comenta José Maria Cardoso da Silva, professor da Universidade de Miami e um dos autores do artigo. Segundo os pesquisadores, esses investimentos são viáveis, tendo em vista o tamanho do orçamento federal, equivalente a 910 bilhões de dólares.

Através de dados georreferenciados de fontes oficiais, os autores realizaram o mapeamento e o cálculo de manutenção das unidades de conservação, terras indígenas, terras públicas não designadas e outras áreas prioritárias de conservação. O cálculo é baseado na estimativa dos custos de manutenção das áreas de conservação já existentes, como infraestrutura local e salário de funcionários, dos custos de criação das novas áreas de conservação, como inventários biológicos e demarcação, e dos custos de manutenção do sistema de conservação, como atividades de coordenação regional e nacional.

Segundo os autores, há uma falta de entendimento da sociedade em relação à relevância ambiental e importância econômica das áreas protegidas. Ima Vieira, pesquisadora titular do Museu Paraense Emílio Goeldi, sustenta que esta percepção não tem fundamento científico “Muitas pessoas não sabem que a legislação brasileira prevê vários tipos de áreas protegidas, incluindo reservas de desenvolvimento sustentável e reservas privadas, e que áreas protegidas, caso sejam bem implementadas, podem servir de polos de desenvolvimento em áreas mais remotas e carentes da Amazônia”, complementa a pesquisadora.

“No momento em que todos os setores da sociedade brasileira discutem um novo modelo para o desenvolvimento da Amazônia, é importante enfatizar que sem um sistema de áreas protegidas bem manejadas não pode haver bioeconomia”, comenta Fábio Scarano, professor da UFRJ, coautor do estudo. E acrescenta: “conservação e manejo irão sempre funcionar melhor com a participação das pessoas que vivem na região”.

Na análise de Silva, embora existam muitas iniciativas para conservar a Amazônia, mas todas são insuficientes para garantir a quantidade de recursos necessários para conservação a longo prazo da região. Para isso, segundo Vieira, seria preciso “mobilizar forças políticas, estratégia e liderança em um grande esforço global para fazer com que tais recursos cheguem realmente às áreas protegidas”.

Com informações da Agência Bori

Leia Mais:

Leia mais Dia a Dia

4ª dose da vacina contra Covid é liberada para público a partir dos 18 anos

A campanha de vacinação contra a Covid-19 ganha o reforço de mais 28 pontos e agora totaliza 81 locais para atender o público infantil e adulto.

30 de junho de 2022

Proibição de demarcação de terras agrava insegurança de indígenas

Casos de violência contra indígenas e ativistas, com relatos de assassinatos na Amazônia, foram relatados pelo CIMI em evento do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

30 de junho de 2022

Amazonas alerta sobre aumento de casos de Covid-19 no Amazonas

Em Manaus, o número de casos passou de 18 para 103 casos novos por dia. No interior, o aumento na média diária foi de 8 para 20 casos diários.

30 de junho de 2022

MP reúne com Sinetram e cobra solução para problemas da bilhetagem

Além do Sinetram e da Decon, foram ouvidos representantes do IMMU e da empresa Meson Amazônia, responsável pelo gerenciamento do software do sistema de bilhetagem eletrônica.

29 de junho de 2022

Defensoria lança cartilha contra violência LGBTIfóbica, neste sábado

Com a cartilha será possível aprender a diferenciar as mais variadas formas de violência a que o público é submetido diariamente, bem como aprender sobre onde buscar ajuda.

28 de junho de 2022

Governo inaugura maior PAC de Manaus para 7 mil atendimentos por Mês

Nova Unidade inaugurada por Wilson Lima no Studio 5 tem capacidade para atender mais de 7 mil pessoas por mês com serviços diversos do Estado, Prefeitura e outros órgãos.

28 de junho de 2022

Com dados escassos, estupros de LGBTQIA+ aumentam 88% em um ano

A ausência de dados também afeta a qualidade das informações na forma de distorções percentuais, pois muitos estados não têm uma rotina de monitoramento eficiente.

28 de junho de 2022

Diogo Nogueira faz, em julho, show ‘Samba de Verão’ em Manaus

O show traz um repertório com músicas inéditas como “Bota Pra Tocar Tim Maia”, “Ouro da Mina”, “Cadê?'' e sucessos como “Pé na Areia”, “Clareou” e “Sou Eu”.

28 de junho de 2022