fbpx

quarta, 17 de agosto de 2022

Psicóloga explica porque cenas de abuso sexual ‘gatilham’ quem já foi vítima

Para Tânia Pimentel, psicóloga especialista em abuso sexual infantil, 'é comum que a pessoa que foi abusada no passado se sinta culpada com relação ao que aconteceu'.

28 de julho de 2021

Compartilhe

Psicóloga indica terapia e limitação deste tipo de conteúdo (Foto: iStock)

Na última segunda-feira (26), um vídeo publicado pelo cantor Wesley Safadão no Instagram foi alvo de debate. O tema? Abuso sexual. Na imagem, várias crianças estavam reunidas em trajes de banho e brincando com água. Em determinado momento, um homem adulto abraça uma das meninas por trás e parece tocar nos seus seios, por cima do biquíni. Aparentando desconforto, ela se desvencilha e segue brincando.

Apesar de o cantor, os pais da menina e o homem envolvido negarem que se tratasse de um abuso, o assunto permaneceu entre os mais comentados do Twitter durante todo dia ontem (27). Uma parcela dos usuários criticou a postura de Safadão, que apagou as imagens e defendeu o amigo, garantindo que se trata de “uma pessoa de confiança” e dizendo que “a internet está doente”. Outra parcela, composta principalmente de mulheres, considerou que o vídeo um “gatilho”, por entenderem que o conteúdo remete a experiências que tiveram no passado.

A ex-atleta Joanna Maranhão, que sofreu abusos sexuais por parte de um treinador na infância, pediu que o vídeo não fosse reproduzido em suas redes:

Como ela, outras mulheres se sentiram mal ao verem a cena.

Gatilhos são fonte de sofrimento

De acordo com a psicóloga especialista em abuso sexual infantil Tânia Pimentel esse tipo de evento gera um trauma que só pode ser superado, em termos de sofrimento emocional, ao trauma gerado por uma guerra. “O abuso sexual em crianças e adolescentes mexe com a estrutura psíquica e gera consequências graves. É comum que a pessoa que foi abusada no passado se sinta culpada com relação ao que aconteceu. Ela pode ter a sensação de que permitiu e não fez nada depois ou de que tem menos valor que os outros — e por isso os episódios aconteceram com ela”, diz.

Quando uma cena semelhante à que foi vivida aparece em um filme, é relatada em um livro ou surge nas redes sociais, isso pode despertar um sofrimento que, até aquele momento, estava reprimido. “A pessoa imediatamente se coloca no lugar da outra e isso aumenta a sua angústia. É como se ela reeditasse uma vivência que foi muito sofrida”, explica.

No caso do vídeo postado pelo cantor, mesmo se tratando de uma gravação feita dentro de casa, com a presença de diversos outros adultos, Tânia entende os motivos pelos quais tantas pessoas que já foram vítimas de abuso se identificaram. “Não é raro encontrar abusadores que praticam os crimes em eventos sociais. Normalmente, eles são dissimulados e agem como predadores que conhecem suas presas. Agem de forma discreta para que os outros não percebam, seja simulando uma dança ou um carinho”, explica.

Nem todo gatilho é negativo

Apesar de serem fontes de sofrimento, a psicóloga não considera todos os gatilhos de traumas negativos. “Nos casos em que a pessoa nunca buscou um tratamento para aquilo que foi vivido, eles podem servir como um impulso para uma ação. Seja uma denúncia, um post nas redes sociais ou a procura de um profissional que possa ajudar a lidar com os sentimentos”, opina.

Como exemplo de como a repressão dos traumas pode ser negativa, ela cita o caso de uma paciente que guardou, durante 53 anos, o segredo de ter sido abusada sexualmente pelo pai e pelo irmão. “Aos 61 anos, ela sofria de depressão e uma série de doenças psicossomáticas. Foi somente depois de expor a ferida durante uma sessão e chorar ininterruptamente, por mais de 20 minutos, que conseguiu encontrar um caminho de melhora”.

No caso da paciente de Tânia, o gatilho foi uma novela que retratava cenas de abuso sexual na infância. “Ela contou que, sempre que uma cena desta determinada personagem estava para começar, ela saía de perto da televisão. Até que juntou forças e conseguiu encarar o problema”, diz.

Porém, se já é algo tratado em terapia, a indicação da especialista é de que o contato com esse tipo de material seja limitado. “Se os sentimentos já foram trazidos à tona, reviver demais o trauma é o mesmo que gerar uma dor desnecessária, por isso a indicação é de que se evite”.

Com informações do Universa UOL

Leia Mais:

Leia mais sobre Comportamento

10 receitas vegetarianas e veganas para você preparar no Natal e Ano Novo

Freeletics Nutrition elaborou pratos para quem quer celebrar as festas de fim de ano sem comer carne e de maneira saudável

21 de dezembro de 2021

O Boticário lança legenda para acessibilidade olfativa nas redes sociais

Iniciativa idealizada pela W3haus, a #QueCheiroTem traz descrições que ajudam a comunidade da marca a “sentir” as fragrâncias por meio das redes sociais.

20 de dezembro de 2021

Arquidiocese de Manaus divulga calendário para Natal e Ano Novo

Celebrações e missas solenes vão marcar o nascimento de Jesus, a Sagrada Família e o dia em honra de Santa Maria Mãe de Deus.

18 de dezembro de 2021

Chef de cozinha dá dicas de ceia de Natal com ingredientes amazônicos

Pirarucu à portuguesa, farofa de banana pacovã e arroz caboquinho são pratos que vão agradar a todos e por um preço bem camarada.

18 de dezembro de 2021

Presépio flutuante inicia visita às comunidades ribeirinhas hoje

A balsa irá passar em diversas comunidades da zona ribeirinha, levando brinquedos e o encanto do Natal. Nesta quinta-feira, a embarcação segue para a primeira viagem.

16 de dezembro de 2021

Ingestão de sucos pode ajudar na recuperação da ressaca pós-confras

Entre os sucos indicados estão os de abacaxi, beterraba, melancia, melão, maçã e morango, de acordo com a nutricionista.

15 de dezembro de 2021

Estudo revela desigualdades no acesso a tratamento do câncer de mama

De acordo com estudo realizado pela Fundação do Câncer, as pacientes do SUS chegam ao tratamento em estádios mais avançados do que as pacientes do setor privado.

15 de dezembro de 2021

Músico amazonense assina trilha sonora de ‘Um presente para o Natal’

Público pode conhecer o musical assinado por César Lima no espetáculo que é apresentado, diariamente, até o dia 23 de dezembro, no Teatro Amazonas, com sessões às 20h.

15 de dezembro de 2021