fbpx

sexta, 23 de julho de 2021

Glaucoma congênito é a principal causa de cegueira na infância

Bebês com história familiar de patologias oculares, histórico de doenças maternas como rubéola e outras síndromes genéticas precisam de uma avaliação oftalmológica rigorosa.

20 de julho de 2021

Compartilhe

O glaucoma pode levar à cegueira irreversível (Foto: Reprodução)

O diagnóstico precoce do glaucoma congênito é um desafio. Isso porque as manifestações clínicas são inespecíficas e podem ser diferentes, de acordo com a idade e o grau de malformação anatômica do sistema visual. Estima-se que o glaucoma congênito atinge um em cada 10 a 18 mil crianças no primeiro ano de vida.

Segundo a oftalmologista Maria Beatriz Guerios, especialista em glaucoma, a criança pode apresentar alterações visuais nos primeiros dias de vida ou ao longo da infância.

“Entre os sintomas mais comuns do glaucoma congênito estão a fotofobia (sensibilidade à luz), o lacrimejamento e o blefaroespasmo. Esse último se caracteriza pelo descontrole do ato de piscar”.

‘Há outras manifestações clínicas, como edema da córnea (inchaço), alargamento da estrutura, bem como alterações no nervo óptico e buftalmia, que é o aumento do volume do globo ocular”, comenta a especialista.

Teste do Reflexo Vermelho

No Brasil, foi instituído o Teste do Reflexo Vermelho, mais conhecido como ‘teste do olhinho’. Esse exame é realizado na maternidade. Entretanto, pode não ser suficiente para o diagnóstico precoce do glaucoma congênito.

“Por isso, recomenda-se que todos os bebês, ainda no primeiro ano de vida, sejam avaliados por um oftalmologista. Essa avaliação se torna ainda mais importante nos bebês e crianças com histórico familiar de doenças oculares hereditárias, incluindo o glaucoma”, reforça a oftalmologista.

Os bebês cujas mães tiveram doenças como rubéola, herpes, sífilis, zika, toxoplasmose e citomegalovírus durante a gestação também precisam ser encaminhados para uma rigorosa consulta oftalmológica. O outro grupo de atenção são as crianças com alterações genéticas.

Má formação

Estudos identificaram que o glaucoma primário congênito é proveniente de uma má formação embrionária, que afeta o desenvolvimento da malha trabecular. Essa estrutura é responsável pela drenagem do humor aquoso, líquido que preenche o globo ocular.

“É a correta drenagem do humor aquoso que mantém a pressão intraocular (PIO) sob controle. Quando há alguma alteração nesse processo, a PIO aumenta e isso causa danos no nervo óptico. E são esses danos que podem levar à cegueira irreversível”, explica Maria Beatriz.

Tratamento é cirúrgico

O glaucoma pode levar à cegueira irreversível. O tratamento é feito para evitar a progressão dos danos ao nervo óptico e assim prevenir os danos à visão. O principal objetivo do tratamento é manter a pressão intraocular controlada.  

O tratamento do glaucoma congênito é, basicamente, cirúrgico. “Quanto antes for tratado, melhor será o prognóstico. A técnica cirúrgica vai depender de vários fatores. Mas, em geral, o procedimento é realizado para normalizar a drenagem do humor aquoso e, com isso, evitar os danos no nervo óptico”, explica Maria Beatriz.

Pré-natal

Algumas causas pré-natais, ou seja, ligadas à gravidez, podem ser prevenidas. “É muito importante que as mulheres na idade fértil estejam com a vacina da rubéola em dia. Também é essencial, antes de engravidar, a realização de exames para detectar doenças como a sífilis, por exemplo”, comenta a especialista.  

Mas, com relação aos outros fatores de risco, com as síndromes genéticas e malformações intrauterinas, não há como preveni-los.

“O ideal é que todos os recém-nascidos sejam submetidos ao teste do olhinho na maternidade. Além disso, é de suma importância que os pediatras possam reconhecer os sinais e sintomas do glaucoma congênito para encaminhar a criança a um oftalmologista a tempo de evitar a perda da visão”, ressalta Maria Beatriz.

Prognóstico

A evolução do glaucoma congênito depende de vários fatores. Nos casos em que a detecção e o tratamento são precoces, há uma boa chance de a criança não evoluir para um quadro de cegueira.

“Por isso, a principal recomendação é procurar um oftalmologista ainda no primeiro ano de vida para uma consulta de rotina, principalmente quando há histórico familiar da doença e outros fatores de risco associados”, finaliza a oftalmologista.

Da Redação, com informações da assessoria

Leia Mais:

Leia mais sobre Comportamento

Sumaúma Shopping sorteia duas motos elétricas na campanha do Dia dos Pais

Até o dia 8 de agosto, os clientes podem trocar notas fiscais de R$ 250 por cupom de sorteio, e as chances de triplicam com a doação de 2 quilos de alimentos.

23 de julho de 2021

Amazonas recebe pela 1ª vez 18 tochas originais dos Jogos Olímpicos

O acervo faz parte do Museu do Esporte e ficará em exposição no período que vai dessa sexta (23) até 1º de agosto.

23 de julho de 2021

Público ainda quer assistir a espetáculos virtuais no pós-pandemia

Ouvir música foi a atividade mais desfrutada na web durante a pandemia, mencionada por 79% dos entrevistados. Assistir a filmes e séries e jogos eletrônicos vieram depois.

22 de julho de 2021

Série sobre os 125 anos do Teatro Amazonas traz 24 episódios

No total, vão ser exibidos 24 episódios, seis de cada tema. A campanha faz parte programação de aniversário do patrimônio histórico, celebrado em 31 de dezembro.

22 de julho de 2021

Pandemia e tecnologia transformam a relação do brasileiro com o dinheiro

Diante das orientações de distanciamento social, serviços como cashback, PIX e QR Code se popularizaram e transformaram a forma como o brasileiro se relaciona com o dinheiro.

22 de julho de 2021

Frio pode contribuir para ocorrência de infarto, dizem especialistas

Pacientes com fatores de risco estão mais vulneráveis no inverno. Especialista alerta que acompanhamento médico e controle de condições preexistentes reduzem perigos.

22 de julho de 2021

Concerto da Ovam marca volta de espetáculos no Teatro Amazonas

O palco do luxuoso Teatro Amazonas, no Centro Histórico de Manaus, estava fechado para espetáculos com a presença de público na plateia desde dezembro de 2020.

21 de julho de 2021

Brisbane, na Austrália, é escolhida como sede da Olimpíada de 2032

País se torna o 2º do mundo, depois dos EUA, a realizar os Jogos de Verão em três cidades diferentes. Depois de Tóquio 2020, Paris sediará em 2024 e Los Angeles em 2028.

21 de julho de 2021