fbpx

terça, 21 de setembro de 2021

Duhigó é a primeira mulher indígena amazonense no acervo do Masp

A obra de arte da artista visual amazonense indígena Dhuigó é a mais nova aquisição do Masp, maior museu de arte do Hemisfério Sul, com sede na cidade de São Paulo.

2 de setembro de 2021

Compartilhe

Com 16 anos de carreira artística e uma vasta produção de obras de arte inspiradas na cultura indígena, em especial, nas suas próprias memórias enraizadas no povo Tukano, sua etnia de origem, Duhigó conquistou um lugar de destaque na história da arte amazonense e brasileira ao se tornar a primeira mulher indígena amazonense a compor o renomado acervo do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), considerado o maior do país.

O Masp possui atualmente 11 mil peças artísticas e é o mais importante museu do Hemisfério Sul.

A obra de arte que garantiu a entrada de Duhigó no Masp é intitulada “Nepũ Arquepũ”, que significa, na língua Tukano, Rede Macaco.

O quadro foi produzido em Manaus em 2019, no tamanho de 185,5 x 275,5 cm, em tinta acrílica sobre madeira e narra uma cena da memória afetiva da artista Duhigó: um ritual de nascimento de um bebê do povo Tukano.

A cena pintada na obra narra, de dentro de uma maloca Tukano, o momento do parto até o descanso da mãe na Rede Macaco, que recebe os cuidados dos parentes próximos e do pajé da tribo.

A obra já é conhecida dos brasileiros, pois Dhuigó participou da Exposição itinerante VaiVém, nos Centros Culturais Banco do Brasil (CCBB) de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte entre os anos de 2019 e 2020, com curadoria de Raphael Fonseca.

Doação

Fruto da doação dos colecionadores de arte Mônica e Fábio Ulhoa Coelho, a obra de Duhigó está em exibição na sede do Masp, em São Paulo, dentro da mostra Acervo em Transformação: doações recentes, e ficará em cartaz até fevereiro de 2022.

Com curadoria de Adriano Pedrosa, diretor artístico no Masp, e Amanda Carneiro, curadora assistente na instituição, a exposição reúne 13 obras de artistas incorporadas à coleção do museu entre 2020 e 2021 e expressa o trabalho contínuo que tem sido feito com o objetivo de fortalecer a presença de mulheres no acervo.

Para Amanda Carneiro, curadora da mostra, o Masp tem como missão ser um museu diverso, inclusivo e plural e para tornar esse objetivo uma realidade é necessário incorporar ao acervo a multiplicidade da produção artística contemporânea, sobretudo brasileira. “O trabalho de Duhigó na mostra Acervo em transformação: doações recentes expressa o trabalho contínuo que tem sido realizado para fortalecer a presença indígena no museu, este é o contexto dessa doação. A extraordinária pintura Nepü Arquepü (Rede Macaco) representa um importante momento de cerimônia e celebração do nascimento de uma criança e dos laços de comunidade que se fortalecem nesse evento ímpar. Junto a outros artistas indígenas, o trabalho permite que o público visitante do museu se aproxime da variedade, amplitude e da complexidade de saberes materiais e imateriais, filosofias e visualidades dessa produção tão rica”, destacou Amanda.

Em 2019, o ciclo da programação do MASP abordava as Histórias das mulheres, histórias feministas. No biênio de 2020-21, voltado às Histórias brasileiras, o ano de 2021 é mais uma vez dedicado a elas, sendo este o contexto da exposição que Duhigó participa. Em 2023, o MASP terá sua programação dedicada às Histórias indígenas.

Palavra de Duhigó

Duhigó recebeu a notícia com muita alegria e sentimento de dever cumprido nesta importante etapa de sua carreira.

“Agradeço ao todos que estão comigo nesta vitória. O Instituto Dirson Costa onde estudei pintura, a Manaus Amazônia Galeria de Arte que me representa, todas pessoas que me apoiam desde o começo. Tive muitas dificuldades e não foi fácil. Eu tenho que agradecer muito a Mônica e Fábio que compraram minha obra e doaram para esse museu Masp, que é muito importante para outras pessoas do Brasil e do mundo conhecerem meu trabalho. Eu nem podia imaginar que isso poderia acontecer da forma que está acontecendo, uma obra de arte inspirada por mim chegar em um lugar tão importante. Eu agradeço a direção do museu. Sei que nem todos gostam das obras indígenas, mas sei que tem muita gente que gosta e está passando a gostar a partir do meu trabalho”, declarou Duhigó.

A artista apresenta em suas obras aspectos da memória e do cotidiano de etnias indígenas da Amazônia, como uma forma de preservar sua ancestralidade e garantir que as futuras gerações possam conhecer a cultura amazônica e indígena por meio da arte.

Sobre Duhigó

Duhigó (que significa “primogênita” na língua Tukano) e tem admiradores e colecionadores de sua arte no Brasil e no exterior. Nasceu na aldeia Paricachoeira, município de São Gabriel da Cachoeira, região do Alto Rio Negro, no Amazonas.

É filha de pai Tukano e mãe Dessana. Mora em Manaus desde 1995 e concluiu o curso de Pintura na Escola de Arte do Instituto Dirson Costa de Arte e Cultura da Amazônia, em 2005, tornando-se a primeira indígena da etnia Tukano a se profissionalizar nas artes visuais. É representada pela Manaus Amazônia Galeria de Arte empresa que agencia a carreira da artista no mercado nacional e internacional.

Amazonenses no Masp

Duhigó é a sétima artista amazonense a compor o panteão de artistas visuais no acervo do MASP. Antes dela vieram a primeira mulher amazonense no acervo, Branca Coutinho de Oliveira, de Parintins e um time masculino composto por Manoel Santiago, Moacir Andrade e Sebastião Barbosa, nascidos em Manaus, Hélio Melo, de Boca do Acre e Denilson Baniwa, de Barcelos.

Da Redação com informações da assessoria

Leia Mais:

Leia mais sobre Comportamento

Em Manaus, programação da 15ª Primavera dos Museus começa nesta terça

Circuito nacional e gratuito tem lançamento de exposições, visitas mediadas e virtuais a museus, apresentação de teatro, exibição de filmes, palestras e saraus.

20 de setembro de 2021

Finalista do The Voice Kids: Izabelle recebe apoio para impulsionar carreira

No próximo domingo (26), Izabelle deve contar com o apoio de toda população amazonense para conquistar votos e sagrar-se campeã do programa pelo time Gaby Amarantos.

20 de setembro de 2021

Ator Luis Gustavo, o eterno Mário Fofoca, morre aos 87 anos

Entre os personagens mais lembrados que Luis Gustavo interpretou nas novelas destacam-se o detetive Mário Fofoca, Beto Rockfeller e o costureiro Victor Valentim.

20 de setembro de 2021

Aquecimento global: Ondas de calor podem afetar 70% da população

Aquecimento global pode afetar a produção agrícola, que tende a cair 30% sem redução de emissões até 2030.

19 de setembro de 2021

Estudo aponta que em 30 anos desmatamento destruiu 20% da Amazônia

Especialistas defendem que há potencial para desenvolver negócios na Amazônia ao aliar desenvolvimento econômico com conservação da floresta em pé.

17 de setembro de 2021

GACC-AM coordena campanha de sensibilização contra o câncer infantojuvenil

A entidade realizará ações de distribuição de folhetos informativos sobre diagnóstico precoce e atividades interativas com cerca de 30 crianças em tratamento no Hemoam.

17 de setembro de 2021

Em setembro, Casa Vhida realiza mais uma edição da Feijoada no Pote

A Feijoada ocorre em sistema de drive-thru (o cliente recebe os itens no carro), evitando possíveis aglomerações e garantindo maior segurança a quem comparecer no evento.

17 de setembro de 2021

Parque do Mindu tem eventos para todos os públicos neste sábado

Esporte, bem-estar, ações de meio ambiente e interação com a natureza são algumas atividades que o público pode fazer no sábado (18) se for visitar o Parque do Mindu.

17 de setembro de 2021