fbpx

quinta, 07 de julho de 2022

Diretora da OMS diz que mundo está entrando em quarta onda de covid-19

Segundo Mariângela Simão, o vírus continua evoluindo com variantes mais transmissíveis. Mas em razão da vacinação houve uma dissociação entre casos e mortes.

23 de novembro de 2021

Compartilhe

Vírus continua evoluindo com variantes mais transmissíveis, afirma (Foto: Reuters)

O mundo está entrando em uma quarta onda da pandemia do novo coronavírus. A avaliação é da diretora-geral adjunta de acesso a medicamentos e produtos farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS), a brasileira Mariângela Simão. Ela abordou a situação da pandemia em conferência na abertura no Congresso Brasileiro de Epidemiologia.

“Estamos vendo a ressurgência de casos de covid-19 na Europa. Tivemos nas últimas 24 horas mais de 440 mil novos casos confirmados. E isso que há subnotificação em vários continentes. O mundo está entrando em uma quarta onda, mas as regiões têm tido um comportamento diferente em relação à pandemia”, declarou Mariângela Simão.

Segundo ela, o vírus continua evoluindo com variantes mais transmissíveis. Mas em razão da vacinação houve uma dissociação entre casos e mortes, pelo fato da vacinação ter reduzido os óbitos decorrentes da covid-19. Ela lembrou que a imunização reduz as hospitalizações mas não interrompe a transmissão.

A diretora avaliou que os novos picos na Europa se devem à abertura e flexibilização das medidas de distanciamento no verão, além do uso inconsistente de medidas de prevenção em países e regiões.

“O aumento da cobertura vacinal não influencia na higiene pessoal, mas tem associação com diminuição do uso de máscaras e distanciamento social. Além disso, há desinformação, mensagens contraditórias que são responsáveis por matar pessoas”, pontuou a diretora-geral adjunta da OMS.

Um problema grave, acrescentou, é a desigualdade no acesso às vacinas no mundo. “Foram aplicadas mais de 7,5 bilhões de doses. Em países de baixa renda, há menos de 5% das pessoas com pelo menos uma dose. Um dos fatores foi o fato de os produtores terem feito acordos bilaterais com países de alta renda e não estarem privilegiando vacinas para países de baixa renda”, analisou.

Outro obstáculo é a concentração em poucos países que dominam tecnologias utilizadas para a produção de vacinas, como o emprego do RNA mensageiro, como no caso do imunizante da Pfizer-BioNTech.

Mariângela Simão considera que o futuro da pandemia depende de uma série de fatores. O primeiro é a imunidade populacional, resultante da vacinação e da imunização natural. O segundo é o acesso a medicamentos. O terceiro é como irão se comportar as variantes de preocupação e do quão transmissíveis elas serão.

O quarto é a adoção de medidas sociais de saúde pública e a aderência da população a essas políticas. “Onde medidas de saúde pública são usadas de forma inconsistente os surtos continuarão a ocorrer em populações suscetíveis”, projetou.

A diretora da OMS defendeu que além das medidas de prevenção é preciso assegurar a equidade no acesso a vacinas, terapias e testagens. “É vacinas, mas não somente vacinas”, resumiu.

Américas e Brasil

Ao avaliar a situação das Américas e do Brasil, Mariângela Simão afirmou que as Américas vêm tendo um comportamento de transmissão comunitária continuada, com ondas repetidas.

Quanto ao Brasil, ela avaliou que o programa de vacinação está andando bem. Mas, a partir da situação na Europa, se mostrou receosa com o futuro da pandemia de Covid-19 no Brasil pelas discussões em curso sobre o carnaval.

“Me preocupa quando vejo no Brasil a discussão sobre o Carnaval. É uma condição extremamente propícia para aumento da transmissão comunitária. Precisamos planejar as ações para 2022”, alertou.

O Congresso Brasileiro de Epidemiologia teve início nesta segunda-feira (22) e irá até a sexta-feira (26). O evento é uma promoção da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e contará com diversas palestras, debates e apresentações de trabalhos científicos. Mais informações podem ser obtidas neste link.

Fonte: Agência Brasil

Leia Mais:

Leia mais sobre Comportamento

10 receitas vegetarianas e veganas para você preparar no Natal e Ano Novo

Freeletics Nutrition elaborou pratos para quem quer celebrar as festas de fim de ano sem comer carne e de maneira saudável

21 de dezembro de 2021

O Boticário lança legenda para acessibilidade olfativa nas redes sociais

Iniciativa idealizada pela W3haus, a #QueCheiroTem traz descrições que ajudam a comunidade da marca a “sentir” as fragrâncias por meio das redes sociais.

20 de dezembro de 2021

Arquidiocese de Manaus divulga calendário para Natal e Ano Novo

Celebrações e missas solenes vão marcar o nascimento de Jesus, a Sagrada Família e o dia em honra de Santa Maria Mãe de Deus.

18 de dezembro de 2021

Chef de cozinha dá dicas de ceia de Natal com ingredientes amazônicos

Pirarucu à portuguesa, farofa de banana pacovã e arroz caboquinho são pratos que vão agradar a todos e por um preço bem camarada.

18 de dezembro de 2021

Presépio flutuante inicia visita às comunidades ribeirinhas hoje

A balsa irá passar em diversas comunidades da zona ribeirinha, levando brinquedos e o encanto do Natal. Nesta quinta-feira, a embarcação segue para a primeira viagem.

16 de dezembro de 2021

Ingestão de sucos pode ajudar na recuperação da ressaca pós-confras

Entre os sucos indicados estão os de abacaxi, beterraba, melancia, melão, maçã e morango, de acordo com a nutricionista.

15 de dezembro de 2021

Estudo revela desigualdades no acesso a tratamento do câncer de mama

De acordo com estudo realizado pela Fundação do Câncer, as pacientes do SUS chegam ao tratamento em estádios mais avançados do que as pacientes do setor privado.

15 de dezembro de 2021

Músico amazonense assina trilha sonora de ‘Um presente para o Natal’

Público pode conhecer o musical assinado por César Lima no espetáculo que é apresentado, diariamente, até o dia 23 de dezembro, no Teatro Amazonas, com sessões às 20h.

15 de dezembro de 2021