segunda-feira, 24 de junho de 2024

faça parte da Comunidade RT1

NEGOCIADOR

Com dedo de Lula, Omar Aziz vai presidir CPI da Braskem

Sob as bênçãos do presidente Lula, Senado instala CPI da Braskem e Omar Aziz é eleito presidente da investigação
COMPARTILHE
Senador Omar Aziz na CPI da Braskem
(Foto: Divulgação)

Um dia após lideranças alagoanas fumarem o cachimbo da paz sob as bênçãos do presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT), o Senado instalou, nesta quarta-feira (13), a Comissão Parlamentar de Inquérito da Braskem e os integrantes elegeram o senador Omar Aziz (PSD) para a presidência.

A instalação da CPI para investigar a empresa responsável pela exploração de sal-gema que está causando afundamento de metade de Maceió passou por intrincadas articulações políticas.

As conversas envolveram o senador Renan Calheiros (MDB/AL), um dos principais aliados de Lula, e o presidente da Câmara Federal, Arthur Lira (PP/AL), um adversário de Renan na política de Alagoas.

Um outro problema para a instalação da CPI da Braskem é que a mineradora tem entre seus proprietários a Petrobras, empresa que cujos negócios é escrutinado com lupa pela oposição desde a Operação Lava Jato.

Com todos estes fatores em jogo, a indicação de Omar Aziz foi considerada pelo Planalto um “tiro de segurança”, pois o senador pelo Amazonas é considerado um aliado de primeira e que poderá colocar a investigação num rumo seguro para as partes envolvidas.

Receba notícias do RT1 em primeira mão
quero receber no Whataspp
Quero receber no Facebook
Quero receber no Instagram

Pesou a favor de Omar também o fato de ser um bom articulador e ter capacidade de dialogar e unificar os interesses divergentes de Renan Calheiros, que é aliado do governador de Alagoas, Paulo Dantas (MDB), e Arthur Lira, cuja aliança em Maceió é com o prefeito João Henrique Caldas (PL).

A Braskem assinou um acordo com a prefeitura de João Henrique para o pagamento de indenizações a mais de 14 mil famílias da capital alagoana, mas não consultou Paulo Dantas. O acordo é contestado pelo governador no Supremo Tribunal Federal e alvo de críticas de Renan Calheiros.

Neste cenário conturbado da política alagoana que Omar Aziz terá que se movimentar tendo como vice dele na CPI, o explosivo senador Jorge Kajuru (PSB).

O RealTime1 tentou ouvir Omar por meio de sua assessoria, mas ainda não recebeu resposta sobre o encaminhamento dos trabalhos, que deverão começar em fevereiro de 2024 e seguirá por 120 dias e a um custo de R$ 120 mil.

A CPI terá onze membros titulares e 11 suplentes, mas na sessão desta quarta-feira empacou na escolha do relator. Tradicionalmente o autor do requerimento de investigação é escolhido para ser presidente ou relator dos trabalhos.

Com Omar na presidência, o cargo de relator deveria ir para Renan Calheiros, que pediu a investigação, mas isso ficou para ser discutido em fevereiro. O relator não é eleito, mas escolhido pelo presidente após ouvir o colegiado.

Braskem causou dano ambiental em Maceió

A extração do mineral sal-gema ocorre desde os anos 1970 nos arredores da Lagoa Mundaú, na capital alagoana. Desde 2018, os bairros Pinheiro, Mutange, Bom Parto, entre outros que ficam próximos às operações, vêm registrando danos estruturais em ruas e edifícios, com afundamento do solo e crateras.

Mais de 14 mil imóveis foram afetados e condenados e os casos já forçaram a remoção de cerca de 55 mil pessoas da região. As atividades de extração foram encerradas em 2019, mas os danos podem levar anos para se estabilizarem.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), estudos do Serviço Geológico do Brasil (SGB/CPRM) concluíram que a Braskem foi a responsável pelos danos ocorridos desde 2018. O MPF atua em quatro processos judiciais relacionados ao caso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COMPARTILHE