fbpx

sexta, 05 de maro de 2021

Técnicos da Anvisa aprovam uso emergencial da CoronaVac

Recomendação está sendo analisada pelos diretores do órgão, que poderão aprovar ou rejeitar a vacinação em caráter emergencial antes de sair a autorização definitiva.

17 de janeiro de 2021

Compartilhe

Gerente da Anvisa informou que a área técnica confirmou a eficácia da CoronaVac (Foto: Reprodução)

O uso emergencial da CoronaVac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, recebeu o aval da área técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A recomendação está sendo analisada em reunião pelos diretores do órgão, que poderão aprovar ou rejeitar a vacinação em caráter emergencial antes de sair a autorização definitiva.

“A recomendação como área técnica é que, tendo em vista o cenário da pandemia, o aumento do número de casos, a ausência de alternativas terapêuticas, que é uma situação de muita tensão quanto aos insumos, a agência recomenda a aprovação do uso emergencial, condicionada ao monitoramento e acompanhamento próximo das incertezas”, disse o gerente de Medicamentos da Anvisa, Gustavo Mendes.

Na apresentação, o gerente da Anvisa informou que a área técnica confirmou a eficácia da CoronaVac.

A taxa de sucesso na prevenção da doença em relação ao grupo que tomou placebo (medicamento inócuo) atingiu 50,39%. Na semana passada, o Butantan tinha divulgado uma eficácia de 50,38%. O índice está acima da eficácia mínima de 50% exigida pela Anvisa e recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Acompanhamento

Segundo a área técnica da Anvisa, apesar da recomendação do uso emergencial, existem incertezas que deverão ser acompanhadas de perto pelo órgão. Os técnicos destacaram a duração da imunização, efeitos em idosos e em grupos específicos e eficácia em pessoas que tiveram a doença. A Anvisa também informou que aguarda as informações sobre os anticorpos gerados na Fase 3 do estudo.

Além da CoronaVac, a diretoria da Anvisa analisa o uso emergencial da vacina de Oxford, desenvolvida pela AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, com acordo para ser fabricada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). No momento, a área técnica ainda faz a apresentação. Em seguida, a relatora do tema, diretora Meiruze Freitas lerá seu voto, com os outros quatro diretores da agência votando depois.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Brasil

Pandemia: Senado Federal vai ter sessões exclusivamente virtuais

Aumento nos casos de mortes por Covid-19 levou o Senado Federal a optar apenas por sessões virtuais. As comissões também devem ser remotas.

4 de março de 2021

Atividade econômica cresce no Norte e Centro-Oeste, diz estudo

Impulsionada por programas de recomposição da renda, atividade econômica do Norte cresce no período, assim como no Centro-Oeste, informa BC.

4 de março de 2021

Fraudes ao auxílio emergencial têm ação da Federal em 7 estados

Federais cumprem 28 mandados de busca e apreensão e 7 mandados de sequestro de bens na busca de provas de fraudes ao auxílio emergencial.

4 de março de 2021

Governo negocia para compra de vacinas da Pfizer, Janssen e Gamaleya

O Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou que as negociações estão avançando durante reunião com a Confederação Nacional de Municípios (CNM).

3 de março de 2021

Mais de 600 prefeituras aderem a consórcio para compra de vacinas

O consórcio liderado pela Federação Nacional dos Prefeitos para compra de vacinas já tem a adesão de 649 municípios até esta quarta-feira.

3 de março de 2021

Mulheres vulneráveis vão ter prioridade em programas sociais

Projeto de lei determina que programas sociais de qualificação profissional promovidos com recursos federais priorizem mulheres vulneráveis.

3 de março de 2021

Federal faz busca contra fraudes no Tribunal de Contas do Tocantins

Com nome de Esopo 267, operação faz busca e apreensão contra fraudes no Tribunal de Contas de Tocantins. Prejuízo é de R$ 4 milhões.

3 de março de 2021

Membros do conselho de administração da Petrobras anunciam saída

Os 4 membros do conselho de administração da Petrobras que anunciaram saída representam o governo federal, acionista controlador da estatal.

3 de março de 2021