fbpx

terça, 15 de junho de 2021

TCU defende sistema integrado de dados contra fraudes em benefícios

Medida visa a um maior controle sobre a remuneração e proventos pagos a ocupantes de cargos públicos, pensões de segurados dos regimes de Previdência Social geral e próprios.

10 de junho de 2021

Compartilhe

Objetivo é ter maior controle da remuneração dos ocupantes de cargos (Foto: Reprodução)

Técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) defenderam, nesta quinta-feira (10), na Câmara dos Deputados, a importância de a União instituir um sistema capaz de integrar as informações sobre remuneração e benefícios recebidos por trabalhadores da iniciativa privada, servidores públicos, aposentados, pensionistas e beneficiários de programas assistenciais.

A organização destas informações a nível federal está prevista na Emenda Constitucional nº 103, de novembro de 2019. Em seu Artigo 12º, a emenda estabelece que compete à União criar uma base de dados capaz de reunir as informações fornecidas pelos entes federativos (União, estados, Distrito Federal e municípios), bem como pelos órgãos públicos responsáveis pela gestão de proventos, pensões e benefícios assistenciais.

A medida visa a um maior controle sobre a remuneração e proventos pagos a ocupantes de cargos públicos, pensões de segurados dos regimes de Previdência Social geral e próprios, incluindo militares, e benefícios sociais das três esferas (federal, estadual e municipal).

Para os técnicos do TCU convidados a participar da reunião que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados realizou esta manhã, o sistema também ajudaria a evitar pagamentos indevidos de benefícios como o auxílio emergencial criado para ajudar a quem teve a renda comprometida pelos efeitos econômicos da pandemia da Covid-19.

Números

Comparando as estimativas iniciais de pessoas que cumpriam os requisitos legais para receber o auxílio emergencial com a quantidade de benefícios pagos até agosto de 2020 (quando ajustes foram feitos no programa), o TCU identificou que cerca de 7,3 milhões de pessoas chegaram a receber ao menos uma parcela da ajuda federal indevidamente. Além disso, 6,4 milhões de mães solteiras receberam em dobro o valor do auxílio sem fazer jus.

Uma vez constatados esses e outros problemas, 3,7 milhões de benefícios foram cancelados ao longo do ano passado. Ainda assim, o TCU estima que cerca de R$ 45,8 bilhões foram liberados indevidamente.

Parte disso, para servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada cujo vínculo empregatício e faixa de rendimentos poderiam ter sido verificados se o país contasse com o sistema previsto na Emenda Constitucional nº 103.

“Infelizmente, não temos esta base de dados sistematizada no âmbito federal”, disse o coordenador-geral de Controle Externo da Área Econômica e das Contas Públicas do TCU, Tiago Alves de Gouveia Dutra, ao comentar a dificuldade de os órgãos de controle verificarem se os beneficiários preenchem todos os requisitos legais necessários, principalmente no tocante à renda.

“Temos muitos problemas de falsidade documental e ideológica em programas sociais. É difícil identificar a composição familiar e a autodeclaração de renda é uma questão que exige a qualificação da base de dados governamentais […] Um sistema integrado de dados seria fundamental para garantir que as políticas públicas beneficiassem as pessoas que realmente precisam delas – o que é importante para garantir a efetividade e a sustentabilidade da política”, acrescentou Dutra.

Acompanhamento

Já o secretário de Controle Externo da Previdência, Assistência e Trabalho do TCU, João Ricardo Pereira, enfatizou que a base de dados integrada também facilitaria o acompanhamento da situação socioeconômica dos beneficiários regularmente inscritos nos programas.

“Ao longo do tempo, centenas de milhares se tornam inelegíveis [a receber um benefício assistencial]. Seja porque conseguem um emprego formal, seja porque obtêm outros benefícios, como o seguro-desemprego, ou até mesmo porque vêm a óbito […] É necessário integrar as bases de dados, pois, às vezes, até mesmo o TCU, que tem mandado legal para requisitar informações, enfrenta dificuldades burocráticas para obtê-las”, acrescentou Pereira.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais:

Leia mais sobre Brasil

Pesquisa aponta inacessibilidade de sites culturais

Segundo pesquisa realizada pelo Centro Cultural Banco do Brasil, a ausência de ferramentas de acessibilidade para sites culturais afasta o público portador de deficiência.

15 de junho de 2021

Corte de energia elétrica é suspenso pela Aneel por mais três meses

Famílias de baixa renda, cadastradas no CadÚnico do governo federal, não poderão ter o serviço suspenso por falta de pagamento. A medida beneficia 12 milhões de famílias.

15 de junho de 2021

Quatro em dez alunos pensaram em parar os estudos devido à pandemia

A pesquisa ouviu 68.144 jovens de todo o país. Mais da metade (56%) dos jovens de 15 a 29 anos consultados interromperam seus cursos durante a pandemia.

15 de junho de 2021

Sistema penitenciário é “tragédia humanitária”, diz Gilmar Mendes

A Segunda Turma do STF discute o descumprimento de medida que concedeu prisão domiciliar a todos os detentos que são pais ou responsáveis por crianças menores de 12 anos.

15 de junho de 2021

Aumentam casos de violência contra pessoas idosas no Brasil

Assistente social diz que Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, que ocorre hoje (15), deve servir de alerta e de visibilidade sobre o tema.

15 de junho de 2021

Ministério autoriza envio da Força Nacional para reserva Yanomami

Agentes da tropa federal ficaram na capital de Roraima, Boa Vista, por pelo menos 90 dias. Por segurança, o número de agentes deslocado não foi informado.

14 de junho de 2021

MPF busca na Justiça escolta à indígenas após ataque na divisa entre Pará e Amazonas

O ônibus com 72 lideranças indígenas do povo Munduruku foi alvo de tiros de garimpeiros ilegais, enquanto saiam do município de Jacareacanga em busca de ajuda em Brasília.

13 de junho de 2021

Fraudes no Auxílio Emergencial desviaram R$ 54,7 bi para quem não precisava

A falta de um banco de dados com as informações dos brasileiros permitiu fraudes na concessão do benefício. Ao menos 3,7 milhões foram cancelados, diz TCU.

13 de junho de 2021