fbpx

sábado, 27 de fevereiro de 2021

Pfizer não aceita exigências de Bolsonaro sobre venda das vacinas

A Pfizer quer que o governo se responsabilize pelas demandas judiciais que possam ocorrer devido os efeitos da vacina. Isso, caso a Anvisa conceda o uso emergencial.

22 de fevereiro de 2021

Compartilhe

No mundo, 69 países já compraram a vacina da farmacêutica norte-americana (Foto: Reprodução)

A farmaceutica Pfizer disse que não concorda com as exigências do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a venda dos imunizantes no país. A afirmação foi feita durante uma reunião com o presidente do senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

A Pfizer quer que o governo se responsabilize pelas demandas judiciais que possam ocorrer devido aos efeitos da vacina. Isso, caso a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) conceda o uso emergencial e temporário do imunizante.

Ainda segundo o órgão, as cláusulas defendidas não são exclusivas e existem em várias outras empresas, seguindo um padrão internacional.

Mas Bolsonaro não aceitou e atacou as condições propostas e, por isso, as negociações com a farmacêutica pararam. Agora cabe aos parlamentares ajudar a contornar a situação, dialogando com o presidente.

Vale destacar que na América Latina, apenas o Brasil, a Venezuela e a Argentina não teriam aceitado as regras. O Chile, por exemplo, assinou contrato e recebeu, em dezembro, milhares de doses da Pfizer, que já estão sendo aplicadas em sua população.

No mundo, 69 países já compraram a vacina da farmacêutica norte-americana, desenvolvida em parceria com a alemã BioNTech.

Da Redação, com informações do Valor Globo

Leia mais:

Leia mais sobre Brasil

Suspensão de benefícios volta a ocorrer com calendário da Previdência

Prova de vida tem calendário divulgado pelo INSS e, a partir de maio, será retomada a suspensão de benefícios para quem não a efetivar.

26 de fevereiro de 2021

Presidente do Instituto de Pesquisas Educacionais é exonerado

Ainda não foi anunciado o nome de quem substituirá Alexandre Lopes. Nesta semana, o ex-presidente do Inep definira o cronograma para 2021.

26 de fevereiro de 2021

População desocupada no país cai, e atinge 13,9 milhões de pessoas

No patamar de 13,9% a taxa de desocupação do Brasil no último trimestre de 2020 está acima do média para o exercício de 2020, informa o IBGE.

26 de fevereiro de 2021

Clima econômico está melhor no país neste 1º trimestre, diz FGV

No nível de 72,3 pontos, o Indicador Clima Econômico, da Fundação Getulio Vargas, está abaixo da média brasileira que é de 77,8 em dez anos.

26 de fevereiro de 2021

Plenário do Senado deve analisar PEC Emergencial nesta quinta-feira

Apesar de constar na pauta, a votação da matéria ainda depende de entendimentos entre os líderes. PEC prevê retomada do pagamento de auxílio emergencial entre outras medidas.

25 de fevereiro de 2021

Prorrogada MP que isenta consumidores de pagar energia no Amapá

Em novembro de 2020, o Amapá enfrentou apagão e uma crise no fornecimento de energia elétrica, causada por incêndio em subestação local.

25 de fevereiro de 2021

Com recolhimento de R$ 180 bilhões, arrecadação federal cai 1,5%

O recolhimento de tributos federais, no mês de janeiro, atingiu R$ 180 bilhões e o Imposto de Importação e o IPI tiveram crescimento de 20%.

25 de fevereiro de 2021

Pagamentos irregulares do auxílio emergencial somam R$ 54 bilhões

De R$ 293 bilhões pagos a título de auxílio emergencial, o TCU aponta que mais de 18% foram pagamentos indevidos a 7 milhões de pessoas.

25 de fevereiro de 2021