fbpx

domingo, 28 de novembro de 2021

Pesquisa aponta inacessibilidade de sites culturais

Segundo pesquisa realizada pelo Centro Cultural Banco do Brasil, a ausência de ferramentas de acessibilidade para sites culturais afasta o público portador de deficiência.

15 de junho de 2021

Compartilhe

Entrevistados dizem que falta de ferramentas reduz consumo de conteúdo (Foto: Agência Brasil)

Oito em cada dez pessoas com deficiência (85,9%) acessariam conteúdos culturais com mais frequência se fosse mais fácil e acessível navegar por sites sobre o assunto. Isso é o que apontou uma pesquisa de opinião sobre o acesso à arte e à cultura no ambiente digital feita pelo Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). A pesquisa foi apresentada ontem (14) no seminário online Encontros CCBB sobre Acessibilidade Digital.

“Temos 86% das pessoas dizendo que, se fosse mais fácil navegar, com os recursos que são necessários para essa pessoa poder interagir, com certeza ela consumiria mais. E leia-se, por consumir, o consumo de informação, de experiência, de produto”, disse Simone Freire, idealizadora do Movimento Web para Todos, durante o seminário.

A Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência, de 2005, tornou obrigatória a acessibilidade nos sites da internet do Brasil. Entre esses recursos que devem ser utilizados estão, por exemplo, a presença de janela com intérprete de Libras e audiodescrição. A Lei da Inclusão também estabelece que a pessoa com deficiência tem direito à cultura e que programas de televisão, cinema, teatro e outras atividades culturais e desportivas devem possuir formato acessível.

Mas, na prática, nem todo conteúdo cultural é acessível. E isso tem sido observado também quando se pensa na disponibilização de conteúdos culturais pela internet. Apesar de ser crescente o interesse da população com deficiência a conteúdos culturais na internet, muitos sites, aplicativos e portais ainda não são acessíveis. Ou não estão suficientemente acessíveis, atendendo a apenas uma parcela das pessoas com deficiência.

“Muitos sites, inclusive ligados à produção cultural, podem ser acessíveis, mas para uma determinada deficiência. Por exemplo, há sites com descrição de imagem. Mas não tem, por exemplo, intérprete de Libras fazendo a tradução. A verdade é que são raríssimos os sites de produção cultural que estão adequados”, disse Simone Freire.

“De fato, isso é uma realidade. Muitos poucos espaços culturais investem em acessibilidade na web, seja para seus sites, seus aplicativos ou suas redes sociais”, concordou Viviane Sarraf, especialista em museologia e acessibilidade cultural, fundadora da Museus Acessíveis e criadora da Rede de Informação de Acessibilidade em Museus (Rinam).

O jornalista Fernando Campos, do canal Na Visão do Cego, conhece essas dificuldades. “Os produtores culturais e a sociedade em si não pensam que a pessoa com deficiência vai consumir conteúdo cultural”, disse ele. “Eu vivo direto isso: vou entrar em algum site para pesquisar alguma coisa, abrem-se janelas pop-up [janelas que se abrem automaticamente na tela ao se abrir algum site, geralmente com conteúdo de propaganda] e eu fico preso [nesse site]. Meu leitor de tela não sinaliza onde eu posso sair. E lá eu fico. Isso acontece direto comigo”, alertou.

Além dos pop-ups, Campos lembrou outro problema: as plataformas de streaming. “Consumo muito pouco filmes e séries porque as plataformas de streaming também são inacessíveis. Algumas já contam com audiodescrição, mas ainda é um conteúdo limitado. Está melhorando, mas ainda precisa avançar bastante”, destacou ele.

A pesquisa

A pesquisa online do CCBB foi feita com 256 pessoas de todo o país, com diversos tipos de deficiência, entre os dias 28 de abril e 1o de junho. Desse total de pessoas entrevistadas, 88,3% disseram que costumam acessar conteúdos culturais por meio virtual, principalmente utilizando celular (61,6%).

Para 27% dessas pessoas, a navegação e acessibilidade desses sites culturais são ruins. Outros 8,6% consideram a navegação e o acesso a esses conteúdos péssimos. Apenas 5,5% consideram ótima a navegação por sites de conteúdo cultural.

Os sites que essas pessoas consideram mais fáceis de navegar são os de notícias. Essa foi a resposta de metade dos entrevistados (51,2%). Em seguida aparecem os sites de educação (16,8%), as lojas virtuais (12,1%), sites de bancos (6,3%), sites governamentais (5,5%) e sites de serviços de saúde (0,8%). “Isso não quer dizer que os sites de notícias estão acessíveis. Não existe site de notícias acessível no país, que abarque a maior parte das deficiências. Mas ele é mais fácil de navegar porque tem basicamente texto e imagem e, eventualmente, vídeos. O acesso à informação é muito simples, muito básico. Mas eles não são navegáveis pelo teclado, não tem descrição de imagem, não tem intérpretes de libras. Mas eles são os menos piores a se navegar”, explicou Simone.

A pesquisa mostrou ainda que, durante a pandemia do novo coronavírus, 72% dos entrevistados usaram a internet com mais frequência em busca de conteúdos culturais.

Fonte: Agência Brasil

Leia Mais:

Leia mais sobre Brasil

Covid-19: Brasil proíbe voos vindos da África devido variante Ômicron

A Anvisa recomendou ao governo que restrinja os voos e viajantes de países do sul do continente africano, entre eles a África do Sul.

27 de novembro de 2021

Anvisa recomenda restrições de voo diante de nova variante de covid-19

A Anvisa quer restringir a entrada de viajantes de voos vindos países do continente Africano por conta do surgimento da variante B.1.1.529.

26 de novembro de 2021

Ministério da Saúde recomenda dose de reforço da vacina Janssen

Intervalo para receber a dose de reforço deste imunizante deve ser de dois a seis meses. Cerca de quatro milhões de brasileiros receberam a vacina da Janssen.

26 de novembro de 2021

Vítimas em acidente com Marília Mendonça morreram pelo impacto

Instituto Médico Legal de Belo Horizonte concluiu que as vítimas morreram por politraumatismo contuso, em decorrência do impacto sofrido com a queda da aeronave.

26 de novembro de 2021

99 dará R$ 2 milhões em prêmios na campanha Direção Premiada

Motorista pode acumular, no máximo, cinco números e concorrer a um prêmio semanal de R$ 10 mil e outro de R$ 30 mil e aos prêmios de R$ 150 mil e R$ 300 mil no sorteio final.

26 de novembro de 2021

Anvisa recomenda ao governo exigência de vacina para entrada no Brasil

A agência diz que a medida pode dificultar que o Brasil se torne um destino para não vacinados. Sem a exigência, os não imunizados podem trazer mais riscos aos brasileiros.

25 de novembro de 2021

IBGE indica que expectativa de vida no Brasil subiu para 76,8 anos

Para os nascidos em 2019, a expectativa era viver, em média, 76,6 anos. Em cinco anos, expectativa de vida subiu 1,3 ano, enquanto em dez anos houve crescimento de 3,3 anos.

25 de novembro de 2021

Anvisa aprova dose de reforço da Pfizer para pessoas de 18 anos ou mais

A Pfizer ainda firmou um termo de compromisso com a agência para apresentar dados complementares solicitados pela Anvisa.

25 de novembro de 2021