fbpx

terça, 15 de junho de 2021

Pela primeira vez, travestis sofrem mais mortes violentas que gays no país

Números também são refletidos no governo e na democracia. Recentemente, a vereadora mais votada em Niterói, a trans Benny Briolli (Psol), saiu do país por sofrer ameaças.

16 de maio de 2021

Compartilhe

Em 2019, STF equiparou casos de transfobia ao crime de racismo (Foto: Divulgação/Câmara)

Pela primeira vez, as travestis ultrapassaram os gays em número de mortes violentas no Brasil. Em 2020, foram 161 travestis e trans (70%) vítimas da homotransfobia. Ao todo, 237 pessoas LGBT+ (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) morreram de forma violenta – 224 homicídios (94,5%) e 13 suicídios (5,5%). Os dados são do Relatório Anual de Mortes Violentas de LGBT no Brasil, realizado há 41 anos pelo o Grupo Gay da Bahia (GGB). Esta é a única pesquisa nacional que inclui todos os segmentos dessa comunidade.

Os números também são refletidos no governo e no exercício da democracia. Recentemente, a vereadora mais votada no município do Niterói (RJ), a carioca trans Benny Briolli (Psol), saiu do país por sofrer ameaças à sua integridade física. O exílio se deu por decisão do partido, após seguidas ameaças à vereadora não terem sido respondidas adequadamente por autoridades responsáveis, segundo afirma o gabinete da parlamentar.

Outros parlamentares têm sofrido perseguição política e discurso de ódio por orientação sexual e outras discriminações. Em 2019, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, equiparar a homofobia e a transfobia ao crime de racismo,que prevê pena de até cinco anos de reclusão.

Porém, apesar dos números serem elevados, observou-se em 2020 a redução das mortes violentas de pessoas LGBT+: de 329 para 237, decréscimo de 28%. O ano recorde foi 2017, com 445 mortes, seguido de 2018 com 420, baixando para 329 mortes em 2019 e agora 237 em 2020. O relatório não tem explicação sociológica para esse fenômeno.

Segundo o professor Luiz Mott, fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB), não é a primeira vez que há redução do número de mortes de um ano para outro sem previsão. “Por exemplo: em 1991 registrou-se uma queda de 153 para 83 em relação ao ano anterior (45%), oscilação sem nenhuma causa detectável”, diz o documento.

Para o docente, a explicação mais plausível para a diminuição do número total de mortes violentas de LGBT em comparação com o ano anterior se deve ao “persistente discurso homofóbico do presidente da República” e sobretudo “às mensagens aterrorizantes dos apoiadores do governo nas redes sociais no dia a dia, levando o segmento LGBT a se acautelar mais”.

Para manter o número de mortes decaindo, Grupo Gay da Bahia (GGB) recomenda, dentre outras medidas, a urgência de ações governamentais com vistas a reverter o quadro atual de violência e discriminação contra homossexuais, bissexuais e transexuais no Brasil; educação sexual e de gênero em todos os níveis escolares para ensinar jovens e população em geral o respeito aos direitos humanos e cidadania da população LGBT; e a investigação e punição dos crimes homotransfóbicos.

Fonte: Congresso em Foco

Leia Mais:

Leia mais sobre Brasil

Ministério autoriza envio da Força Nacional para reserva Yanomami

Agentes da tropa federal ficaram na capital de Roraima, Boa Vista, por pelo menos 90 dias. Por segurança, o número de agentes deslocado não foi informado.

14 de junho de 2021

MPF busca na Justiça escolta à indígenas após ataque na divisa entre Pará e Amazonas

O ônibus com 72 lideranças indígenas do povo Munduruku foi alvo de tiros de garimpeiros ilegais, enquanto saiam do município de Jacareacanga em busca de ajuda em Brasília.

13 de junho de 2021

Fraudes no Auxílio Emergencial desviaram R$ 54,7 bi para quem não precisava

A falta de um banco de dados com as informações dos brasileiros permitiu fraudes na concessão do benefício. Ao menos 3,7 milhões foram cancelados, diz TCU.

13 de junho de 2021

Risco de racionamento de energia elétrica acende alerta e Ministério pede estudos

O governo federal prepara uma medida provisória para programar uma possível adoção de um programa de racionamento de energia no país devido a falta de chuvas no Sudeste.

13 de junho de 2021

Governo determina redução de vazão de água em usinas no rio Paraná

Usinas hidrelétricas devem começar estudos para efetivar a diminuição a partir de 1º de julho. A medida busca evitar possíveis apagões por causa da seca.

12 de junho de 2021

Robô chinês registra novas imagens de Marte e tira selfie

A previsão é que o robô explore Marte por 90 dias para buscar evidências de vida no planeta. A expedição faz parte de um projeto chinês ambicioso.

12 de junho de 2021

Ecad tem mais de 132 mil músicas cadastradas com amor no título

Registros foram feitos nos últimos 25 anos. Os títulos que mais aparecem são: Amor, Amor Proibido e Nosso Amor.

12 de junho de 2021

Brasil vai integrar pela 11ª vez o Conselho de Segurança da ONU

Ministério das Relações Exteriores afirmou, em nota, que o país “buscará traduzir em contribuições tangíveis a defesa da paz e da solução pacífica das controvérsias".

11 de junho de 2021