fbpx

domingo, 28 de novembro de 2021

ONG lamenta ‘acordo nebuloso’ e pouca ação dos países na COP26

A associação cita nações como a Índia, China, Arábia Saudita e os Estados Unidos como responsáveis pela "abordagem suavizada" na definição de metas.

15 de novembro de 2021

Compartilhe

(Foto: Reprodução)

A Associação Nacional de Conservação da Natureza (Quercus) – organização não governamental (ONG) portuguesa da área de meio ambiente – lamentou nesta segunda-feira (15) o “acordo nebuloso” alcançado na Conferência do Clima em Glasgow (COP26) e a falta de ação dos países no compromisso de descarbonização da economia. A instituição pediu maior esforço até o final da década.

“A redução drástica e urgente das emissões de gases de efeito estufa continua a ser uma premência até 2030”, alertou a ONG. Ela lamentou não tenha sido assumido o abandono da utilização do carvão e o fim dos apoios e isenções concedidos às empresas de combustíveis fósseis.

A associação cita nações como a Índia, China, Arábia Saudita e os Estados Unidos como responsáveis pela “abordagem suavizada” na definição de metas. Disse que elas traduzem apenas “piedosas intenções que resolvem muito pouco ou quase nada” para o compromisso final assinado no sábado (13).

“O aumento do financiamento à transição energética dos países mais vulneráveis ficou sensivelmente na mesma meta não cumprida anteriormente, uma vez que não foi atingido o objetivo de financiar a adaptação climática dos países em desenvolvimento em US$ 100 bilhões anuais. Continua ainda por ser definida a compensação aos países por perdas originadas pelas alterações climáticas”, denunciou.

Em comunicado, a Quercus mostrou-se insatisfeita pela reintrodução de 300 licenças de emissão no mercado do carbono. Lembrou que elas já tinham sido “abandonadas após o Protocolo de Quioto”, ratificado em 1999, e que “o Acordo de Paris já nem sequer as previa”, em 2015.

Em termos positivos, a ONG destacou os acordos setoriais na área das emissões de metano, da reflorestamento e de incentivo a energias limpas nos veículos, apesar de considerar que são insuficientes para a limitação do aquecimento global a 1,5 grau Celsius até o fim do século.

Sem deixar de sinalizar que o número de participantes na conferência mostra uma “preocupação relativa às alterações climáticas como nunca tinha sido anteriormente obtida”, a Quercus espera que seja aproveitada a “fresta” aberta na COP26 para reforçar a luta contra as alterações climáticas e que a pressão social contribua para corrigir alguns aspectos na cúpula de 2022, em Sharm-el-Sheik, no Egito.

A 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) adotou formalmente, no sábado, declaração final com uma alteração de última hora, proposta pela Índia, que suaviza o apelo ao fim do uso de carvão.

A alteração foi sugerida pelo ministro do Ambiente indiano, Bhupender Yadav. No encerramento da COP26, ele pediu para mudar a formulação de um parágrafo em que se defendia o fim progressivo do uso de carvão para produção de energia sem medidas de redução de emissões.

A proposta acabou por ser aprovada pelo presidente da cúpula, Alok Sharma, que disse “lamentar profundamente a forma com o processo ocorreu”.

O documento final aprovado – Pacto Climático de Glasgow – preserva a ambição do Acordo de Paris, alcançado em 2015, de conter o aumento da temperatura global em 1,5ºC acima dos níveis médios da era pré-industrial.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, comentou o acordo, alertando que apesar de “passos que são bem-vindos, a catástrofe climática continua a bater à porta”.

Com informações da Agência Brasil

Leia Mais:

Leia mais sobre Brasil

Covid-19: Brasil proíbe voos vindos da África devido variante Ômicron

A Anvisa recomendou ao governo que restrinja os voos e viajantes de países do sul do continente africano, entre eles a África do Sul.

27 de novembro de 2021

Anvisa recomenda restrições de voo diante de nova variante de covid-19

A Anvisa quer restringir a entrada de viajantes de voos vindos países do continente Africano por conta do surgimento da variante B.1.1.529.

26 de novembro de 2021

Ministério da Saúde recomenda dose de reforço da vacina Janssen

Intervalo para receber a dose de reforço deste imunizante deve ser de dois a seis meses. Cerca de quatro milhões de brasileiros receberam a vacina da Janssen.

26 de novembro de 2021

Vítimas em acidente com Marília Mendonça morreram pelo impacto

Instituto Médico Legal de Belo Horizonte concluiu que as vítimas morreram por politraumatismo contuso, em decorrência do impacto sofrido com a queda da aeronave.

26 de novembro de 2021

99 dará R$ 2 milhões em prêmios na campanha Direção Premiada

Motorista pode acumular, no máximo, cinco números e concorrer a um prêmio semanal de R$ 10 mil e outro de R$ 30 mil e aos prêmios de R$ 150 mil e R$ 300 mil no sorteio final.

26 de novembro de 2021

Anvisa recomenda ao governo exigência de vacina para entrada no Brasil

A agência diz que a medida pode dificultar que o Brasil se torne um destino para não vacinados. Sem a exigência, os não imunizados podem trazer mais riscos aos brasileiros.

25 de novembro de 2021

IBGE indica que expectativa de vida no Brasil subiu para 76,8 anos

Para os nascidos em 2019, a expectativa era viver, em média, 76,6 anos. Em cinco anos, expectativa de vida subiu 1,3 ano, enquanto em dez anos houve crescimento de 3,3 anos.

25 de novembro de 2021

Anvisa aprova dose de reforço da Pfizer para pessoas de 18 anos ou mais

A Pfizer ainda firmou um termo de compromisso com a agência para apresentar dados complementares solicitados pela Anvisa.

25 de novembro de 2021