fbpx

sexta, 28 de janeiro de 2022

Insegurança digital: mais de 4,6 bilhões de dados vazaram no Brasil

Uma análise recente, da PSafe, ressaltou o número de dados pessoais vazados nos seis primeiros meses do ano. Isso significa um aumento de 387%, se comparado a 2019.

13 de dezembro de 2021

Compartilhe

Quadro mostra que existe grande insegurança no meio digital ainda (Foto: Reprodução)

Uma análise recente, apresentada pela PSafe, empresa de segurança digital, ressaltou o número impressionante de mais de 4,6 bilhões de dados pessoais vazados, entre pessoas físicas e CNPJ, nos seis primeiros meses de 2021. Isso significa um aumento de 387%, quando comparado a todo o ano de 2019, que registrou 1,2 bilhão.

De acordo com a projeção da empresa, a tendência é de que 2021 ultrapasse as quase 10 bilhões credenciais vazadas identificadas em 2020. Cenário que coloca um ponto de interrogação em como proceder para evitar que dados e informações pessoais e financeiras caiam em mãos erradas.

Segundo Anderson Souza Brito, CEO da Revhram, empresa especializada em assessoria e intermediação de operações cambiais, desde 2014, o Banco Central do Brasil disponibilizou uma ferramenta gratuita e acessível a todos os cidadãos e empresas brasileiras, que ajuda a monitorar o vazamento e utilização indevida de informações, principalmente na área financeira.

Pouco conhecido pelos brasileiros, o Registrato permite consultar relacionamentos de clientes com instituições financeiras e identificar irregularidades. No sistema é possível realizar consulta sobre as transações abaixo, entre outros dados:

– contas bancárias abertas em seu nome;

– chaves Pix criadas;

– empréstimos e financiamentos;

– dívidas com cartões de créditos;

– câmbios realizados nas aquisições e vendas de moedas estrangeiras;

– cheques sem fundos

“Essas consultas são de extrema importância, pois através delas é possível fazer o acompanhamento das suas realizações financeiras e detectar eventuais utilizações indevidas em seu nome. Caso exista um registro indevido, basta realizar um boletim de ocorrência e procurar a instituição financeira para que a irregularidade seja corrigida”, explica Anderson.

Para acessar o Registrato, basta efetuar o cadastro no aplicativo ou site do banco com o qual a pessoa possui um relacionamento e selecionar a opção Registrato. A partir daí é possível consultar periodicamente e com fidedignidade uma série de informações, até as mais recentes como as chaves Pix.

Proteção de dados

“É necessário avaliar se os dados que serão coletados e processados são devidamente necessários para a realização do negócio pretendido. Cabe ao consumidor estar atento se as informações que estão sendo fornecidas também estão de acordo com a finalidade pretendida. Deve ser uma avaliação de mão-dupla para evitar qualquer risco”, frisa o especialista.

Operações cambiais mais seguras

Em tempo de aumento da preocupação com o extravio de dados, para aqueles que desejam realizar operações cambiais mais seguras, Anderson Brito destaca que o site do Banco Central do Brasil disponibiliza uma relação de todas as instituições financeiras habilitadas a operarem no mercado de câmbio bem como correspondentes autorizados a operarem com câmbio

Segundo ele, qualquer transação dessa natureza que tenha sido realizada por empresas autorizadas pela instituição deverá ser registrada no BACEN. A data de registro do contrato tem que corresponder ao dia da celebração da operação realizada, nos termos do Art. 41 da Circular BACEN 3691, de 16 de dezembro de 2013, instrumento que dispõe sobre os procedimentos relativos ao mercado de câmbio brasileiro. Nessa ocasião, o Registrato aparece, uma vez mais, como um grande aliado.

“Por meio do Registrato é possível acompanhar se as operações de câmbio foram registradas no Banco Central do Brasil. Além de verificar se os eventuais processos assinalados em seu nome foram de fato realizadas pelo órgão ou se existe a ausência de registros de suas operações contratadas”, explica Anderson.

Com informações da assessoria

Leia Mais

Leia mais sobre Brasil

Reforço vacinal tem intervalo reduzido e imunossuprimidos terão 4ª dose

Redução no intervalo para a dose de reforço quer ampliar a proteção contra a variante Ômicron. No caso dos imunossuprimidos, o intervalo conta a partir da 3ª dose.

20 de dezembro de 2021

Covid-19: Rio de Janeiro confirma primeiro caso da variante Ômicron

Mulher, cuja identidade não foi revelada, tomou a segunda dose da vacina contra covid-19 em março e não tomou a dose de reforço. Ela chegou ao Rio vindo de Chicago.

20 de dezembro de 2021

Chuvas no Sul da Bahia causam mais duas mortes, indica governo

Segundo órgão baiano, ao menos 14 pessoas morreram e 276 ficaram feridas em função dos eventos hidrológicos. Até ontem, 63 cidades baianas já tinham decretado emergência.

19 de dezembro de 2021

Garoto sofre racismo em escola: “Saudade de quando preto era escravo”

Em mensagens compartilhadas em grupo, alunos de colégio de BH fizeram comentários de cunho racista. Família levará caso à polícia.

19 de dezembro de 2021

Câmara técnica citada por Queiroga é favorável à vacinação infantil

No sábado, ministro da Saúde, Marcelo Queiroga disse que tema requer análise aprofundada de técnicos, mas especialistas já se manifestaram a favor do tema.

19 de dezembro de 2021

Ninguém acerta a Mega-Sena; próximo sorteio é da Mega da Virada

São os seguintes os números sorteados: 02 - 08 - 34 - 38 - 47 - 51. O prêmio da Mega-Sena da Virada está está estimado em R$ 350 milhões.

19 de dezembro de 2021

Miguel e Helena lideram ranking de nomes mais comuns no Brasil em 2021

Gael é o terceiro nome mais escolhido entre os meninos no Brasil com 23.973 registros no ano de 2021, mostra levantamento da Arpen Brasil.

19 de dezembro de 2021

Queiroga anuncia redução do intervalo da 3ª dose de 5 para 4 meses

Objetivo da medida anunciada por Queiroga é ampliar proteção da população com avanço da variante Ômicron. Portaria com modificação será publicada na segunda-feira.

19 de dezembro de 2021