fbpx

sexta, 28 de janeiro de 2022

Gripe H3N2 chega a 11 estados e pressiona serviços de saúde do País

Nova gripe causada por uma nova variante do vírus Influenza A, a H3N2, já foi registrada em 11 estados brasileiros e apresenta sintomas muito parecidos com os da Covid-19.

18 de dezembro de 2021

Compartilhe

Vacinação contra a gripe causada pelo Influenza será intensificada no País. (Foto: Reprodução)

O aumento do número de casos de gripe é um fenômeno que se repete ano após ano durante o outono e o inverno de cada hemisfério, mas, em 2021, especialistas foram surpreendidos por uma epidemia que começou no Rio de Janeiro em plena primavera e já chegou a 11 estados na véspera do verão. Coordenador do grupo que monitora os dados de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) e publica o Boletim InfoGripe na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Marcelo Gomes explica que as causas da epidemia são múltiplas e estão relacionadas à pandemia de covid-19.

Quando 2020 começou, lembra Gomes, os dados apontavam um ano com forte incidência do vírus Influenza no país, com aumento precoce de casos no Norte e no Sudeste já antes do início do outono. O início da pandemia de SARS-CoV-2 e a adoção do isolamento social e outras medidas preventivas, porém, atropelou esse processo, fazendo com que os casos de Influenza praticamente desaparecessem. “Esses outros vírus respiratórios são menos transmissíveis que o SARS-CoV-2, então, o impacto das medidas de prevenção neles é muito maior”, explica.

Como resultado, os surtos de gripe sazonais não ocorreram em 2020 e 2021. Se, por um lado, isso evitou que mais leitos fossem ocupados por pacientes com SRAG durante períodos críticos da pandemia de covid-19, por outro, a população ficou sem contato com o vírus da gripe e não desenvolveu defesa imunológica.

“A gente não teve a exposição natural, e isso nos deixa mais suscetíveis. Isso foi bom, porque teríamos tido, junto com a covid, as internações por Influenza, e isso teria sido muito pior do que já foi, mas tem esse saldo negativo”, destaca o pesquisador.

Segundo Gomes, quando as medidas de prevenção contra a covid-19 começaram a ser cada vez mais flexibilizadas ao longo deste semestre, essa população suscetível foi exposta a outros vírus respiratórios, o que resultou no aumento de casos de vírus sincicial respiratório em crianças e também na epidemia de Influenza no Rio de Janeiro.

Além de ser atípica, a epidemia é causada por uma cepa nova do vírus Influenza A Subtipo H3N2, chamada de cepa Darwin, por ter sido descoberta em uma cidade australiana que tem esse nome. A cepa Darwin ganhou força no último inverno do Hemisfério Norte, e o fato de os surtos no Brasil terem começado no Rio de Janeiro no segundo semestre de 2021 pode ter relação com fluxo de viajantes internacionais, considera Gomes.

“E, gerando uma epidemia no Rio de Janeiro, é questão de tempo ver o quadro que estamos vendo hoje, que é de início de surtos e detecção de casos nos outros estados, principalmente a partir das capitais”, acrescentou.

O monitoramento desse cenário, porém, foi prejudicado pelo ataque hacker ao sistema de dados do Ministério da Saúde, lamenta o pesquisador. Sem acesso aos dados que receberia nesta semana sobre a incidência de SRAG, nem às notificações de casos de Influenza, Marcelo Gomes diz que no momento só é possível garantir que há epidemia no Rio de Janeiro, mas autoridades locais já dão sinais de que São Paulo e outros estados podem viver cenário semelhante. De acordo com Gomes, o Boletim InfoGripe, que é semanal, não foi publicado nesta semana, mas os dados da edição anterior já mostravam que, no Rio, o Influenza já causa mais casos de SRAG que a covid-19.

Ele afirmou que era fundamental ter tais informações nesta semana para ter mais clareza deste cenário, mas os dados não foram recebidos dados por causa desses problemas. Gomes pede atenção para que uma epidemia nacional de Influenza não coincida com a disseminação da variante Ômicron do SARS-CoV-2 no país.

Com base em informações das secretárias de saúde, contudo, é possível cravar que a H3N2 já chegou aos seguintes estados:

Amazonas

Distrito Federal

Rio de Janeiro

São Paulo

Espírito Santo

Bahia

Paraná

Rio Grande do Sul

Rio Grande do Norte

Maranhão

Ceará

Da Redação, com informações do Metrópoles

Leia mais:

Leia mais sobre Brasil

Reforço vacinal tem intervalo reduzido e imunossuprimidos terão 4ª dose

Redução no intervalo para a dose de reforço quer ampliar a proteção contra a variante Ômicron. No caso dos imunossuprimidos, o intervalo conta a partir da 3ª dose.

20 de dezembro de 2021

Covid-19: Rio de Janeiro confirma primeiro caso da variante Ômicron

Mulher, cuja identidade não foi revelada, tomou a segunda dose da vacina contra covid-19 em março e não tomou a dose de reforço. Ela chegou ao Rio vindo de Chicago.

20 de dezembro de 2021

Chuvas no Sul da Bahia causam mais duas mortes, indica governo

Segundo órgão baiano, ao menos 14 pessoas morreram e 276 ficaram feridas em função dos eventos hidrológicos. Até ontem, 63 cidades baianas já tinham decretado emergência.

19 de dezembro de 2021

Garoto sofre racismo em escola: “Saudade de quando preto era escravo”

Em mensagens compartilhadas em grupo, alunos de colégio de BH fizeram comentários de cunho racista. Família levará caso à polícia.

19 de dezembro de 2021

Câmara técnica citada por Queiroga é favorável à vacinação infantil

No sábado, ministro da Saúde, Marcelo Queiroga disse que tema requer análise aprofundada de técnicos, mas especialistas já se manifestaram a favor do tema.

19 de dezembro de 2021

Ninguém acerta a Mega-Sena; próximo sorteio é da Mega da Virada

São os seguintes os números sorteados: 02 - 08 - 34 - 38 - 47 - 51. O prêmio da Mega-Sena da Virada está está estimado em R$ 350 milhões.

19 de dezembro de 2021

Miguel e Helena lideram ranking de nomes mais comuns no Brasil em 2021

Gael é o terceiro nome mais escolhido entre os meninos no Brasil com 23.973 registros no ano de 2021, mostra levantamento da Arpen Brasil.

19 de dezembro de 2021

Queiroga anuncia redução do intervalo da 3ª dose de 5 para 4 meses

Objetivo da medida anunciada por Queiroga é ampliar proteção da população com avanço da variante Ômicron. Portaria com modificação será publicada na segunda-feira.

19 de dezembro de 2021