fbpx

quinta, 02 de dezembro de 2021

Femama alerta sobre mamografias após vacina contra Covid-19

Mastologista explica que linfonodos apresentados em exames nas axilas é reação do corpo ao imunizante e não tem relação com câncer.

6 de julho de 2021

Compartilhe

Recomendação é que se espere de duas a quatro semanas (Foto: Sociedade Brasileira de Mastologia)

A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) alerta as mulheres para que não façam exames de mamografia imediatamente após terem tomado vacina contra a Covid-19.

A mastologista Maira Calfelli Caleffi, presidente voluntária da Femama, diz que a recomendação é de que elas voltem a fazer seus exames de rastreamento de câncer de mama, mas relatem ao médico caso tenham tomado vacina. 

Segundo Maira, nas últimas seis semanas, foi registrado um aumento agudo de descrições pelos radiologistas, nos laudos de mamografias e ultrassonografias, da presença de linfonodos, também chamados gânglios ou ínguas, nas axilas das pacientes, sugerindo doenças que deveriam ser investigadas. “A paciente, quando ela não está atenta para isso, realmente se apavora”. A mastologista diz ter recebido também muitos casos para investigar, com indicação de punções e cirurgias. “Coisa que não é necessário, desde que a gente constate que ela teve vacina naquele braço, ou até no braço contralateral, nos últimos 15 ou 30 dias”.

Depois desse período, a médica explica que os linfonodos regridem, isto é, voltam ao normal, na grande maioria das vezes. “Por isso, a Femama está fazendo um alerta para prevenir contra essa preocupação. A gente está pedindo que elas não deixem de fazer os exames. Mas se  tomou a vacina de covid-19, aguarde de duas a quatro semanas, porque já tem chance de nem aparecer nada”.

Vacina x câncer

A presidente da Femama esclarece que a vacina contra a Covid não provoca câncer. “Essa alteração nos gânglios é uma reação do corpo ao imunizante e não tem nenhuma relação com câncer, célula maligna de qualquer natureza. É uma reação inflamatória, como se fosse até uma febre”.

Ela lembra que se as mulheres que tiverem que fazer o exame de rastreamento, porque estão investigando algum nódulo ou caroço suspeito na mama, devem realizar a mamografia, mas informar o médico que tomaram vacina. “O médico já fica alerta. Essa parte é muito importante”. Segundo a Femama, o aumento dos linfonodos pode ser causado por qualquer injeção ou vacina, e não apenas pelos imunizantes contra a covid-19.

Segundo a Femama, a informação é confirmada pela Sociedade Brasileira de Mastologia, pela Comissão Nacional de Mamografia do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). Essas instituições já divulgaram recomendações de conduta frente à linfonodopatia axilar em pacientes que receberam recentemente a vacina contra a covid-19. “Por isso, nossa recomendação é que os agendamentos de exames de mamografia em pacientes sejam realizados antes da primeira dose da vacina ou, então, de duas a quatro semanas depois da aplicação da segunda dose”, afirma Maira Caleffi. Caso a linfonodopatia permaneça, é recomendada a investigação, por biópsia, do linfonodo para excluir a malignidade mamária ou outra origem extramamária, recomenda.

Fonte: Agência Brasil

Leia Mais:

Leia mais sobre Brasil

Anvisa aprova oitavo produto medicinal à base de Cannabis para uso no Brasil

O produto trata-se de uma solução de uso oral e será fabricado na Colômbia e, depois de pronto, iniciará a distribuição e a comercialização no Brasil.

2 de dezembro de 2021

Estado de São Paulo confirma 3º caso da variante da covid-19 Ômicron

De acordo com as informações, o passageiro está em isolamento domiciliar desde o desembarque, sem sintomas e sendo acompanhado pela vigilância do município de Guarulhos.

1 de dezembro de 2021

Ômicron: variante leva São Paulo a reavaliar liberação de máscaras

O governo do estado de São Paulo reforça que o uso das máscaras continuará obrigatório em ambientes fechados e no transporte público em razão da pandemia.

1 de dezembro de 2021

Boate Kiss: caso é julgado depois de quase nove anos da tragédia

Júri, que começa hoje, será transmitido ao vivo pelo canal do TJRS no Youtube. Incêndio em Santa Maria (RS), em 2013, matou 242 pessoas, a maioria jovens.

1 de dezembro de 2021

Covid-19: dois casos da variante Ômicron são confimados no Brasil

Após sequenciamento genético de amostras, foi identificado, em análises prévias, a variante Ômicron, em um casal que chegou no Brasil em um voo vindo da África.

30 de novembro de 2021

Enfrentamento à Covid: Belém cancela as festas de Réveillon e Carnaval

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, tomou a decisão após reunir com órgãos da Saúde e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid na capital paraense.

30 de novembro de 2021

Anvisa aprova novo tratamento para HIV com duas substâncias

A aprovação do novo medicamento, segundo a Anvisa, representa um avanço no tratamento, já que reúne em uma dose diária dois antirretrovirais.

30 de novembro de 2021

Queiroga descarta antecipar 3ª dose; OMS vê risco de avanço da variante

A Ômicron motivou alerta diante do alto número de mutações, mas cientistas afirmam que ainda é preciso investigar se ela tem a capacidade de maior transmissão.

30 de novembro de 2021