fbpx

sábado, 23 de outubro de 2021

Em 2019, 38% da população tinha alguma dificuldade de acesso à água

Dados fazem parte dos Indicadores Sociais de Moradia no Contexto Pré-Pandemia de Covid-19, divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

23 de junho de 2021

Compartilhe

Informação é do IBGE que divulgou indicadores do período pré-pandemia (Foto: Agência Brasil)

Dados dos Indicadores Sociais de Moradia no Contexto Pré-Pandemia de Covid-19 mostram que quase 38% da população brasileira tinha alguma vulnerabilidade de acesso à água, o que poderia dificultar a higienização das mãos em 2019, ano anterior à pandemia de Covid-19. A higienização das mãos e objetos é apontada como uma das medidas sanitárias para se evitar o contágio pelo novo coronavírus.

A pesquisa divulgada hoje (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que, enquanto 22,4% dos moradores residiam em domicílios sem abastecimento diário ou estrutura de armazenamento de água, 11,9% eram abastecidos por outra forma que não a rede geral. Além disso, 3,4% dos lares não estavam ligados à rede geral de água nem contavam com canalização.

“No contexto atual, no qual autoridades de saúde apontam a importância do distanciamento social e da lavagem das mãos com água e sabão para o combate à pandemia, o IBGE considera fundamental disponibilizar informações que auxiliem a superação da crise e a proteção da população frente ao grave quadro de saúde pública global”, disse, em nota, o analista do estudo, Bruno Mandelli Perez.

As dificuldades de higienização eram ainda maiores entre as grandes regiões do país. No Norte, 10,7% da população brasileira residia em domicílios sem canalização interna de água e abastecidos principalmente de outra forma, que não a rede geral de distribuição de água. No Nordeste, essa proporção era de 7,9%. A média nacional era de 3,4%. Entre as unidades da federação, o maior valor foi verificado no Pará, com 13,8%.

O percentual de pessoas pretas ou pardas (4,8%) que viviam em lares que não tinham na rede geral a sua principal forma de abastecimento de água e não contavam com canalização interna nos domicílios era bem maior do que a população de brancos (1,6%).

Área rural

Nas áreas rurais, 18,8% das pessoas moravam em domicílios que não tinham na rede geral a sua principal forma de abastecimento de água e não contavam com canalização interna nas casas.

Segundo o pesquisador, os dados revelam a desigualdade no abastecimento de água nos lares brasileiros. “Somente 62,2% da população dispunha de água oriunda de rede geral de distribuição, com abastecimento diário e com estrutura de armazenamento em seu domicílio, e, portanto, tinha melhores condições de cumprir as recomendações de higienização.”

Outra preocupação das autoridades sanitárias para controle da disseminação do vírus é o número de pessoas por domicílio e a possibilidade de isolamento na residência no caso de infecção de algum morador. Os dados do IBGE mostram que, em 2019, 27% da população brasileira viviam em domicílios com três pessoas. Já 9,8% da população brasileira residia em lares com seis ou mais moradores.

O estado do Amapá (32,5%), assim como a região metropolitana de Macapá (32,4%) e a capital, Macapá (32%), apresentaram a maior proporção de pessoas vivendo em domicílios com seis pessoas ou mais, em 2019.

Segundo o IBGE, esse indicador também está correlacionado a cor ou raça e à renda dos moradores. A proporção de domicílios com seis ou mais moradores era 12,3% entre a população preta ou parda e 6,5% na população branca. Entre a população que vivia na pobreza, 22% residiam em lares com seis ou mais pessoas.

Algumas famílias brasileiras ainda viviam em domicílios sem banheiro. Isso foi verificado em 2,6% da população. No Norte do país, 11% dos moradores não tinham banheiro em casa. Entre a população que vivia na pobreza, mais da metade (57,2%) residia em lares com mais de três moradores por banheiro. Já 8,1% em domicílios sem o cômodo usado para higienização pessoal.

Fonte: Agência Brasil

Leia Mais:

Leia mais sobre Brasil

Morte violenta atinge 6,97 mil crianças e adolescentes por ano no Brasil

As meninas são a maioria das vítimas de violência sexual entre todas as faixas de idade, respondendo por 78% dos casos até 4 anos.

22 de outubro de 2021

Aplicativos de delivery: a nova faceta do trabalho infantil no Brasil

Conforme dados do Ministério da Saúde, o Brasil, entre os anos de 2007 e 2019 registrou 27.971 acidentes de trabalho com crianças e adolescentes.

22 de outubro de 2021

Alexandre de Moraes determina prisão de blogueiro bolsonarista

Decisão foi assinada pelo ministro do STF e determina prisão preventiva do jornalista Allan dos Santos, responsável pelo site Terça Livre, e que mora nos EUA.

21 de outubro de 2021

Rio pode liberar máscaras em locais abertos na próxima semana

Para a liberação do acessório, a capital precisa atingir 65% da população completamente vacinada, disse o prefeito.

21 de outubro de 2021

A um mês do Enem, professores falam sobre uso de redes sociais

Eles dão dicas de como aproveitar essas ferramentas para fixar o conteúdo e alertam sobre os cuidados necessários para não perder o foco dos estudos.

21 de outubro de 2021

Vítimas de violência doméstica ganham acolhimento psicológico gratuito

O projeto, que já atendeu diversas pessoas presencialmente ao longo de três anos, passa a atender de forma on-line pessoas de diferentes regiões do Brasil acima de 18 anos.

20 de outubro de 2021

Covid-19 deixou 12 mil órfãos de até 6 anos no país, mostram cartórios

Segundo a Arpen-Brasil, 25,6% das crianças de até seis anos que perderam um dos pais na pandemia não tinham completado um ano.

19 de outubro de 2021

Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia

Queda na média móvel de mortes por Covid-19 se deu pela vacinação em massa, afirmou Queiroga; campanha de vacinação de 2022 está garantida com compra de imunizantes.

19 de outubro de 2021