fbpx

segunda, 08 de agosto de 2022

Cartilha estimula adoção de crianças mais velhas e com deficiência

Material explica como é o processo de adoção, quem pode adotar, os custos para uma adoção, quanto tempo leva, entre outras das principais dúvidas de quem deseja adotar.

26 de maio de 2021

Compartilhe

Documento tira principais dúvidas para quem deseja adotar (Foto: Agência Brasil)

Ontem (25), foi comemorado o Dia Nacional da Adoção e o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) aproveitou a ocasião para lançar uma cartilha para incentivar a adoção de crianças e adolescentes mais velhos, a chamada adoção tardia, e a adoção de crianças com deficiência ou doenças raras. 

Intitulado Adote um amor, o material explica como é o processo de adoção, quem pode adotar, os custos para uma adoção, quanto tempo leva, entre outras das principais dúvidas de quem deseja adotar no Brasil. Atualmente, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), cerca de 5 mil crianças estão na fila da adoção e existem cerca 35 mil pais interessados. Mesmo assim, existe uma dificuldade enorme de adoção no caso de crianças mais velhas ou com deficiência e por isso a fila não é zerada. Do total de crianças em abrigos para adoção, cerca de 25% são portadoras de deficiência ou de doenças raras. 

“A iniciativa de desenvolvimento da cartilha, lançada na data de hoje, é um importante material que visa incentivar e orientar os futuros pais e mães do nosso Brasil, informando sobre a cultura da adoção, de modo a incentivar que cada vez mais pessoas conheçam e optem pela adoção de crianças com deficiência ou com doenças raras, como nanismo, albinismo, autismo, etc., considerando que lugar de criança é numa família”, afirmou a secretária nacional dos direitos das pessoas com deficiência, Priscila Gaspar, durante a abertura de seminário virtual sobre o tema organizado pelo MMFDH. 

Acesse a cartilha AQUI.

Adoção tardia

No capítulo que trata da adoção tardia, a cartilha fala das especificidades desse tipo de adoção e ainda dá dicas de filmes e outros materiais em vídeo que contam histórias de adoção tardia de crianças e adolescentes, como forma de estimular os potenciais pais adotivos. 

“Eu discordo muito desse termo, porque nunca é tarde para se adotar”, afirmou a ministra Damares Alves, também na abertura do seminário. A própria ministra, que adotou uma filha de origem indígena quando a menina tinha 6 anos de idade, afirma que a experiência afetiva foi transformadora.  

“A adoção da Lulu [Kamayurá] mudou a minha vida. Eu tenho usado muito a minha história para incentivar, falar e dizer ao Brasil, especialmente ao povo cristão, que fala que foi adotado por Deus, que eles precisam adotar mais no Brasil”, enfatizou Damares.

Crianças com deficiência

Na parte que trata da adoção de crianças com deficiência e doenças raras, a cartilha ressalta que é importante a disseminação de informações completas para que famílias em potencial reduzam as próprias barreiras para adotar uma criança com essas características. 

Atualmente, 55,6% dos pretendentes habilitados afirmam aceitar adotar crianças com alguma deficiência ou doença. Entretanto, apenas 5,36% desses pretendentes aceitariam adotar uma criança com HIV, 4,1% concordariam com a adoção de criança com deficiência física, e somente 2,5% se habilitaram para receber uma criança com deficiência física e intelectual. 

Para a secretária nacional da Família, Ângela Gandra, qualquer projeto pessoal de adoção deve levar em conta uma escolha afetiva baseada no interesse da criança.  “O projeto pessoal de um pai que quer adotar tem que ser um projeto do coração, no maior interesse da criança. Adoção não é uma feira que tu vai lá escolher. É uma abertura à vida como ela vem, a aceitação das crianças dentro das suas necessidades”, afirmou durante o seminário virtual sobre o tema.

Fonte: Agência Brasil

Leia Mais:

Leia mais sobre Brasil

Reforço vacinal tem intervalo reduzido e imunossuprimidos terão 4ª dose

Redução no intervalo para a dose de reforço quer ampliar a proteção contra a variante Ômicron. No caso dos imunossuprimidos, o intervalo conta a partir da 3ª dose.

20 de dezembro de 2021

Covid-19: Rio de Janeiro confirma primeiro caso da variante Ômicron

Mulher, cuja identidade não foi revelada, tomou a segunda dose da vacina contra covid-19 em março e não tomou a dose de reforço. Ela chegou ao Rio vindo de Chicago.

20 de dezembro de 2021

Chuvas no Sul da Bahia causam mais duas mortes, indica governo

Segundo órgão baiano, ao menos 14 pessoas morreram e 276 ficaram feridas em função dos eventos hidrológicos. Até ontem, 63 cidades baianas já tinham decretado emergência.

19 de dezembro de 2021

Garoto sofre racismo em escola: “Saudade de quando preto era escravo”

Em mensagens compartilhadas em grupo, alunos de colégio de BH fizeram comentários de cunho racista. Família levará caso à polícia.

19 de dezembro de 2021

Câmara técnica citada por Queiroga é favorável à vacinação infantil

No sábado, ministro da Saúde, Marcelo Queiroga disse que tema requer análise aprofundada de técnicos, mas especialistas já se manifestaram a favor do tema.

19 de dezembro de 2021

Ninguém acerta a Mega-Sena; próximo sorteio é da Mega da Virada

São os seguintes os números sorteados: 02 - 08 - 34 - 38 - 47 - 51. O prêmio da Mega-Sena da Virada está está estimado em R$ 350 milhões.

19 de dezembro de 2021

Miguel e Helena lideram ranking de nomes mais comuns no Brasil em 2021

Gael é o terceiro nome mais escolhido entre os meninos no Brasil com 23.973 registros no ano de 2021, mostra levantamento da Arpen Brasil.

19 de dezembro de 2021

Queiroga anuncia redução do intervalo da 3ª dose de 5 para 4 meses

Objetivo da medida anunciada por Queiroga é ampliar proteção da população com avanço da variante Ômicron. Portaria com modificação será publicada na segunda-feira.

19 de dezembro de 2021